sexta-feira, 18 de Março de 2011

O último segundo

Em Dezembro de 2009 foi aqui publicado o trailer do documentário The 11th Hour, em Portugal traduzido para A 11ª Hora, no Brasil para A Última Hora. O filme, que foi lançado nos cinemas em 2007, passou em 2009 na RTP2 e em Janeiro passado na RTP1. Para quem não viu ou quer rever, fica aqui a primeira parte da versão dobrada em português (Brasil) que está actualmente disponível no Youtube, e a ligação para as outras em 8 partes. 

"Um impressionante testemunho do quanto as atividades humanos estão a contribuir para alterar o clima do planeta. Produzido e narrado por Leonardo Di Caprio, conta com a participação e o testemunho de dezenas de conceituados cientistas nesta luta pelo restabelecimento do equilíbrio da relação entre a humanidade e os ecossistemas. o documentário mostra os desastres naturais causados pela humanidade e mostra o que pode ser feito para reverter os problemas, entrevistando mais de 50 pessoas, como o cientista Stephen Hawking e o ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev." Fonte: RTP

Se se comprimisse a história da Terra (4,56 mil milhões de anos até hoje) num só ano, com a formação do planeta no dia 1 de Janeiro, as primeiras formas de vida terão surgido em Março, os primeiros animais em meados de Novembro, e os primeiros hominídeos já na noite do dia 31 de Dezembro. Nessa escala, a nossa espécie terá aparecido no último minuto, e a era industrial no último segundo do dia 31 de Dezembro. Muito se "evoluiu" e muito se estragou nesse último segundo!



Actualização 2012/03/04: Versão original com legendas em português em  http://youtu.be/rzznZ1kNIlI

5 comentários:

  1. Olá Isabel. Hoje não vou deixar comentário, pois mandei-lhe via e-mail um texto de António Bras Constante que, com aquela ironia que lhe é caracteristica nos dá mais um alerta sobre os perigos da nossa constante interferência no nosso planeta. Beijinhos e um bom fim de semana
    Emília

    ResponderEliminar
  2. As Armas do Amor
    Composição: Sérgio Godinho

    Desarmem
    os campos minados da ignorância
    onde se infiltra friamente
    o preconceito, esse sim, fatal, letal, brutal
    e não há senso que lhe valha
    o preconceito desempalha
    animais incongruentes
    atacando pela trilha
    de uma ilha outrora virgem
    Aparência da virtude
    O preconceito nunca falha
    flecha certeira
    na esteira
    da inocência
    aparência de virtude
    E por mais que se escude
    na justificação pseudo-ética
    cosmética, caquética
    do seu valor de guardião das morais
    vitais pra lá do ano 2000
    o preconceito não tem estado civil
    é casado com a morte
    divorciado da vida
    é viúvo de si mesmo
    é solteiro e por junto separado
    suicida

    Desarmem o preconceito!

    Desarmem
    as metralhadoras côr-de-cinza
    que defendem
    a condescendência
    cautelosa, lacrimosa
    das decisões oficiais
    carimbadas despachadas
    e só por isso legais
    mas que vão milhas atrás
    das atrozes realidades
    que o corpo grita
    e a alma berra
    A condescendência não desferra
    No cofre forte onde se encerra
    a planificação ponderada
    de um problema complexo
    há soluções de fachada
    2 mil mortos perfilados na parada
    há palestras sobre sexo
    é um problema complexo
    nosso dano se ninguém resolve nada
    ano após ano
    2 mil mortos perfilados na parada
    1 por ano
    nossa escada em caracol para o nirvana

    Desarmem a condescendência!

    Armem por favor as armas do amor

    Desarmem
    a pose altiva
    emproada gargalhada
    que veste a incompetência
    incipiência
    disfarçada de suma
    sabedoria
    quem diria
    quem diria que debaixo de uma
    só alegoria
    tanto exemplo existiria
    Exemplos de incompetência
    são aos montes, são às serras
    impossíveis de escalar
    passos vãos, inúteis guerras
    A incompetência é incapaz de se olhar
    o cadáver inocente
    é olhado pelo soldado incontinente
    pelo menos é um olhar
    a incompetência, nem pensar
    nem pensar
    em juntar o resultado à vontade
    o sonhado
    à realidade
    e do real
    partir para a utopia
    menos mal
    assim seria
    menos mal

    Desarmem a incompetência!

    ResponderEliminar
  3. Desculpe, Manuela, mas esqueci de lhe dar os parabéns pelos 2 anos de blog e pelo bom uso que lhe tem dado, alertando-nos para os cuidados que temos de ter com o nosso planeta. Muito obrigada e um grande beijinho
    Emília

    ResponderEliminar
  4. Emília

    Agradeço-lhe triplamente: por vir aqui comentar, por se lembrar dos parabéns pelos dois anos do blogue, não faz mal ser atrasado, e por me ter enviado já dois excelentes textos do António Brás Constante. Não lhe agradeci ainda o e-mail porque ainda não o li com a atenção merecida, o que tenciono fazer em breve.

    MUITO OBRIGADA e um abraço :)

    ResponderEliminar
  5. Ana Teresa

    Muito obrigada pelo poema do Sérgio Godinho.

    Vamos lá a desarmar a incompetência, o preconceito e a condescendência!!!

    ResponderEliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.