segunda-feira, 20 de abril de 2015

A natureza a falar - Flor

«Eu sou uma flor
Sim, sou bonita, já mo tinham dito
E não me canso de ouvir.
Sou venerada pela minha aparência
Pelo meu perfume
Pela minha aparência.

Mas há uma coisa
A vida começa comigo
Vejam, eu alimento as pessoas
Todos os frutos vêm de mim.
Cada batata, eu
Cada grão de milho, eu
Cada grão de arroz, eu
Eu, eu, eu... Eu sei
Mas é verdade.
E por vezes eu alimento as suas almas
Sou as suas palavras quando não têm nenhuma
Digo "amo-te" sem um único som
Digo "desculpa-me" sem ter voz.
Eu inspiro os maiores entre eles
Pintores, poetas, designers,
Tenho sido uma musa para todos eles
Mas na minha experiência
As pessoas subestimam o poder de uma bela pequena flor.
Porque a vida deles começa comigo
E pode acabar sem mim.»



Um vídeo de Conservation International com locução de Lupita Nyong'o.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

O valor da semente

«Três quartos das sementes usadas no planeta são regionais e estão em risco de desaparecer, devido a monopólios industriais, às alterações climáticas e à degradação de habitats. Vários agricultores e instituições lutam pela preservação da semente, o grão que todos os dias lhes garante comida no prato.» Farol de Ideias

Preservar as sementes tradicionais é uma necessidade absoluta, não só para evitar a extinção das variedades e mesmo espécies antigas, mas também para manter a soberania económica e autonomia alimentar dos povos. 

Há entidades, como o Banco Português de Germoplasma Vegetal,  a Associação Colher para Semear - Rede Portuguesa de Sementes Tradicionais, ou a Campanha pelas Sementes Livres, que se dedicam a preservar o património genético vegetal de Portugal.

Mas é preciso que os agricultores e todos os que se dedicam a cultivar, nem que seja na varanda, ajudem nesta tarefa que a todos diz respeito, ou seja, a semear, recolher, trocar e preservar sementes regionais, pois todos somos precisos quando do outro lado da luta está um poderoso oligopólio.

Veja o programa Biosfera sobre o valor da semente, e entenda como ele é incalculável.


Biosfera 467 - O valor da semente from Farol de Ideias on Vimeo.

terça-feira, 14 de abril de 2015

Eduardo Galeano, em memória de um mundo melhor

Imagem obtida aqui
Em homenagem a Eduardo Galeano, escritor e pensador humanista uruguaio que nos deixou ontem, uma conversa sua com jovens durante uma acampada em Barcelona, em maio 2011. Com o despretensiosismo que o caracterizava.

O mundo, este que é, ficou mais pobre. Talvez o outro mundo que de que ele falava, e que existe dentro deste, o tenha acolhido para sempre.

Ouçamos as suas palavras, acreditemos que a utopia é tão real como a vida.

Não deixem de rever o seu poema "O Direito ao Delírio", recitado pelo próprio. Porque um outro mundo é possível.


domingo, 5 de abril de 2015

Em breve nos vossos pratos... voluntariamente ou à força!


"OGM, assalto à Europa" é um recente documentário de Paul Moreira que passou na SIC Notícias (em Toda a Verdade) no passado dia 24 de março, e que foi lançado em França (Canal+) em setembro de 2014.  O título original é:

"Bientôt dans vos assiettes! (de gré ou de force...)"
 (em breve nos vossos pratos! voluntariamente ou à força...)

Começa na Dinamarca, onde os porcos alimentados com soja transgénica estavam a ficar doentes com malformações congénitas e diarreia. Que desapareceram qu
ando o pecuarista abandonou a soja transgénica.
Depois, os jornalistas seguem para a Argentina, onde essa soja transgénica, de origem norte-americana, é produzida massivamente, com massivas aplicações do herbicida glifosato (Roundup). Aí, testemunharam o aumento assustador do número de crianças deficientes nas povoações rodeadas por campos de soja transgénica, como concluiu um estudo elaborado por médicos argentinos, já que o governo nada fez ou faz.
E acaba em Bruxelas, onde as negociações do Acordo Transatlântico (TAFTA ou TTIP) pretendem acabar com a resistência aos transgénicos de países europeus, como por exemplo, a França.

«Daqui a cerca de 15 anos, as empresas de transgénicos terão vencido batalhas, umas atrás das outras, apesar da relutãncia dos cidadãos. Uma conquista do planeta que se fez em silêncio, sem imagens e sem grandes escândalos. Pelo menos até agora.»  (do filme)

Um bom documentário para esclarecer quem não está por dentro desta questão TÃO IMPORTANTE PARA TODOS.  E você? Já assinou a iniciativa de cidadãos europeus contra o  TTIP?



E veja aqui a explicação de quem percebe do assunto porque os transgénicos devem ser proibidos

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Famalicão 1940 (Manoel de Oliveira)

Manoel de Oliveira, realizador português com 106 anos, que ainda há meses trabalhava, morreu ontem. Já não fará mais filmes, mas os seus filmes não o deixarão esquecer.

Como pequeno tributo, um vídeo com um documentário realizado por Manoel de Oliveira em 1940 sobre Vila Nova de Famalicão, com locução de Vasco Santana.

Vila Nova de Famalicão, terra onde este blogue tem a sua raiz, está hoje, 75 anos depois desse filme, totalmente diferente, mas parece-me a mim, que sou de cá, que mantém a mesma essência.

sábado, 28 de março de 2015

Pesticidas reconhecidos como cancerígenos

«Cinco pesticidas foram classificados como «possível ou provavelmente» cancerígenos para o homem pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Cancro (IARC), estrutura da Organização Mundial de Saúde (OMS). 
...
Foto de Jerry Burke, daqui
De acordo com a IARC, o glifosato foi encontrado no ar, na água e nos alimentos, e a população está particularmente exposta, por viver perto de áreas intervencionadas com o herbicida, ainda que os níveis de exposição observados sejam «geralmente baixos» 


Entre eles, o glifosato (vulgarmente conhecido pela marca Roundup da Monsanto), o herbicida mais usado em Portugal e no mundo, de que fala Luís Alves na entrevista para a RTP2 (abaixo).

Os outros quatro referenciados são os inseticidas malatião, diazinão, tetrachlorvinphos e paratião.



Veja como funciona o glifosato e ouça uma música dos Mañana me Chanto que revela como ele "mata a terra".

Ver também o artigo em Green Savers

domingo, 22 de março de 2015

"Fluxo: Por Amor à Água" (Dia Mundial da Água 2015)

Flow: For Love of Water  (Fluxo: Por Amor à Água), documentário de Irena Salina, 2008:

"Documentário premiado Irena Salina que investiga o que os especialistas consideram a questão política e ambiental mais importante do século 21 - A Crise Mundial da Água.

Salina constrói um caso contra a crescente privatização das cada vez menos abundantes reservas de água doce do mundo, com um foco intrépido sobre política, poluição, direitos humanos, e o surgimento de um cartel mundial dominador da água.

As entrevistas com cientistas e ativistas revelam de forma inteligente a crise em franca ascenção, à escala global e humana, e o filme apresenta muitos dos responsáveis governamentais e corporativos por trás da "caça à água" (watergrab), enquanto coloca pergunta: "PODE ALGUÉM SER DONO DA ÁGUA?"

Fonte: Tradução livre de http://www.flowthefilm.com/about


Sobre as consequências da privatização da água, veja também o documentário Ouro Azul, de 2008.

Em 28 de Julho de 2010 a Assembleia Geral das Nações Unidas, através da Resolução 64/292, declarou que o direito à água potável e ao saneamento é um direito humano essencial para o pleno gozo da vida e do exercício de todos os direitos humanos. Esta resolução foi aprovada por 122 países, com 41 abstenções, nos quais se incluem os Estados Unidos, o Reino Unido, o Canadá, a Austrália e o Japão (comunicado da ONU aos media aqui)

E se não quiser esperar para ver o que acontece com a privatização da água em Portugal, que está já com a legislação encaminhada para o efeito, assine a Petição Privatização da Água a Referendo e/ou subscreva a Iniciativa Legislativa de Cidadãos PROTECÇÃO DOS DIREITOS INDIVIDUAIS E COMUNS À ÁGUAS (Manifesto aqui).

Nota: esta mensagem foi inicialmente publicada em 09/09/2012 com o título "Right to Water – A Água é um Direito Humano", e republicada em 22/03/2015, Dia Mundial da Água, com o título do filme que apresenta.

terça-feira, 17 de março de 2015

Curso de Permacultura em Braga (PDC) 2015

Estão abertas as inscrições para um novo CURSO CERTIFICADO DE DESIGN EM PERMACULTURA em Braga, que irá decorrer na Quinta Pedagógica de Braga e no Mosteiro de S. Martinho de Tibães, de 25 de abril a 28 de junho de 2015.

Os monitores, Yassine Benderra e Joana Costa, foram meus professores de permacultura no 1º PDC em Serralves, em 2012,  e foram convidados para comentar uma das sessões sobre Transição organizadas pelo Grupo Famalicão em Transição precisamente há 3 anos (aqui fotos e vídeos).

Joana e Yassine praticam no dia a dia a vivência e ética que ensinam, dando o exemplo de que há mais vida para além da correria que alimenta o consumismo. Para conhecê-los um pouco, veja esta curta reportagem da RTP emitida em 18 de fevereiro (clique no link):


Voltando ao Curso de Permacultura em Braga (PDC) 2015:

«Este curso oferece uma viagem de seis fins de semana alternados pelo mundo da Permacultura, será dado em português e os participantes que cumprirem todas as horas de formação obterão um certificado oficial da «British Permaculture Association» de realização de um “PDC – Permaculture Design Course” – o curso de 72 horas criado por Bill Mollison.

Dentro da cidade, nos espaços da Quinta Pedagógica de Braga e no Mosteiro de Tibães, serão desenvolvidas várias actividades teórico-práticas. O curso conta ainda com formações específicas dadas por formadores convidados, visita a quintas com sistemas de Permacultura e um fim de semana de vivência comunitária, que permitirão visualizar algumas soluções práticas implementadas e partilhar experiências num ambiente natural.

Formadores: Joana CostaYassine Benderra (diplomado através da UK Permaculture Ass.) e formador convidado Guy Miklos (diplomado através da uk. Permaculture Ass.)»

Mais informações e inscrições em:  http://www.movingcause.org/2015/02/26/pdc-braga-permacultura/  (ou http://tinyurl.com/permacultura-braga)

domingo, 15 de março de 2015

A Era da Estupidez... continuação...

A Era da Estupidez (The Age of Stupid) é um filme britânico de Franny Armstrong, lançado em setembro de 2009 (ver abaixo).

O filme é passado em 2055. O personagem principal, interpretado pelo falecido Pete Postlethwhaite (1943-2011), tenta perceber porque não se fez nada no primeiro decénio do século XXI para prevenir catástrofes originadas pelas alterações climáticas.

Entretanto, como se pode ver no gráfico (de CO2Now), em fevereiro de 2015 a concentração de dióxido de carbono na atmosfera atingiu os 400 ppm! 

  • Antes da Revolução Industrial do século XIX, a concentração de CO2 na atmosfera era de 280 ppm.
  • Nos 800.000 anos antes, o valor oscilou entre 180 ppm nos períodos glaciais e 280 ppm nos períodos interglaciais. 
  • O ritmo a que aumenta a concentração de CO2 continua em aceleração (atingiu 2,11 ppm por ano, quando nos anos 60 era de 0,73 ppm por ano). 
  • De acordo com os cientistas, 350 ppm é a concentração nível de segurança.

Concluindo,  a meio do segundo decénio do século XXI, a era da estupidez continua...