quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Alimentação no Antropoceno (estudo de The Lancet)

«Um grupo de 37 cientistas de 16 países apresentou novas diretrizes para que a alimentação beneficie simultaneamente as pessoas e o planeta. A conclusão é que todos precisamos de comer mais vegetais e alguns precisam comer muito menos carne…

Imagem da capa do documento (simongurney/GettyImages)
O estudo, apresentado na revista Lancet, afirma que é preciso que os países desenvolvidos reduzam o consumo de carne, que todos reduzam o desperdício alimentar e que se modifique os métodos de produção de forma a reduzir a desflorestação e o consumo de água.»


Foi recentemente publicado na revista The Lancet, o estudo denominado "Alimentação no Antropoceno: a Comissão EAT–Lancet sobre dietas saudáveis a partir de sistemas alimentares sustentáveis ", em janeiro de 2019. The Lancet é uma revista científica sobre medicina com revisão por pares, e uma das mais antigas e conhecidas revistas médicas do mundo (daqui). 

Abaixo apresenta-se excertos do prefácio e a conclusão do artigo, bem como algumas imagens do mesmo, que pode ser consultado aqui e descarregado aqui.

Alimentos no Antropoceno: a Comissão EAT-Lancet sobre dietas saudáveis a partir de sistemas alimentares sustentável
Diferença entre os padrões alimentares em 2016 e as ingestões na dieta de referência.   Os dados sobre as ingestões de 2016 são do banco de dados da “Global Burden of Disease”. A linha ponteada representa as ingestões na dieta de referência (tabela 1, abaixo).

«A grande transformação alimentar do século XXI

A civilização está em crise. Não podemos mais alimentar nossa população com uma dieta saudável, equilibrando recursos planetários. Pela primeira vez em 200.000 anos da história humana, estamos gravemente fora de sincronia com o planeta e a natureza.

Esta crise está a acelerar, esticando a Terra até seus limites e ameaçando a existência sustentada de seres humanos e outras espécies. Esta publicação “Alimentos no Antropoceno: a Comissão EAT-Lancet sobre dietas saudáveis a partir de sistemas alimentares sustentáveis” não poderia ser nem mais oportuna nem mais urgente.

As dietas dominantes que o mundo tem produzido e consumido nos últimos 50 anos já não são nutricionalmente ótimas, são um dos principais contribuidores para as alterações climáticas e estão a acelerar a erosão da biodiversidade natural.

A menos que haja uma mudança abrangente na forma como o mundo come, não há probabilidade de atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) - com a alimentação e a nutrição a atravessar todos os 17 ODS - ou de cumprir o Acordo de Paris sobre alterações climáticas

(Prefácio de Tamara Lucas, Richard Horton)

Efeitos ambientais por porção de alimentos produzidos.  As barras são médias (SD). Faltam alguns resultados sobre peixe devido à falta de dados para algumas categorias de impacto (ex., uso da terra proveniente de alimentos à base de plantas na aquicultura).

Efeitos ambientais em 2010 e em 2050 por grupos de alimentos em vários sistemas terrestres, com base em projeções “business-as-usual” (tudo como até agora) para consumo e produção (staples= alimentos básicos).

«Conclusão

Os alimentos que ingerimos e a maneira como os produzimos determinarão a saúde das pessoas e do planeta, e grandes mudanças devem ocorrer para evitar a redução da esperança de vida e a degradação ambiental contínua.

Esta Comissão apresenta uma base de trabalho integrada que fornece metas científicas quantitativas para dietas saudáveis e produção sustentável de alimentos, que, juntas, definem um espaço seguro dentro do qual os sistemas alimentares devem operar para assegurar que um amplo conjunto de metas de saúde humana e de sustentabilidade ambiental sejam alcançadas.

Essa base é universal e fornece limites que são globalmente aplicáveis com um alto potencial de adaptação e escalabilidade locais. Ao definir e quantificar um espaço operacional seguro para sistemas alimentares, podem ser identificadas dietas que alimentem a saúde humana e apoiem a sustentabilidade ambiental.

A nossa dieta de referência universal saudável consiste em grande parte de legumes, frutas, grãos integrais, legumes, nozes e óleos insaturados, inclui uma quantidade baixa a moderada de frutos do mar e aves, e inclui pouca ou nenhuma carne vermelha, carne processada, açúcar adicionado, grãos refinados e vegetais ricos em amido.

A nossa definição de produção sustentável de alimentos permanece dentro de limites planetários seguros para seis processos ambientais que juntos regulam o estado do sistema terrestre e incluem alterações climáticas, mudanças no uso de terras, uso de água doce, perda de biodiversidade e interferência nos ciclos globais de azoto (nitrogénio) e fósforo .

Aplicando uma estrutura global de modelagem de sistemas alimentares, mostramos que é possível alimentar uma população global de quase 10 mil milhões de pessoas com uma dieta saudável dentro dos limites da produção de alimentos até 2050.

No entanto, essa Grande Transformação Alimentar só será alcançada através de níveis ação alargados, múltiplos e multissetoriais, que incluem uma mudança global e substancial em direção a padrões alimentares saudáveis, grandes reduções no desperdício de alimentos e grandes melhorias nas práticas de produção alimentar. 

Os dados são suficientes e fortes para justificar a ação; o atraso aumentará a probabilidade de não se alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris. 

Esta Comissão mostra que uma Grande  Transformação Alimentar é necessária e realizável.»

Fonte:   http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(18)31788-4  (tradução livre)


Tabela 1: Dieta de referência saudável, com intervalos possíveis, para uma ingestão de 2.500 kcal / dia
Para um indivíduo, uma ingestão de energia ideal para manter um peso saudável dependerá do tamanho do corpo e do nível de atividade física. O processamento de alimentos, como a hidrogenação parcial de óleos, a refinação de grãos e a adição de sal e conservantes, podem afetar substancialmente a saúde, mas não são abordados nesta tabela. * Trigo, arroz, feijões secos e lentilhas são secos, crus. † A mistura e a quantidade de grãos podem variar para manter a ingestão isocalórica. ‡ Carne de vaca e cordeiro podem ser trocados por carne de porco e vice-versa. Frango e outras aves de capoeira são trocáveis ​​com ovos, peixe ou fontes de proteína vegetal. Legumes, amendoim, nozes, sementes e soja são intercambiáveis. § Os alimentos à base de peixe consistem em peixe e marisco (por exemplo, mexilhões e camarões) e são originários da captura e da aquacultura. Embora os frutos do mar sejam um grupo altamente diversificado que contém animais e plantas, o foco deste relatório é exclusivamente sobre animais. Os óleos insaturados são 20% de cada um de: azeite e óleos de soja, colza, girassol e amendoim. || Alguma banha ou sebo são opcionais nos casos em que porcos ou gado são consumidos.

Mais artigos sobre o estudo em português em:

Vida Exttra: Alimentar o planeta exige dieta com menos carne e mais verduras e fruta

 Página 22 - Dietas que salvam a saúde humana e a vida no planeta

Sem comentários:

Publicar um comentário

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.