domingo, 1 de março de 2015

A mentira que vivemos

«A vida não é um filme. O roteiro não está escrito. Nós somos os escritores. Esta é a tua história, a história deles, a nossa história.» Spencer Cathcart, do filme:



"Eu não posso ensinar nada a ninguém, eu só posso fazê-lo pensar." Sócrates

Imagem  obtida em Filosofia Hoje
"Quando a última árvore for cortada, quando o último rio for poluído, quando o último peixe for pescado, aí sim, eles verão que dinheiro não se come." Indígena Sioux

"A primeira ideia que uma criança precisa ter é a da diferença entre o bem e o mal. E a principal função do educador é cuidar para que ela não confunda o bem com a passividade e o mal com a atividade."   Maria Montessori

"Tudo que o homem não conhece não existe para ele. Por isso o mundo tem, para cada um, o tamanho que abrange o seu conhecimento." Carlos Bernardo González Pecotche

"Um povo ignorante é um instrumento cego da sua própria destruição."  Simón Bolivar

"Algo só é impossível até que alguém duvide e prove o contrário." Albert Einstein

(Nota: o vídeo tem legendas em várias línguas, inclusive em português)

9 comentários:

  1. Tantas verdades juntas, mana querida.

    Especialmente a frase: "Tudo que o homem não conhece não existe para ele. Por isso o mundo tem, para cada um, o tamanho que abrange o seu conhecimento."

    Estamos numa sociedade de descrentes e não é isso que o Universo espera de nós. Para completar vou deixar um dito de Angaangaq, um ancião e Xamã da raça esquimó (Inuit), disse uma vez: “Somente quando conseguirmos derreter o gelo no coração do homem, vai ser possível uma transformação, uma mudança que nos permitirá atender ao derretimento do Big Ice (as geleiras que cobrem a Groenlândia), e para lidar com a resultado das mudanças climáticas”. Já agora está aqui um vídeo muito interessante de Gregg Braden:

    http://marecinza.blogspot.pt/2015/02/o-velho-homem-esta-morto.html

    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá mana Fada

      Pois é, tudo está interligado,somos feitos da mesma matéria que as estrelas. Espreitei esse vídeo de Gregg Braden, e de facto o que ele conclui, mencionando cientistas, é o mesmo que conclui o realizador Tom Shadyac na sua jornada para fazer o documentário "I AM". Gostei das teorias da força magnética do coração, e da matriz energética em que tudo ocorre.
      Tudo leva a crer que o melhor que podemos fazer é aquilo que nos faz emanar energia positiva. Para nós, para os outros e para o universo, seja ele de que tamanho for.

      Eliminar
  2. O vídeo devia ser passado na escola, no emprego, e até nos intervalos e momentos de pausa.
    Contudo, enferma de um erro, a causa não somos esse atroz "nós", mas somos nós quem o suporta. E não é a mesma coisa...

    Quanto a Montessori, ela foi quem me embalou o berço onde ainda hoje cresço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas Rogério!

      Preciso que aprofundes o motivo porque pensas que "... a causa não somos esse atroz "nós",..."!

      Isto, se estiveres para aí virado ;-)

      Abr
      voza0db

      Eliminar
    2. Olá Rogério

      Concordo que é um bom vídeo! Claro que se as coisas estão más no mundo, são por causa da nossa espécie, disso não duvido, tal como o Voz. Mas, infelizmente, por causa de poucos sofrem muitos, isso também é certo.

      Obrigada pela vista e boa semana

      Eliminar
  3. Somente aquele que interioriza um jardim, uma paisagem rugosa, é capaz de externalizar a consciência de uma natureza bela, exótica e comestível em seu habitat. As paisagens estão se tornando artificiais causando a cegueira no ser que mais precisa enxergar neste Planeta.

    Muito bom. Estou compartilhando.

    Atento!
    Abraços
    Oliver Blanco - @extensionista

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Oliver Blanco, bem vindo.

      Bem dito! Tem razão, é impressionante o bem que me faz lidar com a terra e as plantas e aprender com outros seres vivos.

      Boa semana e obrigada

      Eliminar
  4. Olá Manuela!

    "Without the appreciation of beauty and without the sensitive awareness of it, there is no love. This sensitive awareness of nature, of the river, of the sky, of the people, of the filthy road, is affection. The essence of affection is sensitivity. But most people are afraid of being sensitive; to them to be sensitive is to get hurt and so they harden themselves and so preserve their sorrow. Or they escape into every form of entertainment, the church, the temple, gossip and cinema and social reform. But being sensitive is not personal and when it is, it leads to misery. To break through this personal reaction is to love, and love is for the one and the many; it is not restricted to the one or to the many. To be sensitive, all the senses must be fully alive, active, and fear of being a slave to the senses is merely the avoidance of a natural fact. The awareness of the fact does not lead to slavery; it is the fear of the fact that leads to bondage." JK

    Bjhs e Abr
    VOZ a 0 db

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Voz

      Obrigada pelo texto de Krishnamurti, gostei.

      "Good works are not a substitute for love, and without love all activity leads to sorrow, noble or ignoble. The essence of affection is sensitivity and without it all worship is an escape from reality. "

      Boa semana :)

      Eliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.