domingo, 21 de dezembro de 2014

TTIP - Todos Tramados, Isto é Perigoso

Há algum tempo que venho divulgando artigos e vídeos sobre o TTIP, o perigosíssimo acordo de parceria económica entre a Europa e os Estados Unidos, que está a ser negociado às escondidas dos cidadãos, alertando para os gravíssimos e perniciosos efeitos que terá na democracia, liberdade, economia e qualidade de vida dos europeus. Um tratado contra o povo, a favor das grandes multinacionais.

Ajudem a alertar, divulguem este assunto das formas que estão ao vosso alcance, pois os média não o farão!

O texto que se segue é composto por excertos do artigo "O (Des) acordo Transatlântico (TTIP)" de Granado da Silva e Ana Rute Vila, publicado no jornal MAPA em 19/12/2014. Aconselho à sua leitura completa na fonte.


«A Parceria Transatlântica para o Comércio e Investimento (PTCI), no original em Inglês “Transatlantic Trade and Investment Partnership” (TTIP), é um acordo bilateral entre os EUA e a UE.
...
Para além dos habituais discursos de circunstância afirmando a necessidade e justeza da iniciativa, pelo seu alcance e potencial impacto, para a Europa e para o mundo em geral – a Europa representa quase um terço da riqueza global e um acordo desta natureza teria consequências à escala mundial – este acordo representa potencialmente o maior e mais perigoso esforço de reconfiguração socioeconómica, à escala planetária, e da história da humanidade. O acordo será assinado à revelia dos habitantes de cada Estado, graças ao poder da União Europeia para negociar em nome dos seus membros, conferido no contexto do tratado de Lisboa assinado em 2007.
...
O primeiro ponto a ter em conta é a harmonização legislativa entre a Europa e os EUA com o objectivo de reduzir os impostos aduaneiros, facilitando a entrada na Europa de produtos importados dos EUA e Canadá. Consequentemente, esta “harmonização” vai piorar a situação dos comerciantes e agricultores locais que vêem diminuir ainda mais as suas possibilidades de competir num mercado cada vez mais feito para as grandes empresas.
...
O acordo prevê também medidas de protecção do investimento privado através de Mecanismos de Resolução de Conflitos Resultantes de Relações de Investimento – no original Inglês Investor-State Dispute Settlements (ISDS) – que, de forma gravosa, oferecem a possibilidade às corporações de processarem um Estado por perdas resultantes das políticas desse mesmo Estado. O processo é decidido por um painel ad hoc de advogados especializados em direito comercial internacional que avalia o caso com base nos acordos estabelecidos e nas convenções do direito comercial internacional independentemente de quaisquer questões de justiça social ou interesse comum que o mesmo possa levantar.
...
ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS
Actualmente o uso de “Organismos Geneticamente Modificados” (OGM) está fortemente regulamentado na Europa. Apesar disso, o intenso lobbying por parte das corporações do sector agro-alimentar, apoiado pelo governo dos EUA, têm levado ao aumento de plantações destes organismos, mesmo em países que os proíbem formalmente. Em 2011 foram plantados cerca de 120.000 hectares de OGM na Europa, sendo a Espanha o país líder, seguido por Portugal. No entanto países como França e Alemanha, (assim como a Grécia, Bulgária, Áustria, Itália, Hungria, Luxemburgo e Polónia), proibiram o uso de OGM, utilizando a chamada “cláusula de salvaguarda”, justificando os males dos OGM para os seres humanos e ambiente. A Alemanha, mesmo com a proibição formal, em 2011 plantou 2 hectares de Batata “Amflora” (OGM). O TTIP fará com que estes valores sejam amplamente ultrapassados.
...
ENERGIA
No caso da energia, o acordo destruirá todos os esforços – ténues que sejam – levados a cabo por governos Europeus no combate às Alterações Climáticas.
...
SAÚDE ...
A privatização da saúde, através do Sistema Único de Saúde (SUS), é um dos objectivos explícitos do documento, seguindo o exemplo americano onde o modelo é essencialmente privado e deixa milhões sem acesso a cuidados de saúde.
...
CLÁUSULA MODO 4
Uma das principais interessadas no acordo é, por exemplo, a multinacional agro-alimentar Monsanto. Entre outras vantagens, passará a poder defender os seus “interesses e empreendimentos” agrícolas em Portugal tal como já acontece noutros locais do mundo, recorrendo a empresas de segurança privada como a Academi (antiga BlackWater) que emprega mercenários e protege as suas explorações pelo mundo fora. Dentro da cláusula “Modo 4”do acordo, é permitida a circulação livre de trabalhadores temporários através das fronteiras. Isto é, permite que uma corporação estrangeira que venha a Portugal realizar trabalhos por uma semana ou um mês traga consigo trabalhadores não registados no País. A cláusula não se fica por aqui, pois permite também que empresas subsidiárias de países terceiros estabelecidas nos Estados parceiros, ou empresas de fora dos EUA e da UE, mas estabelecidas num Estado membro, possam fornecer trabalhadores.
...
PROPRIEDADE INTELECTUAL
O acordo poderá ter também o condão de tornar qualquer cidadão num potencial ladrão, ou pirata, culpado de plágio ou violação de direito de propriedade intelectual por, por exemplo, copiar e utilizar conteúdos da internet, de discos ou Cd’s, no processo legitimando a criação de uma rede de vigilância violadora dos mais elementares princípios de privacidade e liberdade de expressão.
...
LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO
O acordo irá também afectar o sistema financeiro promovendo uma ainda maior “liberalização” (traduzida em mais desregulação e maior opacidade) do sector bancário e finança.
...

EM OPOSIÇÃO
Em Portugal a plataforma Não ao Tratado Transatlântico (www.nao-ao-ttip.pt) acompanha as movimentações políticas e corporativas sobre o acordo Transatlântico.
...
Para se ter uma ideia do impacto futuro do TTIP basta olhar para os efeitos do acordo NAFTA (acordo tripartido entre os EUA, o México e o Canadá: um processo semelhante, mas menos ambicioso) nos países que o ratificaram. Começando mais a norte, temos a destruição de boa parte do tecido industrial americano (e de muitas comunidades que dele dependiam), deslocalizado inicialmente para o México e depois para regiões com condições salariais e laborais ainda mais vantajosas (como a Ásia). O congelamento ou diminuição de salários, a perda de poder de compra, o aumento da pobreza e desigualdade e claro, o colapso parcial ou total das instituições públicas perante o poder das corporações.
...
O TTIP e as suas implicações levantam muitas questões sobre o futuro dos Europeus e do mundo. Existe, no entanto, uma delas, porventura a essencial, que, por trazer mais questões ainda, é de difícil trato. A extrema comercialização de todos os aspectos da vida social e individual, que o pacote de medidas acarreta é, de facto, um passo muito concreto para a instauração cada vez mais coerente de uma nova ordem que canibaliza o todo social como modelo de negócio. Modelo esse que é em última análise partilhado por toda e qualquer grande empresa neste mundo.
...
O maior problema colocado por este tratado é que ele representa um rápido e decisivo passo para a perda formal e efectiva do poder, da independência local e autonomia das populações. De facto, se pouco poder de decisão temos hoje sobre como é governada a Saúde, sobre o nosso modelo de desenvolvimento económico, energético e de produção alimentar, o tratado vem formalizar e acelerar essa tendência que, sob a alçada das políticas estatais, já se impunha.
...»
Granado da Silva e Ana Rute Vila, jornal MAPA, 19/12/2014

Saiba mais sobre o TTIP em https://www.nao-ao-ttip.pt/

Assine a petição contra o TTIP  em  http://stop-ttip.org/  ou em  http://www.nao-ao-ttip.pt/

sábado, 20 de dezembro de 2014

Fungos fantásticos!

Martin Pfister (500px.com/Martin-Pfister)
Um excerto do documentário de Louie Schwartzberg seguindo o micólogo Paul Stamets, sobre o importante papel desempenhado pelos fungos na sobrevivência e saúde da terra e da espécie humana.

"Imagine um organismo que o alimenta, que o cura, que revela segredos do universo, que pode ter avançado o cérebro proto-humano, e hoje pode ajudar a salvar o planeta. Um organismo que parece ser consciente.  Agora imagine que ele está no chão sob seus pés. Se ainda não viu isso, gaste um momento para ver a inspiração que começou a viagem ...
Louie Schwartzberg tocou milhões de pessoas em todo o mundo com o seu apreço único pelo que está ao nosso redor. Cogumelos tornando-se bailarinas, e fungos que nos conectam com o universo inteiro sob os nossos pés."

Fonte e mais informação sobre o filme em http://fantasticfungi.com/



quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Projeto Rios - Une pessoas e une rios

Pedro Teiga, mentor do Projecto Rios "desafia cidadãos, comunidades, escolas e centros de 3ª idade a adoptar troços de rios". Ver vídeo aqui

«Enquadramento

Desde as primeiras civilizações, o ser humano, por razões económicas, culturais e de lazer, esteve sempre ligado aos recursos hídricos, vivendo uma relação que sustentava uma natureza mais poderosa do que o Homem. Com a evolução da civilização humana, esta posição mudou. O desenvolvimento das sociedades atuais tem conduzido a uma degradação generalizada do meio ambiente e a uma utilização irracional dos recursos naturais.

Atualmente, os rios e as ribeiras em Portugal apresentam vários problemas, nomeadamente ao  nível dos usos comuns e da afluência de oportunidades de exploração de recursos que ocorrem ao longo da sua bacia hidrográfica. Muitos destes problemas resultam da falta de conhecimento e participação pública, quer ao nível da população em geral quer ao nível do poder decisor.

O que é o Projeto Rios?

O Projeto Rios é um Projeto que visa a participação social na conservação dos espaços fluviais, procurando acompanhar os objetivos apresentados na Década da Educação das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável e contribui para a implementação da Carta da Terra e da Diretiva Quadro da Água. 

A implementação deste projeto pretende dar resposta à visível problemática, de âmbito nacional e global, referente à alteração e deterioração da qualidade dos rios e à falta de um envolvimento efetivo dos utilizadores e da população em geral. »

Fonte: Documento de Apresentação do Projeto Rios 


«Em Portugal, o Projeto Rios chegou em 2006 e é promovido pelas seguintes entidades: Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA); Associação de Professores de Geografia (APG); Liga para a Protecção da Natureza (LPN); Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP). A ASPEA é presentemente a responsável pela coordenação do projeto.

Actualmente estão envolvidas na implementação do Projeto Rios no território nacional diversas entidades institucionais (câmaras municipais, juntas de freguesia, escolas, associações, organizações não-governamentais (ONGs), institutos e centros de investigação), empresas e a população em geral.»

Fonte: Projeto Rios (http://www.projectorios.org/)
Metodologia:



Apresentação do Projeto Rios por Pedro Teiga em Vila Nova de Famalicão: http://youtu.be/SMAMJwLmLiQ

Mais informação em: http://www.projectorios.org/.  Inscrições aqui

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

TTIP Primeiro Dia

Melhor será mobilizarmo-nos antes de o Acordo de Parceria Transatlântica  de Comércio e Investimento (TTIP) ser implementado, depois será tarde demais!

As implicações na Europa a nível de segurança alimentar, saúde e ambiente serão catastróficas! Com este acordo feito à sucapa, apenas ganham as grandes multinacionais.

Saiba mais sobre o TTIP em https://www.nao-ao-ttip.pt/

Assine a petição contra o TTIP  em  http://stop-ttip.org/  ou em  http://www.nao-ao-ttip.pt/

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

2015 - Ano Internacional dos Solos

Dia 5 de dezembro é o Dia Mundial do Solo, e o ano que se aproxima, 2015, é o Ano Internacional dos Solos (68º Sessão Assembleia Geral da ONU). Formas de chamar a atenção para esta fina camada da superfície terrestre, tão pouco lembrada e tão mal tratada.


O solo, a camada superficial da crosta terrestre, é o suporte da paisagem, das atividades humanas e de grande parte da vida na Terra. É constituído por partículas minerais, matéria orgânica, água, ar e organismos vivos, formando um habitat de enorme biodiversidade e um reservatório de nutrientes. Um grama de solo em boas condições pode conter 600 milhões de bactérias de 20 mil espécies diferentes.

O solo é um meio vivo e dinâmico que sustenta a vida terrestre e as atividades humanas. Não é um recurso renovável, pois são precisos séculos para se formar 1 cm de camada de solo. Mas um mau uso pode fazê-lo desaparecer em poucos anos. E o solo está a diminuir e mesmo desaparecer em muitos pontos do globo.


As atividades humanas são as principais responsáveis pela degradação do solo. Alguns dos tipos de degradação contribuem para o desaparecimento do solo de forma gradual – erosão, ou rápida - deslizamentos de terras e impermeabilização, enquanto outros deterioram a sua qualidade - perda de matéria orgânica, perda de biodiversidade, salinização, compactação e contaminação.

Práticas agrícolas, florestais e industriais inadequadas e a expansão urbana, provocam ou agravam a degradação do solo, com implicações negativas na qualidade da água e do ar, na biodiversidade, nas alterações climáticas, na saúde, na economia e na capacidade das populações produzirem os seus próprios alimentos. 

É tempo de prestarmos atenção a este suporte de vida a que chamamos "recurso". Aprenda sobre o papel importante do solo e ajude a protegê-lo.




quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

"Cowspiracy" - A culpa não é das vacas

Um documentário a não perder: "A Conspiração das Vacas" (Cowspiracy: The Sustainability Secret), de Kip Andersen e Keegan Kuhn, 2014. Trata dos efeitos da pecuária no estado do planeta e da forma com o assunto tem sido esquecido pelas ONGA. Não, a culpa não é das vacas, apesar de:

«51% das emissões de gases com efeitos de estufa devem-se à pecuária. Este número assolador deve-se à desflorestação para os pastos, à respiração e a todos os excrementos produzidos pelos animais.
Isto torna a produção animal a grande responsável pelas alterações climáticas causadas pelos seres humanos. Mas, mais do que isso, descobri que criar animais para a alimentação consome 1/3 de toda a água potável do planeta, ocupa até 45% da superfície terrestre, é responsável por 91% da destruição da Amazónia, é a causa principal da extinção das espécies, das "zonas mortas" dos oceanos, e da destruição de habitats.» (Kip Andersen, extraído do filme)

«Os pesquisadores que se preocupam com a extinção das espécies concordam que a causa principal da extinção das espécies, a que testemunhamos, é a excessiva criação de gado e a perda de habitats promovida pela pecuária e a pesca excessiva nos oceanos.»  (Dr. Richard Oppenlander , do filme)

«Estamos a viver a maior extinção de espécies desde há 65 milhões de anos, as florestas têm sido destruídas a um velocidade de 4050 m2 por segundo, e a força motriz por trás de tudo é a produção animal. Desflorestar para criar pasto e cultivar soja. Soja transgénica para as vacas, porcos, galinhas e peixes de produção massiva.» (Dr. Will Tuttle, do filme)

«A causa principal da destruição ambiental é a produção animal.» (The Sustainability Institute, do filme)

Veja  A Conspiração das Vacas legendado em português aqui.
 Site: http://www.cowspiracy.com/    Trailer abaixo.



segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

TTIP: a democracia em perigo!

«Os beneficiados com os tratados de livre comércio são unicamente os bancos e as grandes empresas.» 

Mas, haverá dúvidas que o Tratado de Parceria Transatlântica (TTIP) só irá prejudicar as pessoas (exceto donos de bancos e de grandes empresas, claro), o ambiente e a democracia? Vejam o vídeo abaixo (tem legendas em português) e não deixem este tratado avançar, ajudem a parar o TTIP e a Corporocracia!

Saiba mais sobre o TTIP em https://www.nao-ao-ttip.pt/

Assine a petição contra o TTIP  em  http://stop-ttip.org/  ou em  http://www.nao-ao-ttip.pt/