segunda-feira, 7 de Julho de 2014

Chega de tanto saco plástico!

Ainda não percebi porque custa tanto levar sacos quando se vai às compras, e muito menos percebo porque, por exemplo, ao comprar fruta se mete cada espécie ou variedade num saco, depois noutro, ou porque se vai comprar pão e para além do saco de papel, ainda têm, uns de dar, outros de pedir, mais um saco de plástico.  
Imagem da campanha "Saco é um Saco"
A vontade de levar sacos de plástico para casa é de tal modo que, em média, cada português "consome" 466 sacos por ano. Ou seja, uma família de 3 pessoas gasta, em média 4 sacos por dia! Demais, não? Custará pensar um pouco nisto?

No passado dia 3 de julho assinalou-se o Dia Internacional SEM Sacos de Plástico, "que tem como objectivo alertar a sociedade para a necessidade de reduzir o consumo e utilização excessiva de sacos de plástico descartáveis que, na maioria das vezes, terminam no lixo após uma única utilização, ou acabam por ser libertados no ambiente, constituindo um problema ambiental grave em termos de poluição." Muitos destes sacos acabam no mar e os animais marinhos são seriamente afetados por este tipo de poluição (80% da poluição marinha é causada pela libertação de resíduos plásticos).

Precisamente neste 3 de julho, foi publicado o  Decreto Legislativo Regional n.º 10/2014/A para os AÇORES, que "Cria medidas para a redução do consumo de sacos de plástico e aprova o regime jurídico da taxa ambiental pela utilização de sacos de plástico distribuídos ao consumidor final". Um primeiro passo, pois falta ainda regulamentar, mas pelo menos os Açores já começaram a fazer alguma coisa.

Imagem de DN
A Quercus sinalizou a data com um estendal de 466 sacos à porta da Assembleia da República, o número médio de sacos plásticos que cada português consome por ano, a afirmando que "Vamos apresentar a todos os grupos parlamentares da AR um parecer sobre o uso excessivo dos sacos de plástico e uma proposta para legislar a redução da distribuição gratuita dos sacos descartáveis no grande e pequeno retalho" (fonte: DN).

"A 14 de Janeiro, o Parlamento Europeu apelou para que a União Europeia (UE) definisse medidas para reduzir os resíduos de plástico no ambiente e, especificamente, do «lixo marinho», no sentido de alcançar uma redução do uso de sacos de plástico de 50% até 2017 e de 80% até 2019.
Um estudo levado a cabo pelo Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (DCEA FCT-UNL), em 11 praias do litoral continental português, entre 2010 e 2014, mostra uma predominância de materiais de plástico nas praias portuguesas: dos 111.000 itens recolhidos, 97% eram plástico, dos quais 57% correspondiam a pellets de resina virgem ou envelhecidos, seguindo-se 27% de fragmentos de plásticos (onde estão incluídos os fragmentos de sacos de plástico) e 11% de esferovite. Relativamente às dimensões, apenas 8% eram maiores que 2,5 cm. Os plásticos de maiores dimensões correspondiam a cotonetes (38%) e cordas de pesca (35%)." Fonte: Diário Digital

sábado, 5 de Julho de 2014

CIDADE + (Porto, 7 a 13 de julho)

«CIDADE + “O PONTO DE ENCONTRO DA CIDADANIA, AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

É já no próximo dia 7 de Julho que começa no Porto a primeira edição do CIDADE +, um evento gratuito que durante uma semana celebrará a Cidadania, o Ambiente e a Sustentabilidade em contexto urbano.

O Warm Up do CIDADE+, de 7 a 9 de Julho [Segunda-feira a Quarta-feira], irá reanimar e divulgar espaços icónicos da cidade e promover iniciativas sustentáveis existentes na cidade do Porto. Inicia-se no dia 7 de manhã com uma acção de sensibilização para a importância das áreas costeiras na Praia do Ingleses, e às 18h30 com a tertúlia “Famílias Amigas do Ambiente” no Atmosfera M. Há também a Visita ao Charco Maravilha, no Parque da Cidade (9 Julho, 15h-18h) e oficinas de Hortas Verticais na Quinta Pedagógica do Mitra (8 de Julho das 17h*-19h).

É de salientar a sessão Ecologia e Sociedade Civil (9 de Julho às 18h) sobre associativismo e ativismo ambiental, onde haverá a apresentação do Livro “Verdes Anos” e a projeção do documentário “Setúbal , cidade verde” no espaço Atmosfera M, seguido (21h) pela tertúlia “Ambiente – Grandes desafios para os cidadãos e associações” na Reitoria da Universidade do Porto com ONGs ambientais. Durante a semana há actividades de Yoga nos espaços Yoga4you (Pilates, Yoga e Happy Yoga) e Yoga sobre o Porto (conversa sobre Reiki e Meditação).

A segunda parte do CIDADE + decorre no Palácio de Cristal concentrando um conjunto amplo de atividades de 10 a 13 de Julho [Quinta-feira a Domingo]. A Conferência de Abertura no dia 10 de Julho, no Auditório da Biblioteca Almeida Garret, contará com presença de Rui Moreira (Câmara do Porto), de Alexandre Quintanilha (IBMC) e de Nuno Lacasta (Agência Portuguesa do Ambiente).

O evento apresenta várias iniciativas, entre as quais: 6 Conferências, mais de 20 Oficinas (para crianças e famílias), 5 sessões Lab+, MercadECO, Artes e Espetáculos, Aulas Abertas de Yoga e Taichi, Conversas Conscientes, Praça Empresarial, Sessões Porto+ e o Rede+ (Empreendedorismo Social). A diversidade de temas abordados é uma das mais valias deste evento, abrangendo temas como Mobilidade e Planeamento Urbano, Empreendedorismo Sustentável, Valorizar a Biodiversidade, Gestão de Eventos Sustentáveis, Oficinas de Psicologia, Permacultura, Ética Ambiental, entre outros.»

Fonte e mais informação em: http://cidademais.pt/site/  (*começa às 17h e não às 15h como diz aqui)
Página no Facebook: https://www.facebook.com/cidademais



quarta-feira, 25 de Junho de 2014

A arma secreta do marketing

Para além das técnicas de marketing que muitos conhecem, este vídeo (produzido pela "Catsnake Films" para a "Compassion in World Farming") expõe o principal segredo. Apesar de a protagonista ser uma atriz (Kate Miles), a audiência só o soube no final. Seja como for, o que ela diz sobre a indústria alimentar é a pura realidade, e sobre a tal "arma secreta", não me parece que restem dúvidas. (O vídeo tem legendas)

segunda-feira, 16 de Junho de 2014

Transgénicos: porque devem ser proibidos!

A entrevista da Doutora Margarida Silva, Professora na Escola de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto, bióloga e perita em biotecnologia, esclarece os enormes perigos dos OGM (organismos geneticamente modificados ou transgénicos) para a saúde e para o ambiente.



Há mais de uma década que centenas e centenas de cientistas pedem a suspensão dos OGM em todo o mundo. Não apenas pelo princípio da precaução, mas porque as evidências da sua perigosidade para a biodiversidade, segurança alimentar, a saúde humana e animal começam a ser muitas.

Imagem obtida no blogue Octopus
"As patentes de formas de vida e processos vivos deveriam ser proibidas porque ameaçam a segurança alimentar, promovem a biopirataria dos conhecimentos indígenas e dos recursos genéticos, violam os direitos humanos básicos e a dignidade, o compromisso da saúde, impedem a pesquisa médica e científica e são contra o bem-estar dos animais.

Os cultivos transgênicos não oferecem benefícios para os agricultores ou os consumidores. Em vez disso, trazem consigo muitos problemas que foram identificados e que incluem o aumento do uso de herbicidas, o desempenho errático e baixos rendimentos econômicos para os agricultores. Os cultivos transgênicos também intensificam o monopólio corporativo sobre os alimentos, o que está levando os agricultores familiares à miséria e impedindo a passagem para uma agricultura sustentável que garanta a segurança alimentar e a saúde no mundo."

Imagem obtida em Combate Racismo Ambiental
Este texto foi extraído da Carta Aberta de 815 cientistas de 82 países a exigir a suspensão de OGM em todo o mundo (a declaração de cientistas do mundo data de 1999, foi sucedida pelo Relatório do Painel Ciência Independente de 2003, e pelo mais recente relatório Ban OGMs Now em 2013), que pode ler na íntegra nos links que se seguem

domingo, 15 de Junho de 2014

Cursos de Planeamento em Permacultura (PDC) no norte de Portugal

No segundo semestre de 2014, dois cursos de permacultura (PDC) no norte de Portugal (em português):


Curso de Planeamento em Permacultura (PDC) na Universidade Católica - Biotecnologia, PORTO 

Em seis fins de semana, de 18 de outubro a 14 de dezembro de 2014
Mais informações e inscrições em: http://www.esb.ucp.pt/curso-permacultura


Não podia deixar de dar os parabéns à Universidade Católica, pois ver uma universidade associar-se ao ensino da permacultura é um excelente sinal! 



PDC - Curso Certificado de Permacultura, na Encosta do Paço, Arcos de Valdevez


De 12 a 25 de agosto 2014,  com Silvia Floresta e Yassine Benderra


sexta-feira, 13 de Junho de 2014

Conferência "O Valor Económico dos Serviços prestados pelos Espaços Verdes", Famalicão, 18 de junho

Os espaços verdes, parque e jardins, são fundamentais para o equilíbrio ambiental das cidades e para a saúde física e mental dos seus habitantes. No entanto, do ponto de vista de quem os gere, são espaços onde, "supostamente", o investimento feito e os gastos na manutenção "não têm retorno económico". Nesta conferência vai-se tentar quantificar na linguagem "económica" esse retorno bem real e importante.

Conferência subordinada ao tema: "O VALOR ECONÓMICO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS ESPAÇOS VERDES: a integração das perspetivas económica, social e ambiental", no próximo dia 18 de junho de 2014, na Casa das Artes, em Vila Nova de Famalicão, promovida pela  Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e ADRAVE.

«Esta conferência realiza-se no âmbito das atividades do Projeto PARKATLANTIC, co-financiado pelo Programa de Cooperação Territorial INTERREG Espaço Atlântico, no qual a ADRAVE é parceira, em cooperação com o Município de Santiago de Compostela (Espanha), a região do Mid-West Regional Authority (Irlanda), a Communauté d’Agglomération Pau Pyrénées (França) e a Mairie d’Angers (França).

A participação é gratuita, mediante inscrição prévia, limitada à capacidade do Auditório, até 16 de junho de 2014.»  

Inscrições e mais informações em  http://www.adrave.pt/pages/12?news_id=135

terça-feira, 10 de Junho de 2014

Oficinas sobre Horticultura Ecológica, Famalicão

O Grupo Famalicão em Transição está a organizar duas sessões de Oficinas sobre Horticultura Ecológica, em Vila Nova de Famalicão, com a formadora Atimati,  a realizar nos dias 14 e 21 de junho de 2014.

Oficina da manhã, 9h30 -12h30:
Tratamento e Prevenção de Pragas e Doenças.

Oficina da tarde, 14h30 - 17h30:
Identificação de Plantas Selvagens Úteis.

Inscrições e mais informação: ver no blogue de Famalicão em Transição

Local:

Dia 14 de junho: Quinta de Ribela, Cruz

Dia 21 de junho: Hortas do Parque da Devesa (a confirmar)

quinta-feira, 5 de Junho de 2014

A cidade perdida dos Incas

A beleza da cidade perdida dos Incas (Machu Picchu, Peru) contida nas imagens faz com que partilhe este vídeo (apesar de promocional).