quarta-feira, 10 de outubro de 2018

"ETERNAL FOREST" - Famalicão 26 de outubro

Sessão Ambientar-se "FLORESTA ETERNA"

26 outubro 2018
21h30
Casa do Território
Parque da Devesa
Vila Nova de Famalicão

Dinamização: Associação Famalicão em Transição

"Eternal Forest", de Evgenia Emets, 2018 (40 min)

Sinopse:
«A ideia de "Floresta Eterna" é repensar a nossa relação com a floresta, reconectar e transformar a comunidade através de um projeto de arte, envolvendo as pessoas ativamente na sua co-criação. O projeto teve lugar em Gois, Portugal, que sofreu incêndios sem precedentes em outubro de 2017 devido a décadas de práticas florestais insustentáveis e à monocultura generalizada de eucalipto em Portugal, ao colapso das comunidades e à desertificação humana.
O projeto inclui num documentário artístico, uma série de trabalhos de poesia visual, incluindo um livro da artista, e uma experiência na floresta.
O documentário "Eternal Forest" repensa e transforma a relação de uma comunidade com as suas florestas, através das vozes das pessoas que vivem em Goís, Arganil e Lousã

Alertando para o problema dos incêndios florestais, a Associação Famalicão em Transição apresenta este documentário, na sessão Ambientar-se de outubro 2018, pela altura do aniversário das tragédias dos incêndios de 15 de outubro de 2017.

A realizadora Evgenia Emets estará presente ou via Skype para o debate.

Trailer:


domingo, 7 de outubro de 2018

Encontro sobre Ambiente em Famalicão - 10 de novembro

Novamente em Famalicão, 10 de novembro 2018:  Primeiro aniversário e reflexão voltada ao futuro -  Convergência pelo Ambiente em 2019.  Campo Aberto e Famalicão em Transição convidam para novo encontro sobre Ambiente no Parque da Devesa


Em 7 de outubro faz um ano que cerca de 35 associações, grupos, coletivos e outros tipos de entidades se reuniram no Parque da Devesa, em Famalicão, para a realização do Encontro intitulado «Ação Ecoambiental, Transição Sustentável e Regeneração» no qual foi aprovado o documento «Carta de Famalicão» relativo a algumas prioridades da defesa do ambiente em Portugal e em especial na região Norte e Noroeste

As associações organizadoras desse encontro convidam agora todos os que participaram e outros que entretanto se tenham interessado e até subscrito a Carta de Famalicão a uma troca de impressões numa sessão comemorativa do primeiro aniversário daquele encontro e de aprofundamento das suas conclusões. A reunião será no sábado 10 de novembro, das 15h00 às 19h00, também na Casa do Território, no Parque da Devesa em Famalicão.

Agradecemos à Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, e em especial ao seu Presidente, Dr. Paulo Cunha, a cedência para o efeito do auditório daquele Parque.

Convidamos os interessados a inscreverem-se neste Encontro Famalicão 2018. Para isso, basta preencher o formulário em goo.gl/8yfYwZ

Encontro Famalicão - 10 de novembro de 2018
Casa do Território, Parque da Devesa, Vila Nova de Famalicão

PROGRAMA
  • 15:00    Abertura
  • 15:15    Transgénicos, Agricultura e Ambiente (Tópicos: Intervenção ecoambiental e alimentação saudável nas cidades e no campo; agricultura sustentável; soberania alimentar; fazer frente à poluição pelos pesticidas e outros químicos e pelos organismos geneticamente modificados)
  • 17: 00   Pausa
  • 17:30    Ambiente e cooperação interassociativa (Tópicos: como reforçar a cooperação interassociativa com vista a um ambiente mais saudável; instituir em 2019 um Dia de Convergência pelo Ambiente?)
  • 19:00     Encerramento
Atualizações em: https://carta-de-famalicao.webnode.pt/blog/

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Gostaria de comer plástico?


Previsões apontam que em 2050 haverá mais plásticos que peixes nos oceanos.

Ajude a impedir isso!

Não use plástico descartável e evite os restantes plásticos.

Não deite lixo para o chão.

Não liberte balões.

Deixe as praias mais limpas do que as encontrou.



Sobre o vídeo da campanha em Cabo Verde, veja em Observador

Sobre o lixo plástico no oceano, espreite aqui.

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Agir pelo Clima

Já não há dúvidas de que estamos a enfrentar alterações climáticas, os temporais, as inundações, as secas, os incêndios, as temperaturas anormais, são cada vez mais frequentes e mais intensos. O problema é tão sério e grave que parece incompreensível, e não se age em proporção. Em Portugal, por exemplo, pretende-se começar com a exploração petrolífera! Urge agir e mudar a situação, ou o futuro da humanidade na Terra está em risco.  
Por isso a 8 de setembro marchamos, no Porto, em Lisboa e em Faro, e em muitas cidades do mundo.

Imagem daqui
Como já quase toda a gente percebeu, estamos numa crise ambiental sem precedentes. Se por um lado os movimentos ambientalistas a nível nacional ou internacional muito têm feito para que as condições ambientais em muitos lugares e em muitos setores tenham melhorado nas últimas décadas, também é verdade que o excesso de consumo de recursos e as alterações climáticas colocam em causa o futuro da humanidade.

Muito há para fazer. Todos temos um papel, fundamental, de mudar o nosso comportamento, ser menos consumista, gastar menos energia, menos água, escolher os alimentos de menos impacto no ambiente, e por aí fora.

Mas não chega, a velocidade a que as alterações climáticas progridem não deixa margem para manobras: são precisas medidas políticas de fundo, fortes e urgentes, para reduzir as emissões! Em Portugal, na Europa no Mundo, estamos todos no mesmo planeta!

Desde a Cimeira do Rio em 1992 que o aquecimento global e as alterações climáticas se tornaram assunto para agendas políticas, resultando mais tarde no protocolo de Quioto (1997), bem como tema conhecido de um restrito público activista e interessado. Mas as primeiras evidências de que a terra está a aquecer, e de que esse aquecimento tem como uma das causas a atividade humana, designadamente as emissões de CO2, já tinham sido apresentadas no meio científico no início da década de 80 por James Hansen.

Fonte: NASA (https://climate.nasa.gov/evidence/)
A partir de 2006, através do filme "Uma Verdade Inconveniente", Al Gore divulgou a teoria do aquecimento global, levando a que muitas pessoas começassem a ficar sensibilizadas para o tema, e várias manifestações globais têm vindo, desde então a criar um movimento mundial que procura e propõe uma multiplicidade de soluções para minimizar as emissões de CO2 e outros gases com efeito de estufa (GEE).

Em paralelo com o aparecimento de uma consciência generalizada da urgência de medidas para "travar" ou minimizar as alterações climáticas, surgem teorias contrárias à do aquecimento global: umas que dizem que não há aquecimento global, outras confirmam a existência de aquecimento global, mas negam a influência da atividade humana como causa. Aproveitando-se do facto da ciência climática ser de difícil entendimento, grandes interesses lançam a confusão com teorias da conspiração e a dúvida instala-se na opinião pública, nos media e mesmo a nível de governos. Isto retarda a ação que já era urgente e diminui o impacto das medidas para combater as alterações climáticas.

Fonte: Climate Action Tracker
Depois de várias cimeiras do clima inconclusivas e ineficazes, finalmente conseguiu-se um acordo na a 21ª cimeira do clima, a Cimeira de Paris, em dezembro de 2015. Este Acordo de Paris foi assinado por 195 países e tem como objetivo principal reduzir a emissão de gases com efeito estufa de forma a limitar o aumento da temperatura global em 2ºC relativamente aos níveis pré-industriais, e prosseguir os esforços para limitar o aumento da temperatura a até 1,5°C, reconhecendo que isto vai reduzir significativamente os riscos e impactos das alterações climáticas

No entanto, apesar de ser um sucesso, o Acordo de Paris é insuficiente para travar o aquecimento global, pois não foram estabelecidos objetivos concretos nem obrigações a cumprir, nem para países nem para empresas (note-se que 71% das emissões de GEE entre 1988 e 2015 foram emitidas por 100 empresas).

Emissões de CO2 cumulativas e percapita,
1970-2013;  Gráfico daqui
Além disso, com a saída dos EUA deste compromisso,  o maior emissor de GEE acumulado e o segundo maior emissor atual de gases com efeito de estufa (a seguir à China), a situação piorou e os  riscos agravaram-se.

Entretanto, as catástrofes climáticas - inundações, secas, incêndios, tempestades, ondas de calor, sucedem-se a velocidades e intensidades nunca antes testemunhadas.  Sabe-se que o clima está a mudar, sabe-se que as emissões de GEE têm influência, sabe-se que as amenas temperaturas que permitiram o desenvolvimento das civilizações desde há 12 mil anos estão a deixar de o ser.

Tudo isso se sabe mas há uma letargia geral das classes governativas que tornam a ação insuficiente para prevenir uma catástrofe global num futuro próximo.  Recomendo a visualização deste pequeno vídeo que em 5 minutos explica a história das alterações climáticas, esclarecedor e motivador.



Portugal: a exploração de petróleo, o presente que envenena o futuro

Em Portugal, apesar de tudo isto, ainda se pretende iniciar a exploração de petróleo no Algarve e na costa oeste, num contrassenso irresponsável!  A economia e os negócios de grandes empresas continuam a prevalecer contra a proteção do futuro das novas gerações e mesmo dos jovens de hoje. Não podemos permitir este estado de coisas!


Precisamos de unir esforços para que os decisores políticos nos ouçam, levem as alterações climáticas a sério, e tomem medidas proporcionais ao problema.


Marcha pelo Clima

A iniciativa internacional “Rise for Climate”, pretende chamar a atenção para este assunto, que talvez seja o maior problema que a humanidade teve de enfrentar, e está marcado um dia de ação global para 8 de setembro.  Em Portugal, a Marcha pelo Clima está a ser organizada em Lisboa, Porto e Faro, e já tem mais de  50 associações e instituições a subcrevê-la.

A Associação Famalicão em Transição, que tem como objetivo principal promver um estilo de vida mais sustentável e em sintonia com a natureza e a comunidade, não podia deixar de se juntar a esta marcha e a esta iniciativa, e tem participado nas reuniões preparatórias no Porto.

Queremos que as gerações vindouras tenham um futuro e para isso precisamos de fazer a transição para uma vida menos consumista e sem combustíveis fósseis.

Queremos que parem as prospeções e que não haja exploração de petróleo em Portugal, pois isso seria um enorme retrocesso, seria um crime contra as gerações futuras!

Dia 8 de setembro às 17h, estaremos na Marcha pelo Clima no Porto.  

Vamos marchar para exigir:
– uma transição justa e rápida para as energias renováveis;
– zero infraestruturas de combustíveis fósseis novas: nem em Aljezur, nem em Aljubarrota, nem em lugar nenhum.

Pelo futuro, apelamos a que marchem também!

Informações sobre a Marcha pelo Clima em Portugal: www.salvaroclima.pt
Informações sobre a mobilização internacional Rise For Climate: www.riseforclimate.org


*****************************************************************************************************
Fontes e mais informações sobre o tema das alterações climáticas:
CDP Carbon Majors Report 2017Climate Action TrackerParlamento EuropeuUNFCCCWWF
E ainda: Público;  WikipediaExame; ExpressoObservadorEcodebate
*****************************************************************************************************
Artigo publicado originalmente em VILA NOVA online, 2/9/2018

terça-feira, 4 de setembro de 2018

Portugal junta-se à Marcha Mundial do Clima

«COMUNICADO
*** Portugal junta-se à Marcha Mundial do Clima em três cidades no dia 8 de setembro. ***

Marchas em Lisboa, Porto e Faro exigem que não se inicie a exploração de combustíveis fósseis e se faça uma transição justa e rápida para energias renováveis.

No próximo dia 8 de setembro, às 17 horas, marcaremos presença em Lisboa, Porto e Faro na Marcha Mundial do Clima sob o lema “Parar o petróleo! Pelo clima, justiça e emprego!”. Juntamo-nos à mobilização internacional “Rise for Climate”, que unirá milhões de pessoas em centenas de cidades por todo o mundo.

Exigimos uma transição justa e rápida para energias renováveis que vá ao encontro ou supere os compromissos governamentais de Portugal ser neutro em carbono até 2050 e que cumpra os compromissos a que se vinculou com o Acordo de Paris. Exigimos que não se criem novas infraestruturas de combustíveis fósseis em Portugal. Não faz sentido iniciar um ciclo de investimentos baseado numa economia do passado prejudicando o clima quando o país se comprometeu com o contrário. Por isso dizemos não aos projetos de petróleo frente a Aljezur, de gás em Aljubarrota e em outras zonas concessionadas ou passíveis de o ser.

Em Portugal, as marchas são organizadas no âmbito da iniciativa Salvar o Clima, que conta já com a subscrição de mais de 40 organizações de ambiente, movimentos cívicos, sindicatos e partidos políticos.

Em Lisboa e Faro, estão previstos breves discursos por parte de algumas organizações no final da marcha. No Porto, os discursos serão proferidos antes do início da marcha.
*
Contexto
Portugal tem sido severamente atingido por secas, vagas de calor, e incêndios descontrolados. A nossa floresta, o maior sumidouro de carbono que possuímos tem vindo a ser destruída. Os nossos compromissos com o Acordo de Paris e com a neutralidade carbónica até 2050 espelham uma profunda contradição com as intenções de abrir o país à exploração de combustíveis fósseis.

Esta contradição tem de ser urgentemente invertida em prol da vida na Terra e não de perspetivas irrealistas de retorno económico, retorno este muito inferior aos possíveis impactes locais e aos garantidos impactes globais.

Mesmo num período da nossa civilização em que por vezes surgem informações falsas e populistas, a verdade é que o consenso científico demonstra as evidências irrefutáveis das alterações climáticas. Estas evidências estão infelizmente a tornar-se parte do nosso quotidiano, e lentamente constatamos uma mudança do clima com consequências dramáticas desde já, e principalmente para as próximas gerações, afetando múltiplos domínios da nossa sociedade.

Os efeitos fazem-se sentir cada vez mais e a velocidade com que a gravidade e intensidade destes se manifesta é cada vez maior. Conceitos como “planeta mais quente” estão rapidamente a ser substituídos pela noção de “planeta inabitável”.

Estamos progressivamente a perder a luta contra o tempo para salvarmos o nosso planeta. De acordo com estudos recentes, há um risco crescente de atingirmos um ponto a partir do qual o sistema Terreste ficará permanentemente instável, passando este a acelerar as alterações climáticas ao invés de as atenuar.

Com a intensificação dos impactes das alterações climáticas, chegámos ao momento em que temos de ir bem para além do que as negociações internacionais podem oferecer.
Juntos podemos mobilizar-nos para a construção de uma liderança climática e criar o momento certo para assegurar uma transição energética para um mundo sustentável e equitativo. Para atingir isso, comunidades do todo o mundo vão liderar e assegurar a transição justa e rápida para energias 100% renováveis para todos, ao mesmo tempo que param todos os novos projetos de exploração de combustíveis fósseis.

A Marcha Mundial do Clima marcará o passo dos próximos eventos políticos, e mostrará aos nossos líderes qual a resposta que queremos para a realidade da crise climática
*
A iniciativa n’1 minuto:
Quem? |Mais de 40 organizações (ONGs, movimentos locais, sindicatos, partidos)
O quê? | Marcha Mundial do Clima
Onde? | LISBOA: Cais do Sodré | PORTO: Praça da Liberdade | FARO: Largo da Sé
Quando? | 8 de setembro, sábado, 17h00
Porquê? | “Parar o petróleo! Pelo clima, justiça e emprego!”

*
Informações e contactos:    www.salvaroclima.pt
Mobilização internacional: www.riseforclimate.org

Organizações Promotoras:
Academia Cidadã
Alentejo Litoral pelo Ambiente
ASMAA – Algarve Surf and Maritime Activities Association
Associação das Terras e das Gentes da Dieta Mediterrânica
Bloco de Esquerda
Campo Aberto
Circular Economy Portugal
CIDAC – Centro Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral
The Climate Reality Project em Portugal
Climáximo
A Coletiva
Coopérnico – Cooperativa de Energias Renováveis
Empregos para o Clima
Famalicão em Transição
Futuro Limpo
GAIA – Grupo de Ação e Intervenção Ambiental
JOC – Juventude Operária Católica
Linha Vermelha
Livre
Marcha do Orgulho do Porto
Movimento Alternativa Socialista
Núcleo Académico para a Protecção Ambiental do ISCSP
Núcleo do Ambiente da FLUL
Pagan Federation International Associação
PAN – Pessoas Animais Natureza
PALP – Plataforma Algarve Livre de Petróleo
Partido Ecologista Os Verdes
Peniche Livre de Petróleo
Porto sem OGM
Precários Inflexíveis
Preservar Aljezur
Reflorestar Portugal
Sciaena
Slow Food Algarve
SOS – Salvem o Surf
Socialismo Revolucionário
SOS Racismo
SPGL – Sindicato dos Professores da Grande Lisboa
SPN – Sindicato de Professores do Norte
STCC – Sindicato dos Trabalhadores de Call Center
Tamera
Tavira em Transição
TROCA – Plataforma por um Comércio Internacional Justo
Stop Petróleo Vila do Bispo
Um Activismo por Dia
Volt Portugal
Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável»

Fonte: email da organização da Marcha pelo Clima em Portugal, de 3 de setembro de 2018

domingo, 26 de agosto de 2018

"A maior ameaça ao nosso planeta é a crença de que outros o salvarão"

Este artigo, escrito pelo músico e ativista Bob Geldof, alerta para o estado critico da humanidade, focando-se na alimentação: desperdício alimentar e má distribuição dos alimentos, e apela a novas políticas sérias e eficazes. Abaixo transcreve-se parte do texto, mas vale a pena ler o artigo completo no Jornal de Negócios  (em português) ou no original em Project Syndicate (negrito meu).

«Precisamos de uma revolução alimentar 
por Bob Geldof

...
O destino dos habitantes da Ilha de Páscoa ilustra o actual problema do mundo. Em algum momento do século XII, um grupo de polinésios chegou a uma remota ilha vulcânica onde densas florestas forneciam comida, animais, assim como ferramentas e materiais para construir centenas de esculturas de pedra complexas e misteriosas. Mas, pouco a pouco, as pessoas destruíram essas florestas, acabando por cometer um suicídio social, cultural e físico.

Hoje, em termos relativos, temos apenas uma pequena área de floresta - e estamos a destruí-la com muita rapidez. Estamos a ficar sem terra para cultivar e o deserto está a alastrar. Os alimentos que produzimos são muitas vezes desperdiçados, enquanto mil milhões de pessoas não têm o que comer - uma realidade que deixa muita gente com poucas opções a não ser migrar.

...
Imagem obtida em  Project Syndicate 
Enquanto o Sul pobre morre de fome, o Norte rico tem demasiada comida. Mais de dois mil milhões de pessoas têm excesso de peso, inchadas por açúcares de baixo valor alimentar e por alimentos processados produzidos em massa e ricos em gorduras. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, bastaria um quarto dos alimentos que deitamos fora ou desperdiçamos todos os anos para alimentar 870 milhões de pessoas famintas. Por todo o mundo, desperdiça-se um terço de todas as colheitas. Como os habitantes da Ilha de Páscoa do passado, estamos a preparar-nos para a auto-aniquilação.

...
O que é necessário não é apenas um ajustamento politicamente tolerável às políticas existentes, mas sim uma reforma de fundo que gere resultados reais. Infelizmente, não é evidente que existam políticos à altura do desafio, tanto nos erráticos e polarizados EUA como nos ineficientes Parlamento Europeu e Comissão Europeia.

A hora de ir em frente foi ontem; a hora de adoptar uma nova abordagem é agora. Podemos discutir os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas - que incluem metas como "reduzir para metade o desperdício global de alimentos per capita no retalho e no consumidor, e reduzir as perdas alimentares ao longo das cadeias produtivas e de fornecimento até 2030" - até à exaustão. O que importa são políticas bem concebidas, eficazes e abrangentes, implementadas de forma sustentada. E essas não existem em lado nenhum.

A Terra tem 45 milhões de séculos, mas o nosso século é único, porque é o primeiro em que uma espécie pode destruir toda a base da sua própria existência. Contudo, nós, os habitantes da Ilha de Páscoa dos nossos dias, parecemos alheios a esta ameaça existencial, e preferimos construir estátuas em vez de sistemas sustentáveis para a nossa sobrevivência.

Bob Geldof. Imagem
obtida em Jornal de Negócios
Será que só vamos reconhecer a nossa situação quando a terra se tornar um deserto, quando os nossos sistemas de saúde colapsarem, quando até mesmo os ricos enfrentarem escassez de alimentos, quando a água doce se tornar escassa e quando as nossas linhas costeiras forem violadas? Nessa altura, será tarde demais e o nosso destino estará traçado.

A maior ameaça ao nosso planeta é a crença de que alguém o salvará. Cada um de nós deve reconhecer a seriedade da nossa situação e exigir acções concretas para a mudar. 
Estou a falar de si.»

Extrato do artigo de Bob Geldof de 12 de julho 2018 em Project Syndicate, com tradução de Rita Faria publicada no Jornal de Negócios  de 7 de agosto de 2018.

domingo, 19 de agosto de 2018

Ignoramos as alterações climáticas há mais de um século

«Sabemos sobre o efeito estufa há quase 200 anos e sobre o aquecimento global há mais de um século, mas temos tido dificuldade em agir porque nossos cérebros são demasiado pequenos para um problema tão grande.»