domingo, 20 de Abril de 2014

Ron Finley: um guerrilheiro de jardim em L.A.

Ron Finley é um artista e a sua arte é embelezar relvados da zona Centro-sul de Los Angeles transformando-os em florestas alimentares. Ou um guerrilheiro de jardim cuja arma é uma pá e cuja missão é ensinar  e tornar acessível a alimentação saudável. O texto que se segue é extraído do vídeo da sua palestra TED (abaixo) Não deixem de o ver e ouvir!

Imagem de capa do site http://ronfinley.com/
«Sou um artista. A jardinagem é o meu graffiti. Planto a minha arte. Tal como um artista de graffiti, que embeleza paredes, eu embelezo relvados e canteiros. Uso o jardim, a terra, como se fosse um pedaço de tecido, e as plantas e as árvores, são o meu embelezamento desse tecido. É surpreendente o que a terra pode fazer se a deixarmos ser a nossa tela. Não se pode imaginar a maravilha que é um girassol e como ele afeta as pessoas.

Então, o que aconteceu? Eu testemunhei o meu jardim tornar-se numa ferramenta para a educação, uma ferramenta para a transformação do meu bairro. Para mudar a comunidade, tem de se mudar a composição do solo. Nós somos o solo. É surpreendente como as crianças são afetadas por isto. A jardinagem é a ação mais terapêutica e desafiante que se pode fazer, especialmente no centro da cidade. E ainda se conseguem morangos.»

Com os agradecimentos ao VOZ!

sexta-feira, 18 de Abril de 2014

"Alterações Climáticas 2014: Mitigação": Mudanças drásticas no setor energético são imperativas (IPCC AR5)

No passado dia 12 de abril, foi aprovado em Berlim o relatório sumário para decisores políticos "Alterações Climáticas 2014: Mitigação", contribuição do Grupo de Trabalho III para o 5º Relatório de Avaliação do IPCC (AR5), que está disponível em http://report.mitigation2014.org/spm/ipcc_wg3_ar5_summary-for-policymakers_approved.pdf

A versão final  do relatório técnico, de 17/12/2013,  que foi aceite, mas não aprovada em detalhe na "12 ª Sessão do Grupo de Trabalho III e a 39 ª Sessão do IPCC", e que consiste na avaliação científica, técnica e sócio-económica completa, pode ser lida em http://mitigation2014.org/report/final-draft/

Percentagem de emissões de GEE por setores de atividades, 2010; a) Percentagens de emissões diretas por setores e indiretas do setor de energia; b) Percentagens de emissões diretas e indiretas por setor da economia,  com as contribuições do setor energia atribuídas ao setor económico final. IPCC-AR5 (relatório técnico). Nota: AFOLU= agricultura, silvicultura e outros usos do solo.

De entre as várias conclusões do relatório técnico, destaco as seguintes:
  • "A sociedade precisa tanto de mitigação como de adaptação à mudança do clima, se quer efetivamente evitar impactos climáticos prejudiciais"
  • "Sem novas políticas de mitigação das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), estas irão crescer em todos os setores, exceto as emissões de CO2 no setor uso da terra"
  • "O setor de fornecimento de energia é o maior contribuinte para as emissões globais de gases de efeito estufa"
  • "A estabilização das concentrações de gases de efeito estufa em níveis baixos requer uma  transformação fundamental dos  sistemas de energia, incluindo, a longo prazo, a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis e tecnologias neles baseadas e sua substituição por alternativas de baixas emissões de GEE."
Histórico das emissões de GEE antropogénicas derivadas da queima de combustíveis fósseis, da indústria do cimento, e da silvicultura e outros usos do solo, nas cinco maiores regiões. IPCC-AR5 (relatório técnico)
Este é o 3º relatório do AR5 tornado público, depois de "Alterações Climáticas 2013: Ciência Climática" do Grupo de Trabalho I (setembro 2013), e que demonstrou que o estado atual e os cenários de futuro são bem mais gravosos que os previstos em 2007 no AR4 (ver aqui), e do relatório "Alterações Climáticas 2014: Impactos, Adaptação e Vulnerabilidades", do Grupo de Trabalho II (março 2014).)

Total anual de emissões de GEE antropogénicas (GtCO2eq/yr) por grupos de gases 1970-2010, IPCC-AR5 (relatório técnico)

Segundo este artigo e este, o relatório sumário para políticos "diluiu" ou "censurou" as conclusões do relatório técnico,  sobretudo no que respeita às medidas respeitantes aos combustíveis fósseis...  tal não me admiraria nada, mas não posso confirmar pois ainda não li integralmente esse sumário para políticos.

domingo, 13 de Abril de 2014

Curso de Agricultura Biodinâmica no norte de Portugal

Está a ser preparado um Curso de Agricultura Biodinâmica, com os formadores João Castella e Erica  Pires no norte de Portugal. Destina-se a qualquer pessoa interessada, com conhecimentos e/ou experiência em agricultura biológica. Co-organização de Associação Biodinâmica de Portugal, Ceiba Permacultura, Quinta de Junceda (Alfena, Valongo) e Quinta da Bouça Chã (Lixa, Amarante).

As inscrições estão abertas até 20 de maio e a realização do curso dependerá do número mínimo de 10 participantes.  Mais informação nos cartazes abaixo:




domingo, 6 de Abril de 2014

quinta-feira, 3 de Abril de 2014

Perseguição

Vale a pena ver esta perseguição... uma excelente sequência de imagens da National Geographic

domingo, 30 de Março de 2014

Natureza frágil mas persistente

Assim como um pequeno fator externo pode desencadear um grande desequilíbrio no ecossistema, também a natureza se consegue regenerar de forma espantosa quando esse fator é eliminado! Este vídeo  conta a história do efeito da reintrodução dos lobos no Parque Nacional de Yelowstone, nos Estados Unidos, onde já não existiam há 70 anos. Impressionante!

Na natureza, na vida, no cosmos, tudo está interligado!

sábado, 22 de Março de 2014

Dia Mundial da Água 2014: "Água e Energia"

Este ano. a ONU decidiu atribuir o tema "Água e Energia" ao Dia Mundial da Água, que se celebra a 22 de março.

Imagem retirada daqui
Num blogue cuja imagem simbólica é pedrada na água (não só pelo efeito da propagação das ondas de uma pequena pedra que embate na água, como pela importância intrínseca da água na vida), não queria deixar este dia em branco, mesmo apesar da falta de disponibilidade dos últimos tempos.

Água e energia são abundantes no nosso planeta. Mas a sua disponibilidade ou acessibilidade são extremamente díspares entre locais e populações. Por isso, apesar da sua abundância, a escassez de água potável no mundo aumenta à medida que aumenta a população e o efeito das alterações climáticas. A energia do sol é abundante, mas a escassez da energia solar acumulada por milénios (combustíveis fósseis) aumenta à medida que se esgotam as reservas e aumenta a procura. Água e energia são as fontes da vida, bens preciosos demais para serem desperdiçados ou disputados da forma predadora das últimas décadas.


A água tem sido a maior força motriz no fabrico energia renovável, mas quantas vezes a  preços tão elevados que uma pequena dose de bom senso travaria. A mania das grandezas e a oportunidade das negociatas apaga qualquer pequena dose de bom senso que podia existir.  Muitas e pequenas unidades hidroelétricas, sem a necessidade de interrupções do curso dos rios, sem alagamento de terras, sem eliminação de comunidades e e de espécies, são uma alternativa bem menos impactante às grandes barragens.

Assim, dedico este "post" neste Dia da Água e Energia a todos aqueles que têm lutado contra a imposição de barragens aberrantes para a biodiversidade, para a paisagem, para o ordenamento do território e para as comunidades, nomeadamente aquelas que aqui já foram faladas, como as barragens do Baixo Sabor e do Foz do Tua  no norte de Portugal, e a megalómana barragem de Belo Monte, na Amazónia, Brasil.

 Rio Sabor, zona prestes a ser inundada com a barragem quase pronta (foto minha, nov 2013)
Rio Tua e Linha do Tua, zona a ser inundada com a futura barragem (foto minha, nov 2013)




Mapa da Zona da Amazónia afetada pela barragem de Belo Monte, na Volta do Rio Xingu, obtida aqui
Cartoon obtido aqui

quarta-feira, 19 de Março de 2014

Comissão Europeia respondeu à ICE "Pelo Direito à Água"

A Comissão Europeia respondeu hoje, através deste comunicado, à primeira Iniciativa de Cidadania Europeia bem sucedida, a iniciativa "Right to Water – A Água é um Direito Humano".

A resposta foi positiva, mas ficou aquém das expectativas dos milhões de subscritores, como refere o comunicado do Comité de Cidadãos da ICE:

«A Comissão Europeia ( CE) emitiu hoje um comunicado onde dá a sua resposta oficial à primeira Iniciativa de Cidadania Europeia (ICE) bem sucedida, que pediu "para implementar o direito humano à água e ao saneamento na legislação europeia” . Na comunicação, a CE lembra a importância do direito humano à água e ao saneamento e afirma a importância da água como um bem público e de valor fundamental e que "a água não é um produto comercial".

No entanto, isso é o máximo que faz. "A reação da CE não tem qualquer ambição real para responder de forma adequada às expectativas de 1,9 milhões de pessoas", diz Jan Willem Goudriaan, vice-presidente da www.right2water.eu . "Lamento que não haja nenhuma proposta de legislação que reconheça o direito humano à água."

A ICE também pediu um compromisso jurídico de que não haveria iniciativas da UE para liberalizar os serviços de água e saneamento. Mas não há nada na comunicação sobre este assunto. 
Certamente que reconhecemos o facto de que o apoio das pessoas à nossa ICE levou à exclusão dos serviços de água e saneamento da diretiva das concessões. No entanto, a comunicação da Comissão não se compromete a excluir explicitamente estes serviços das negociações comerciais, como o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP ).

No entanto, existem aspetos da resposta da Comissão Europeia que consideramos positivos. Por exemplo, o reconhecimento de que a prestação de serviços de água é geralmente da responsabilidade das autoridades locais que estão mais próximos dos cidadãos. Isto confirma a tendência para remunicipalisatção em toda a Europa, que, de acordo com a comunicação, é o caminho mais seguro para que a água seja mantida fora das regras do mercado interno, um dos principais pedidos da ICE .


Saudamos também o compromisso da Comissão em promover o acesso universal à água e saneamento nas suas políticas de desenvolvimento e promover parcerias público-público.
Esperamos que a revisão da Directiva-Quadro da Água (DQA) e da directiva relativa à água potável sejam oportunidades para realizar o direito humano à água e ao saneamento na UE. O Comité dos Cidadãos espera ser considerado como uma das principais partes interessadas.

Vamos pedir aos partidos políticos e seus candidatos a Presidente da CE que se comprometam a propor legislação para implementar o direito humano à água e ao saneamento, e à não liberalização dos serviços de água e saneamento na UE e fora dela. Isto será importante para as eleições europeias, em Maio de 2014.»

Fonte: Water is a Human Rigt, tradução (livre) do comunicado de 19/3/2014

Comunicação da Comissão Europeia: http://ec.europa.eu/news/justice/140319_pt.htm
Press release: http://europa.eu/rapid/press-release_IP-14-277_pt.htm