sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2013

Desigualdade galopante


Imagem de Rodrigo, Expresso
É importante sabermos o rumo que este mundo leva!  

Leia no blogue BIOTERRA, a tradução de parte do artigo da RT.com, baseado no relatório da OXFAM de Janeiro 2013 "The cost of inequality: how wealth and income extremes hurt us all "

Embora não me apanhe totalmente de surpresa, não encontro palavras para comentar a desigualdade galopante que esta injusta hegemonia do poder económico provocou! 

9 comentários:

  1. Olá...

    Infelizmente isto só se resolve de uma forma... Que nem aqui escrevo pois seria impróprio!

    Mas vamos lá então dar a conhecer, aos mais distraídos, um país que existe já faz tempo, mas do qual (quase) ninguém fala...

    Apresento-vos o País JP Morgan

    Dados de 2008 (fontes:Banco Mundial e o Banco das 8 Famílias, o BIS (Bank for International Settlements))

    Após o que este país, e outros, fez em 2007/8 algum outro país ou grupo de países tentou penalizá-lo, ou tentaram criar novas REGRAS do SISTEMA MONETÁRIO?

    Pois... Claro que não... E como tal a vidinha deste País, e dos outros, continua na mesma... BOA, MUITO BOA!

    Mais um belo gráfico

    Haverá alguma esperança para o Futuro? Bem a julgar pela "educação" que dão aos vossos filhos, palpita-me que nada de significativo se altere nas próximas gerações, ao nível do Poder e Capacidade que as 8 Famílias detêm de controlo das Sociedades Ocidentais...

    Por isso, enquanto nada fizermos para rebentar com a corrente de escravos, nada mudará!

    Bjs e Abr
    voz a 0 db

    ResponderEliminar
  2. Olá Voz

    Pois é... e continuo sem palavras :(

    ResponderEliminar
  3. Quer dizer, em contas redondas, os 100 mais ricos multiplicaram por 4 a pobreza do mundo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Li de cruz o relatório e as referência do mesmo há tempos (início de 2013) e o que se refere não é acabar com a pobreza, na noção genérica que temos da mesma... O que querem dizer é que o aumento da fortuna dos mais ricos dava para que os miseráveis conseguissem sair ligeiramente, muito ligeiramente (uns cêntimos), dos 1.25 dólares/dia! Uma fortuna... refira-se!

      Mas tudo está bem... E aqui fica mais uma bela imagem da riqueza a aumentar!

      Mas se vires esta que mostra a evolução desde o início da crise em 2008... Já recuperaram e já estão a lucrar acima de 2008! VIDA BOA é para os DONOS dos ESCRAVOS...
      ESCRAVOS que são uns VERDADEIROS OTÁRIOS pois continuam a fazer estas tristes figuras

      E os DONOS devem dar gargalhadas quando vêem isto nos seus plasmas ultra-finos e modernos e caros, com 160 diamantes de 20 quilates lá nas mansões!

      Por isso, que importa se uns milhões morrem de fome, sede, doença?!? OS Donos não estão nem aí, e os restantes ESCRAVOS estão demasiado ocupados na labuta do dia-a-dia, que nem sequer sonham com tal REALIDADE...

      Abraço
      (bem digo que preciso de uma pausa!)
      voz a 0 db

      Eliminar
  4. Olá
    Isto tudo é ... não tenho palavras!
    e fazemos o quê?
    Acho que apenas escrever posts no aconchego da nossa casa não vai mudar nada e, pelo que parece, cantar a Grândola Vila Morena também não está a dar resultado nenhum!
    Ana

    ResponderEliminar
  5. Minha Querida Amiga Manuela Araújo,
    Pois é... como diz a nossa Amiga Ana Horta e eu já referi noutro blogue
    "Estas manifestações avulsas acabam sempre na mesma infelizmente! Há que nos juntarmos e pensar bem no futuro que queremos para Portugal e só depois actuarmos em conformidade. Caso contrário andaremos em "manifestações folclóricas" que só os servem a eles pois as moscas que ficam são sempre a mesma m----! Só se servem e não servem ninguém!"
    Um abraço amigo.

    ResponderEliminar
  6. Caros leitores...

    Espero que tenham a noção que para se alterar o actual estado desta Sociedade temos que estar dispostos a PERDER... E escrevi com todas as letras em maiúsculas pois incluo na perda, a VIDA...

    Já sei... Já sei... "Este tipo é doido"...
    Mas na verdade as decisões que eles tomam levam a que mulheres atirem seus filhos pelas janelas e a seguir se lancem também, que envenenem seus filhos e a seguir se asfixiem... A que mães e filhos se atirem juntos do cimo de edifícios, a que se reguem com líquidos inflamáveis e se acendam tipo "tocha humana"... e Tudo porque o choque de não saberem o que são, e principalmente o que fazer para alterar esta sua condição, foi demais...

    Depois temos que olhar para o que somos, na REALIDADE:

    Um povo sem soberania financeira, que vive numa Civilização onde quem controla a MOEDA FIDUCIÁRIA, controla (praticamente) tudo;

    Um povo sem soberania política, pois deste que a vendemos para ingressar na CEE... Foi-se! E vendemos a troco da ILUSÃO DO CRESCIMENTO ECONÓMICO... E agora a ILUSÃO DISSIPOU-SE e resta a REALIDADE...

    Um povo sem soberania territorial pois não temos capacidade para cuidar do que é "nosso"...

    Um povo sem soberania linguística... Esta é óbvia!

    Ora se perdemos tudo isto, foi porque alguém se apoderou destas soberanias... E se queremos reavê-las, temos simplesmente que reconhecer quem são os DONOS, e o que fazer para os "eliminar"...
    Claro que o PODER dos DONOS é tal, que uma simples pressão num botão de um dispositivo de entrada de dados, nos aniquila de forma financeira... Nem precisam de utilizar violência física directa!

    Andamos entretidos a incomodar as Títeres que os Donos utilizam para nos condicionar, e pensamos que se trocarmos de Títeres isto vira o "paraíso"... Pensamento comprovado pela simples observação dos últimos 40 anos, e da bela troca de Títeres sempre dos mesmos gangues!!!

    "Sempre que virem um Membro das 8 Famílias ou seus Lacaios..." De forma figurada (para já, pelo menos) é isto que tem de ser feito... Cortar o errado pela raiz!

    E podemos começar pelo que Eles dão enorme valor... BENS MATERIAIS...

    38.708196,-9.153519 / 38.716160,-9.147553 / 38.721802,-9.147618 / 38.692409,-9.417932 / 38.492075,-8.902400

    Acham que é demais? ELES NÃO... E ESTÃO DISPOSTOS A VOS ANIQUILAR PARA CONTINUAREM A ENRIQUECER...

    Bjhs e Abraços...

    Voz a 0 db

    ResponderEliminar
  7. Manuela,

    Frequentemente na minha vida tenho me deparado com desigualdades.

    Foram essas que sempre me fizeram pensar. Utópico, quando mais jovem, pensava que podíamos mudar o mundo.

    Agora chego à triste conclusão que nada iremos mudar. Apenas uma pequena parte das pessoas estão alertas para as questões essenciais, 99% da população engole o que o "sistema" lhes propõe.

    E essência do ser humano é o egoísmo, o egocentrismos, essa é a triste verdade: "salve-se quem poder", vale tudo.

    Chego a pensar que de nada serve combater este "sistema". Talvez a solução seja infiltrar-nos nesse mesmo sistema para o combater no seu interior, o que não é fácil, mas de qualquer maneira, a maioria das pessoas estão anestesiadas.

    Um beijo grande

    ResponderEliminar
  8. olá
    não aceito que quem escreva neste blogue fale de anestesia. Se o nome é ACÇÂO!!!
    Claro que a maioria está anestesiada, Nós também o estivemos! mas já acordámos, ou não?
    Tenho reflectido sobre o assunto e chego sempre á mesma ideia - foi criado um sistema em que nos aprisionam (nos anestesia) e fora do qual nos parece impossível sobreviver: - temos de frequentar a escola (para termos uma formação para arranjar emprego), temos de estar inscritos na segurança social (para termos apoios), temos de trabalhar ordeiramente (para ganharmos a vida e dar alguma qualidade de vida aos filhos), temos de esperar pela reforma (para podermos sobreviver até à morte), temos de ...

    e se saíssemos do sistema? Já há experiências desta ideia. Não estou a inventar nada!
    Neste mesmo blogue li há tempos sobre um banco comunitário (nada a ver com os bancos convencionais. A criação de comunidades com moeda própria (acho que na Inglaterra). As comunidades isoladas com poucas relações com os sistemas, em África, até no interior do nosso país...

    Não estou a propor maluqueiras, apenas me dou conta que encontrei pessoas com as mesmas preocupações que eu e vos peço que me ajudem a reflectir sobre o assunto.

    - a solução passa mesmo por cortar ao máximo os relacionamentos com o sistema?
    - como se poderia fazer isso nos tempos actuais? (quero dizer com isto que não se trata de viver como no tempo das cavernas, mas antes criar pequenas comunidades que funcionariam como autónomas ou quase autónomas do sistema, vivendo melhor para elas e respeitando esta nossa casa que é o mundo ainda que tenhamos que perder alguma coisa como está escrito em cima)

    Acham isto uma tontice ou pode haver alguma razão de ser nas minhas ideias?
    Ana

    ResponderEliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.