Dicas Sustentáveis

CADA UM A CONTRIBUIR PARA UM PLANETA MELHOR

Imagem de We Are What We Do
A pegada ecológica, que exprime a área da superfície terrestre produtiva para produzir os recursos utilizados e para assimilar os resíduos gerados por um indivíduo, uma comunidade, um país, ou mesmo para a população mundial, é uma forma de termos uma ideia da insustentabilidade da nossa actuação:  Face à população existente, a pegada ecológica média que nos cabe é de 2,0 hectares por pessoa; no entanto, a pegada ecológica média estimada na terra é de 2,9 hectares por pessoa. Estamos a usar mais 45% da superfície da terra e oceanos para produzir o que consumimos e depositar o lixo que produzimos do que o que ela pode sustentar. E a isto acrescem as disparidades que vão desde os 12,5 hectares por pessoa nos EUA (e mais noutros países) até aos 0,6 hectares por pessoa no Bangladesh.

Alcançar um mundo sustentável depende de todos nós, de estarmos esclarecidos e de esclarecermos que o caminho que a economia global tem seguido é errado. O caminho para a sustentabilidade tem de passar não só pelo respeito pelo ambiente e equilíbrio dos ecossistemas, mas também pela justiça social e pela distribuição equitativa de recursos. Há que mudar de rumo, e esta viragem implica uma acção individual e colectiva na redução do consumo, na redução da produção de resíduos, na reutilização e nas relações humanas.

Já passamos a era dos 3 R's, agora, estamos na época dos 5 R´s:

Repensar, Respeitar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar. 

As dicas que se seguem foram obtidas em vários sítios, designadamente, no site da Quercus e da Naturlink, e parte delas foram adaptadas. Não são novidade para a maioria das pessoas que já estão familiarizadas com as questões ambientais, e grande parte estão amplamente divulgadas na Internet.  Seleccionei-as por me parecerem fáceis de implementar no dia a dia (uma  mais que outras, claro). Ajude a aperfeiçoar esta página através de comentários e sugestões.


INTERVIR

A participação cívica é um elemento fundamental para que a democracia funcione. Uma sociedade só pode funcionar bem com cidadãos informados, participativos e activos. O ambiente é de todos nós, temos o direito de o ter seguro e limpo, assim como temos o dever de zelar por ele.

1.    Sempre que tenha oportunidade fale sobre o ambiente e a forma de o proteger.

2.    Como ser humano, tem o direito a viver num ambiente seguro, pelo que não receie em manifestar o seu desagrado junto a pessoas ou entidades que apresentem comportamentos que ameaçam a qualidade dos recursos naturais.

3.    Forme um grupo de pessoas que partilhem das suas preocupações ambientais e encontre um rio, um parque, um jardim, uma praia que precise de alguns cuidados. Apanhe o lixo, arranje vedações, plante algumas flores.

4.    Quando participar em acções ambientais, peça donativos e materiais a entidades privadas e convide jornalistas ou repórteres para fazerem a cobertura do evento. Quanto mais de falar do ambiente, mais atenção lhe será dispensada.

5.    Se tiver conhecimento de actividades poluentes e poder identificar o responsável, não hesite em fazer uma denúncia às autoridades, pois estará a prestar um favor a si e à sua comunidade.

6.    Faça o seu próprio jardim ou horta, deixando de lado fertilizantes, herbicidas e outros produtos químicos. Os espaços verdes reduzem a erosão dos solos e a poluição atmosférica e o Ambiente agradece.

7.    Se estiver à procura de trabalho de Verão, dirija a sua busca para ocupações quem tenham um efeito positivo no ambiente. Diversas entidades precisam de ajuda e muitas vezes remuneram os seus colaboradores.

8.    Organize conferências na sua escola ou no seu bairro, convidando pessoas que possam responder às suas questões. A maior parte das organizações de defesa do ambiente têm pessoas que poderão fazer estas sessões de esclarecimento de graça.

9.     Envie cartas às empresas que prejudicam o ambiente. Especialistas afirmam que a maior parte das empresas nunca recebem qualquer carta dos consumidores, pelo que elas serão sempre lidas.

10.   Dê sugestões à Câmara Municipal da sua zona para a melhoria das práticas ambientais.


ÁGUA

Por dia gastam-se muitos litros de água; 10 litros numa descarga de autoclismo, 80 litros num banho rápido, 100 litros numa lavagem de roupa na máquina e 50 litros numa lavagem de louça na máquina. O esforço para poupar água é uma obrigação.

1.    Uma torneira aberta gasta de 12 a 20 litros/minuto. Pingando, perde até 50 litros/dia. Isto significa 1500 litros por mês. Feche bem as torneiras, verifique-as  e repare as fugas de água.  

2.    Certifique-se que a sua casa não tem torneiras a pingar escondidas. Leia o contador da água após duas horas em que não use agua e verifique se ele mexeu alguma coisa. Se não mexeu, saberá que não tem fugas e que está a economizar água.

3.    O caudal de uma torneira é de 11 a 19 litros de água por minuto. Instale um compressor redutor de caudal e poderá reduzir o consumo em 50%.

4.    De cada vez que utiliza o autoclismo deita muita água fora, desnecessariamente. Tente regulá-lo de forma a poupar água.

5. Coloque um objecto que não flutue no depósito do autoclismo, como uma garrafa de 1,5 l cheia de água, e os gastos de água serão reduzidos.

6.    Evite puxar o autoclismo desnecessariamente. Não deite lixo e restos de comida na sanita.

7.    Como descobrir se o seu autoclismo perde água? Ponha umas gotas de corante no depósito e se vir água corada na sanita, sem ninguém ter puxado o autoclismo, é porque existe uma fuga.

8.    Não deixe correr a água enquanto lava os dentes ou faz a barba, pois abrir e fechar a torneira várias vezes é melhor do que deixar a correr água sem necessidade. Mas o melhor é usar o copo ou a pia com água.

9.    No duche, feche a torneira enquanto se ensaboa. O consumo cairá de 180 para 48 litros.

10.    Prefira o duche ao banho de imersão. E se vai mesmo tomar banho na banheira, tape o ralo antes de abrir a água quente. Apesar de sair fria no início, ficará depois a uma temperatura óptima após adicionar a água quente.

11.    Utilize a máquina de lavar louça ou roupa só quando estiverem cheias ou se possuírem programas de meia-carga.

12.     Lavar louças com água corrente desperdiça até 105 litros. Encha o lava-loiça, ensaboe a louça com a torneira fechada e depois enxague tudo de uma vez.

13.     Regue as plantas de manhã cedo ou ao cair da noite. Nessa altura, a evaporação de água causada pelo Sol é menor, pelo que poupará este recurso. Se usar mangueira, coloque pistola de rega  na ponta.

14.     Nunca deite água fora que possa ser útil para outros fins, como regar as plantas ou o jardim, ou mesmo para lavar a casa.

15.     Lavar carro: Com uma mangueira gasta 600 litros de água. Lave o carro no máximo uma vez por mês, com balde de 10 litros, para ensaboar e enxaguar.

16.     Na limpeza de quintal e calçada USE VASSOURA  e não água.

17.    Se detectar uma fuga de água num espaço público, contacte imediatamente a entidade competente.


ENERGIA

Poupe energia. Prefira equipamentos eficientes, e não os deixe ligados mais do que é preciso.

1.    Sempre que for o último a sair de um compartimento da casa apague a luz. Instale detectores de presença que desligam as luzes quando uma sala está desocupada.

2.    Prefira sempre que possível a luz natural.

3.    Tente isolar as frestas das janelas e portas para evitar perdas de energia em casa; feche as cortinas para evitar as trocas de energia.

4.    Tente manter as lâmpadas e os globos ou protectores de lâmpadas bem limpos para que a energia gasta seja aproveitada na totalidade. As lâmpadas limpas gastam menos energia.

5.    Prefira  lâmpadas economizadoras

6.    Apague completamente a televisão, o vídeo ou o sistema de som quando não se usa;  Não utilize o stand by, pois consome energia;

7.    Não deixe carregadores ligados á tomada. Consomem energia, que pode verificar pela temperatura do s mesmos.

8.     Diminua pelo menos  1º C o aquecimento em casa, mantenha as janelas fechadas enquanto aquece, vista roupa mais quente.

9.    Se precisa de comprar electrodomésticos, opte pelos classe A+ ou A++. Podem ser mais caros na compra, mas acabam por ficar mais baratos no consumo e para o ambiente.

10.    Frigorífico:  Mantenha a parte traseira limpa, ventilada e afastada de qualquer fonte de calor.  Não abrir as portas continuamente nem deixe que se formem placas de gelo.

11.    Sempre que abrir o frigorífico retire tudo o que precisa de uma só vez e rapidamente.

12.    Mantenha a temperatura do frigorífico acima dos 5-6ºC. Temperaturas inferiores são inúteis e aumentam o consumo de energia em 7-8%. Apalpe a comida que está no frigorífico, se estiver gelada, o botão está regulado para temperaturas demasiado baixas. Para poupar energia, aumente ligeiramente a sua temperatura.

13.    Quando estiver a aquecer um qualquer alimento, coloque a tampa para poupar energia.

14.    Máquina de Lavar Louça: Ligue-a à torneira da água fria (aquecendo-a com a sua resistência consome bastante menos que trazendo a água quente da rede); Limpe os restos de comida que ficam no filtro;

15.     Máquina de Lavar Roupa: utilize-a quando haja uma quantidade de roupa suficiente;  a menos que a roupa esteja muito suja, lave-a com água fria.

16.      Ferro de Passar Roupa: utilize-o quando haja uma quantidade de roupa suficiente;  desligue o ferro um bocado antes de acabar de passar.

17.    Máquina de Secar Roupa : Evite usá-la. Aproveite o calor do sol e o vento, prefira o estendal  para secar a roupa.

18.    Evite o uso do ar condicionado. Se necessitar mesmo de o usar, não o faça com as janelas abertas.

CONSUMO

Somos todos consumidores, mas devemos sê-lo conscientemente. Procure produtos de melhor qualidade e mais duráveis, e compre apenas aquilo de que realmente precisa. Informe-se, leia os rótulos ou etiquetas.

1.    Repense o consumo e o modo de vida – consuma menos e melhor. Quando for às compras, compre apenas o que precisa. Se compra sem precisar, está a contribuir para o esgotar de recursos do planeta e para o aumento da quantidade de resíduos, desnecessariamente.

2.    Sempre que puder, prefira produtos locais ou nacionais. Ajuda a desenvolver á sua localidade ou o país enquanto contribui para a redução de emissões de gases efeitos de estufa devido ao transporte dos produtos.

3.    Prefira o comércio tradicional, que vitaliza a economia local.

4.    Consuma e ofereça presentes do Comércio Justo, em que o produtor recebe remuneração justa pelo seu trabalho, contribuindo para o desenvolvimento sustentável.

5.    Reutilize, recupere e recicle roupa, os móveis, a tecnologia… tudo!

6.    Aprenda a decifrar rótulos: conheça os ingredientes e indague as origens dos produtos

7.    Questione as lojas e empresas sobre a origem e o modo de produção do que vendem

8.    Quando for às compras prefira sacos de papel ou lojas que os forneçam. No entanto o melhor será levar de casa sacos para reutilizar.

9.    Ao fazer compras, dê preferência a produtos com menos embalagens ou com embalagens de papel reciclado.

10.    Evite o uso de papel de alumínio na cozinha.

11.    Tenha panos de cozinha para limpar pingos e salpicos, em vez das toalhas de papel.

12.    Use guardanapos e lenços de tecido, em vez dos feitos de papel.

13.    Coma menos carne, especialmente de vaca. A quantidade de água gasta para produzir 1kg de carne de vaca é enorme (mais de 15 mil litros), e a área de cultivo de alimentos para os bovinos contribui para a desflorestação e aumento dos gases efeitos de estufa. Além disso, comer carne a mais do que o necessário é pior para a saúde.

14.    Não desperdice alimentos em bom estado ou que podem ser habilmente aproveitados. Com um pouco de planeamento, informação e criatividade é fácil diminuir o desperdício e gastar menos dinheiro.

15.    Prefira "Slow-Food" e evite “Fast Food”. Ganha a sua saúde e o ambiente.

16.    Diminua o uso de químicos e detergentes, escolha produtos ecológicos. Diminua a quantidade de detergente para lavar a roupa e a louça, e verifique se a roupa/louça sai ou não bem limpa. Para lavar a roupa, já existem bolas com cerâmica que dispensam o uso de detergente (ex. ecobola) Experimente.

17.    Trate as árvores de fruto com calda bordalesa. É muito mais inócua para a saúde e ambiente que os pesticidas actuais.

18.    Aprenda sobre permacultura e transição, um modo de vida em harmonia com a natureza.


LIXO / RESÍDUOS

Reduza a quantidade de lixo, reutilize o que for possível, separe os resíduos para reciclar

1.    As embalagens de plástico e outro lixo que se deita ao mar matam, por ano, mais de 1000 animais marinhos. Por vezes estes ingerem-nos pensando que é comida. Não deixe lixo nas praias.

2.     Nunca deite lixo para o chão. Se for para o campo, praia ou andar de barco leve um recipiente para guardar o lixo. Se puder, apanhe algum lixo que esteja já nos diferentes locais quando aí chegou.

3.     Não abandone sacos plásticos, garrafas de vidro ou linhas de pesca, pois poderão causar ferimentos a animais.

4.    Quando circular em qualquer meio de transporte, não deite qualquer tipo de lixo pela janela, mesmo que seja só um papelito. Muito menos despeje lixo fora dos contentores ou nas bermas das estradas.

5.    Quando despejar lixo em caixotes ou contentores, prefira utilizar recipientes com tampa, para reduzir as hipóteses do lixo ser derramado e espalhado. O lixo espalhado atrai ratos, baratas e moscas, que podem funcionar como vectores de diversas doenças, para além de poluir visualmente.

6.    Em dias em que não é efectuada a recolha de lixo, evite colocar o seu nos contentores, para que estes não transbordem e o lixo se espalhe.

7.    O fundo de uma garrafa pode provocar um incêndio por fazer convergir os raios solares quando nele incidem. Não se devem abandonar garrafas no campo ou nas bermas das estradas.

8.    Prefira os produtos com embalagens de tamanho familiar. As embalagens são responsáveis por cerca de metade do volume de lixo doméstico.

9.    Escolha bebidas em garrafas reutilizáveis. Caso não seja possível, então dê preferência a embalagens recicláveis.

10.     Quando encontrar bocados de plástico na praia ponha-os no lixo para não serem arrastados para o mar. Podem matar alguns animais marinhos.

11.     Não liberte balões para o ar. Quando os comprar mantenha-os presos para não fugirem, porque podem ir parar ao mar e se algum animal pensa que é comida e os ingere pode morrer.

12.     Os jornais, as revistas, os cadernos usados, as pilhas, os plásticos, as latas de refrigerantes e das conservas, o ferro, o vidro e outros materiais podem ser reciclados e deverão ser colocados em locais próprios de forma separada para poderem ser recolhidos selectivamente.

13.     Antes de colocar o papel nos locais onde pode ser reciclado, verifique se está escrito dos dois lados. Utilize o verso.

14.      As pilhas que já não servem devem ser colocados nos recipientes próprios, de onde são levadas para reciclar.

15.     Nunca deite o óleo pelo esgoto da banca - 1 litro de óleo polui 1 milhão de litros de água. Coloque o óleo alimentar usado numa garrafa de óleo; quando estiver cheia leve-o a um "oleão".

16.     Não deite garrafas ou outros utensílios de vidro para o lixo. Junte-os e coloque-os nos locais a partir dos quais são recolhidos para poderem ser reciclados.

17.     Os funcionários de qualquer escritório deitam para o lixo, anualmente, cerca de 500 kg de material reciclável de primeira qualidade. No seu escritório proponha separar o papel que pode ser reciclado e ofereça-se para periodicamente ir ao papelão colocar o papel acumulado.

18.     A energia que se poupa ao reciclar uma lata de refresco pode fazer funcionar um televisor durante três horas. Quando utilizar uma lata, lave-a e ponha-a num sítio onde possa ser reciclada.

19.     A energia economizada com a reciclagem de uma única garrafa de vidro é suficiente para manter acesa uma lâmpada de 100 w durante quatro horas.

20.     Tente utilizar baterias que possam ser recarregadas. Cada bateria contém componentes poluentes, que degradam a área onde são despejadas. Caso não sejam recarregáveis, envie-as para as empresas fabricantes, o que poderá encorajá-las a reciclar.

21.      Não queime o seu lixo. A queima dos produtos produz gases tóxicos, que contaminam o meio ambiente. Em vez disso faça a separação do lixo e coloque-o nos locais próprios.

22.     Em vez de queimar as folhas e os restos dos legumes, proceda à sua compostagem.

23.     Ao aproveitar as folhas das árvores, a relva e outros detritos orgânicos para fazer adubo não está só a reciclar, está também a diminuir o consumo de adubos químicos.

24.     Comprima as latas, as embalagens em cartão e todos os recipientes volumosos, de modo a reduzir o volume de lixos.

25.     Ao mudar o óleo do carro, assegure-se de que este não vai para o esgoto ou para o solo. Entregue-o numa oficina que lhe dê um destino adequado.

26.      Faça as emendas aos seus textos directamente no ecrã do computador, para evitar impressões desnecessárias e o gasto de papel em rascunhos.

27.     No emprego, em vez de usar copos de papel, utilize a sua própria chávena.

28.     Use recipientes que possam ser reutilizados para guardar alimentos no frigorífico, em vez de os embrulhar em película aderente ou papel de alumínio.

29.     As embalagens sujas de líquidos e alimentos devem ser previamente lavadas e secas antes de seguirem para os ecopontos.

30.     Deixe os medicamentos fora de prazo no farmacêutico e entregue restos de medicamentos ainda com eventual utilização nos Centros de Saúde.


TRANSPORTES

Os transportes são responsáveis por  25% das  emissões de CO2 na Europa. É urgente reverter o contínuo aumento do uso do automóvel privado, através da maior utilização dos transportes públicos, e do uso da bicicleta como meio de transporte.

1.    Opte pelo uso de transportes públicos em vez do seu automóvel, sempre que possível.

2.    Use a bicicleta como meio de transporte. Não só fará mais exercício, como ajudará na redução das emissões de dióxido de carbono (CO2).

3.     Partilhe o seu transporte com familiares, amigos ou vizinhos, se o automóvel tiver mesmo de ser o seu meio de deslocação de eleição.

4.    Desligue o motor sempre que estiver parado por mais de 30 segundos.

5.    Tenha atenção à manutenção do seu veículo. Um motor mal cuidado pode consumir 50% a mais de combustível e produzir 50% mais CO2.

6.    Verifique a pressão dos pneus, já que uma diferença, mesmo que mínima, quanto aos valores da pressão correcta pode significar um aumento de combustível na ordem dos 5%.

7.    Se a distância é pequena, vá a pé e deixe o carro na garagem. Queime calorias e não petróleo.



página criada em 29 de Outubro de 2010
CASA
45 Dicas para construir uma casa mais sustentável - Veja em NOVOS RURAIS

página actualizada em  21/06/2011 e  republicada em 17/02/2012

6 comentários:

  1. Boa Manuela!
    Nunca é demais relembrar!

    ResponderEliminar
  2. Ao ler esta longa listagem de como podemos melhorar e reduzir a nossa pegada ecologica fico feliz por já praticar a grande maioria das recomendações e agradeço as que não conhecia. Assim posso ainda melhorar muito.

    ResponderEliminar
  3. Excelente este blog... estou compartilhando matérias no Ecodicas... http://www.facebook.com/pages/Ecodicas/250588891725622?ref=hl

    Bjs!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Cristiano Requião

      Sabe que minha freguesia natal se chama Requião? Mas não conheço ninguém aqui em Portugal com esse nome, embora haja muitas pessoas com nomes de locais e cidades!

      Obrigada pelo comentário e pela partilha!

      Um abraço

      Eliminar
  4. Gostaria de lembrar que, ao contrário do que propagam, não existe plástico reciclável... Existem centenas de tipos diferentes. Os termo-rígidos não tem solução; os termo-plásticos podem ser reprocessados industrialmente (não reciclados!) e se tornar uma outra matéria prima para utilização diversa daquela original. Uma garrafa PET jamais será novamente uma garrafa e o mesmo acontece com o PVC, o polietileno etc. Diferentemente do vidro, onde uma garrafa (que pode durar centenas de anos...) quebrada poderá se tornar novamente uma garrafa. O papel também não é reciclável. No reprocessamento as fibras são prejudicadas e ele se torna sempre um papel de pior qualidade ou então recebe uma quantidade significativa de polpa virgem. E há alguns anos tive a informação de que a quantidade de energia gasta para a "reciclagem" é superior a do papel produzido sem polpa reaproveitada...

    O ideal é baixar o consumo, evitar garrafas e embalagens de plástico (incluindo isopor etc.), usar papel somente quando necessário.

    Abraços!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Cristiano

      No conceito corrente, a reciclagem é vista de um modo abrangente como o meio de transformar materiais usados em produtos novos, independentemente de serem iguais ou não aos originais.

      Mas, como diz, podemos dividir essa "reciclagem abrangente" em dois processos distintos - a reciclagem (estrita), conforme a sua definição, que se refere à produção do mesmo material original, e o reaproveitamento, em que o material processado é diferente do original.

      Concordo plenamente consigo quando diz que "o ideal é baixar o consumo, evitar garrafas e embalagens de plástico, usar papel somente quando necessário":

      Antes de Reaproveitar, Reciclar! Antes de Reciclar, Reutilizar! Antes de Reutilizar, Reduzir! e antes disso tudo Respeitar e Repensar! E já vai em 7R

      Obrigada pelo seu contributo e um abraço!

      Eliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.