sábado, 7 de novembro de 2009

Vamos poupar água!

Todos nós sabemos que gastamos água a mais no nosso dia-a dia. Mas a água potável, é um bem cada vez mais escasso. Infelizmente, as nossas habitações não estão preparadas para um consumo de água sustentável. Com os cilindros e esquentadores para o aquecimento mal localizados e longe dos locais de consumo (quartos de banho e cozinhas), e com as canalizações de água quente não isoladas, o desperdício até chegar a água quente é enorme (ver no blogue O Tempo Chegou). Por isso, vou relembrar aqui algumas dicas para poupar água no dia-a-dia. Com a reportagem da RTP na Praça da Alegria "Como poupar água", que encontrei no blogue Um Blogue Pelo Ambiente, e com dicas referentes ao consumo de água retiradas de Naturlink. E pode ver mais aqui.

Eu sei que todos sabemos. Mas também sei que é muito difícil mudar os hábitos.



Dicas de Naturlink:
  • "Por dia gastam-se muitos litros de água; 10 litros numa descarga de autoclismo, 80 litros num banho rápido, 100 litros numa lavagem de roupa na máquina e 50 litros numa lavagem de louça na máquina. O esforço para poupar água é uma obrigação.
  • De cada vez que utiliza o autoclismo deita muita água fora, desnecessariamente. Tente regulá-lo de forma a poupar água. Se não consegue baixar a bóia, pode pôr um objecto que não flutue no depósito e os gastos de água serão reduzidos.
  • Como descobrir se o seu autoclismo perde água? Ponha umas gotas de corante no depósito e se vir água corada na sanita, sem ninguém ter puxado o autoclismo, é porque existe uma fuga.
  • O caudal de uma torneira é de 11 a 19 litros de água por minuto. Instale um compressor redutor de caudal e poderá reduzir o consumo em 50%.
  • Não deixe correr a água enquanto lava os dentes ou faz a barba, pois abrir e fechar a torneira várias vezes é melhor do que deixar a correr água sem necessidade.
  • Quando se está a lavar feche a torneira enquanto se ensaboa. Poupará muita água.
  • Prefira o duche ao banho de imersão.
  • Uma torneira a pingar durante 24 horas, de 5 em 5 segundos, perde 3 litros de água, o que corresponde a mais de 1000 litros de água por ano. Verifique as torneiras e repare as fugas de água.
  • Só utilize a máquina de lavar louça ou roupa quando estiverem cheias ou se possuírem programas de meia-carga.
  • Para poupar água, não lave a loiça com água corrente, encha o lava-loiça.
  • Proceda à rega das suas plantas de manhã cedo ou ao cair da noite. Nessa altura, a evaporação de água causada pelo Sol é menor, pelo que poupará este recurso.
  • Regue as plantas da casa com a água recuperada da chuva ou com a que sobra na panela depois de alguém ferver ou aquecer vegetais. Esta será mais rica em nutrientes, embora seja necessário deixá-la arrefecer antes da rega.
  • A água é indispensável à existência da vida animal e vegetal. Deve-se evitar poluir a água, talvez começando por não deitar lixo para os rios, lagos e mares."

29 comentários:

  1. ...e nunca é demais lembrar, Manuela.
    Mais uma dica: enquanto a água não chega "quentinha", pode pô-la a correr para um balde; depois é dar-lhe o uso que entender: sanitários, rega, ....
    Poupança superior a 1000 litros/ano e por pessoa.

    ResponderEliminar
  2. Paulo
    Boa dica, e não está na lista nem no filme.
    Deixar de lavar terraços e passeios todas as semanas, como se vê em certas zonas, também era importante.
    E quando lavar os carros em casa, usar o balde.

    ResponderEliminar
  3. A questão do autoclismo parece-me ridícula, pelo simples facto de que podia ser facilmente regulável, numa primeira fase para os prédios novos, e depois para todos os outros, sujeita a inspecções. Em primeiro lugar determinar a quantidade máxima de água necessária na descarga, já que actualmente me parece excessiva para qualquer utilização corrente, em em segundo obrigar a existência de um botão de meia carga, que em geral é mais que suficiente. Claro que podemos (como eu fiz) colocar a garrafa de litro e meio lá dentro (o que, dependendo do tipo de autoclismo, pode não ser fácil ou possível), mas acho que é uma matéria em que é fácil legislar.

    Outra (apenas para prédios novos), seria obrigar a que a (ou uma das, se forem mais) casa de banho estivesse encostada à cozinha, de preferência à parede onde fica o esquentador ou caldeira, no sentido de se poupar a água que é perdida no transporte.

    ResponderEliminar
  4. E já agora, mais uma achega.
    É comum que, por exemplo, de manhã, os vários elementos do agregado famíliar tomem banho antes de sair de casa. Organizem-se de maneira a que os banhos sejam seguidos, a saída de um elemento, significar a imediata entrada de outro no banho, evitando assim que se tenha de aquecer novamente a água, poupando muitos litros de água e ainda bastante de gás, se for esse o caso.

    ResponderEliminar
  5. Sempre bom divulgar dicas simples e eficazes.

    ResponderEliminar
  6. Olá Rui

    Infelizmente considero que há legislação a mais neste país, mas para o caso da sustentabilidade na construção as coisas ainda estão muito atrasadas, não é o caso.
    Entrou recentemente em vigor a certificação energética dos edifícios, e entrou porque PORTUGAL foi obrigado já que está integrado na Europa.
    Só assim quem constrói (salvo honrosas excepções) tem cuidados com o consumo energético dos edifícios e usa as energias renováveis. Porque tem de ser.

    Mas a construção sustentável é muito mais que a redução do consumo energético. Existem muitas e muitas boas práticas que fazem com que as construções, desde raiz e no seu uso, sejam menos "gastadoras" de recursos.

    E a água é um deles, fundamental.
    Pequenas coisas como as que falou, e outras, no projecto, resultariam em poupanças enormes de água.

    Mas se a certificação ambiental não é obrigatória em países mais desenvolvidos, em Portugal não o será antes de certeza.

    Por isso, continuemos a "malhar no assunto", para que as pessoas exijam, e os projectistas tenham em conta. É que não ´só o ambiente, é também o bolso das pessoas.

    ResponderEliminar
  7. Eduardo
    Essa é também uma questão importante e um bom conselho, pois estou convencida que em muitos casos se gasta mais água à espera que chegue a água quente do que no banho propriamente dito. Cá em casa já tomamos banhos seguidos que possível.

    ResponderEliminar
  8. Biosfera
    Penso que faz bem lembrar aquilo que já sabemos, mas que ainda não interiorizamos. Existem muitas outras maneira de ajudar a poupar água, mas estas são mesmo as mais simples. E é por essas que temos de começar.

    ResponderEliminar
  9. Olá Manuela Araújo!

    Com o muito que já foi dito - e bem - pouco mais há para dizer.Contudo, há um aspecto que gostaria de referir e que, eventualmente, escapará a algumas pessoas, que é o seguinte:
    O volume de água consumida determina(pelo menos aqui na Maia é assim)o valor a pagar nas rúbricas de "Saneamento" e "Resíduos sólidos" dado que as mesmas se encontram indexados àquele valor de consumo, sendo que os valores a pagar são encontrados segundo regra proporcional. Não é inteiramente justo, já que a um maior consumo de água não corresponderá necessáriamente maior produçaão de lixo ou de esgotos, mas é assim que funciona. Tudo isto para dizer que ao consumirmos mais água não é só esta que estamos a pagar ...

    Um abraço.

    Vitor Chuva

    ResponderEliminar
  10. Caro Vítor Chuva

    Tem razão, pagar a recolha de resíduos sólidos conforme a água que se gasta, poderá não ser inteiramente justo, mas é uma fórmula com alguma lógica, já que é impossível quantificar os resíduos que cada um produz. Se fosse possível, era bem melhor, e talvez fosse mais um incentivo à redução do lixo produzido.
    Pior é o caso daquele que pagam a recolha de resíduos sem a ter à porta, e terem de se deslocar bem longe para a sua deposição.

    Obrigada pela participação, e um abraço.

    ResponderEliminar
  11. Olá Manuela,
    Excelente post!
    Nunca é demais bater na tecla da redução!As pessoas têm de se lembrar que a água é efectivamente um recurso escasso e que deve ser tratado como um tesouro.Nos próximos anos as guerras não serão devido a petróleo,mas sim a água e recursos alimentares.
    Mas como os portugueses invariavelmente só aprendem quando lhes "dói" na carteira,penso que o preço da água deveria subir a sério.De outra forma não vamos lá...

    Abraço,
    Ana Portugal

    ResponderEliminar
  12. Olá a todos(as),
    Manuela, é realmente importante e assinalável o seu trabalho. Informar nunca é demais! Não sei se faz sentido e, não tenho, agora, presentes os valores do escoamento anual da água dos continentes para os oceanos.Mas, um dos problemas não será a dissemelhante e imparcial distribuição espacial da precipitação no globo? Mais grave, li recentemente que morrem 5 milhões de pessoas, anualmente, por doenças provocadas pela poluição das águas de consumo corrente. Chocante..
    Em 2007 o Financial Times previu (para 2050) uma redução (em 50%) de água per capita no Médio Oriente e Norte de África. Qual o caminho?
    Por fim, o mais irónico e enigmático é que todos os seres vivos são formados por células preenchidas, maioritariamente, por água...

    Talvez esta reflexão não seja muito proveitosa, mas...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  13. Olá Ana

    Obrigada por ter divulgado esse vídeo da reportagem na RTP no seu blogue, onde o fui buscar.
    Infelizmente a água potável é cada vez mais um bem escasso, e espero que as pessoas do mundo ocidental vão percebendo isso antes de lhe doer.
    Lá vamos insistindo, mas como disse, é muito difícil mudar os hábitos...
    Um abraço e obrigada.

    ResponderEliminar
  14. Olá Jeune Dame

    De facto, os números de mortes e doenças, devidos à falta de água nesse mundo são chocantes.
    Nós cá tomamos banho em água potável, enquanto em tantos lugares de África, essa água de um banho preveniria a morte de muitas pessoas.
    Está muito mal esse mundo, mas as perspectivas não são boas, pois os lugares atacados pelas secas são cada vez mais. E não esqueçamos que as intempéries violentas, tufões, furacões, também acabam por diminuir a quantidade de água potável.
    No ano passado foi lançada em Portugal a Earth Water, água em tetrapack, cujos lucros revertem para o abastecimento de água potável nos países em desenvolvimento, através do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Mas eu ainda não a encontrei à venda!
    De qualquer modo, não me parece que chegue.
    Claro que o seu comentário faz todo o sentido.
    Obrigada e um abraço.

    ResponderEliminar
  15. Amiga Manuela,

    Obrigada por este magnífico post que alerta para muitas formas de economizar o consumo de água.
    Muitas delas, quase todas são praticáveis por todos nós e nada difíceis de entrarem nos nossos hábitos diários.

    Parabéns.
    Beijo

    ResponderEliminar
  16. Olá amiga Fernanda

    Eu é que agradeço a visita. Estas são talvez as maneiras mais fáceis de se poupar água, mas haverá muitas mais. Era óptimo que uma grande maioria as praticasse. Infelizmente, as pessoas menos sensibilizadas para isso não frequentam este ou outros blogues dedicados à sustentabilidade e ao ambiente.
    Mas creio que a mensagem lhes chegará, mais cedo ou mais tarde.
    Por isso, achei óptimo que o "Praça da Alegria" tenha transmitido esta reportagem, pois chega a muita gente. Espero que insistam.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  17. Amiga Manuela,

    Vim só confirmar que o post é seu.
    Desta vez não meti o pé na poça.

    Beijo

    ResponderEliminar
  18. Amiga Fernanda
    Se não fosse, também não haveria problema. Ali o amigo Ferreira-Pinto é que é um brincalhão, não perde uma oportunidade para dar alguma animação aqui à malta.
    Beijos

    ResponderEliminar
  19. Estou te preseteando com mais um selo: "Blogueiros unidos em prol de um mundo melhor"
    Passe lá no blog depois, para pega-lo!
    Parabéns pelo seu blog!

    abraços,
    Vitor Garcia - Blog Por Um Mundo Melhor

    ResponderEliminar
  20. Caríssima manuela araújo, uma mão cheia de excelentes conselhos que, curiosamente, muitos afirmam conhecer mas insistem em não particar.
    Temo bem que, numa primeira fase, a educação das massas possa ser feita à custa do "bolso", isto é, haver a tendência para aumentar as taxas e tarifas a praticar sobre esse em precioso; numa segunda fase, porventura quando já seja tarde nalguns locais, será a simples falta dela que nos irá ensinar.

    Recordo-me de num daqueles fabulosos programas do Vasco Granja ter visto um filme em que era comemorada a queda da última gota de água nas cataratas do Niagara. Celebrações, gritos e eis quando senão alguém diz "tenho sede!".

    Sobre a história de ter assinalado a troca de identidade, bem sabes manuela araújo que nem aquilo era assim tão a sério nem eu sou pessoa assim tão susceptível. Por isso, caríssima Fernanda, deixe lá, passe à frente!

    ResponderEliminar
  21. QUINN
    Aumentar as taxas não é preciso, pois pelo que vejo o povo está a ficar muito pobre, pensando eu que tendencialmente, passará a ser uma grande maioria de pobres. Até mesmo aqueles que estavam habituados a gastar á" tripa forra", se irão ver obrigados a poupar em tudo... tudo mesmo, fora uma pequena maioria de ricos, não dará para viver, como se vivia até agora.

    ResponderEliminar
  22. Vítor

    Muito obrigada pelo prémio, passo logo pelo "Por um Mundo Melhor" para "ir buscar" e agradecer.
    Um grande abraço e parabéns a você também pelo seu blogue.

    ResponderEliminar
  23. Ferreira-Pinto

    Bem gostaria que não tivesses razão. Veremos.
    Quanto ao filme da última gota no Niagara, não o vi, mas por falar em Vasco Granja, vai ser homenageado no Cinanima, que me parece que começa hoje lá pela tua terra natal, em Espinho.

    Fada
    O pior é que a maioria das pessoas ainda não se apercebeu do verdadeiro valor da água potável...

    ResponderEliminar
  24. Oi Amiga,

    muito boa sua postagem, e de extrema necessidade, já que a maioria das pessoas não deram conta do problema!!!
    Parabéns,
    bj

    ResponderEliminar
  25. Olá Érica
    É preciso ir lembrando. Acho que já muita gente sabe, mas ainda não sentiu!
    Obrigada. Beijos

    ResponderEliminar
  26. Eia pá! o que tu foste desenterrar... Esse vídeo já foi há milénios! nem sabia que andava pelo youtube. Há bocado estava no Porto Canal também a falar da água e da falta dela. beijo, até amanhã ou Sábado ;)

    ResponderEliminar
  27. Olá Ricardo!

    Pois nem sabia que estavas neste "post" de Novembro de 2009, acho que nessa altura ainda não te conhecia!

    "Desencanteia-a" porque as estatísticas do "Blogger" disseram-me que foi vista recentemente 77 vezes :)

    Até sábado, pois amanhã não posso ir ver o "Agricultor Rebelde" ao Porto :( Mas se é o filme que passou na Maia, quando cá esteve o Sepp Holzer, então já vi!

    Abraço :)

    ResponderEliminar
  28. Oi Manuela,

    Eu li hoje uma estatística assustadora. 60% das cidades da Europa com mais de 100 mil habitantes usa mais água subterrânea do que a capacidade de reabastecimento. Se continuar assim, um dia a água acaba.

    http://www.unwater.org/statistics_use.html

    ResponderEliminar
  29. Olá Manuela,

    A situação da água no mundo é extremamente grave. Os grandes produtores de grãos como EUA, índia e China estão usando a água de seus aquíferos até a exaustão. O Norte da África também está indo no mesmo caminho. Quando essa água acabar, não haverá nem água e nem comida. E esse cenário não está muito longe de acontecer.

    http://rcesar.net/2012/03/peak-water/

    ResponderEliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.