sexta-feira, 17 de Setembro de 2010

Lâmpadas economizadoras - campanha de troca e cuidados a ter

A EDP, em parceria com a Sonae, está a promover uma campanha de troca de lâmpadas incandescentes por lâmpadas de baixo consumo. Por cada lâmpada incandescente, a EDP dá duas eficientes. A campanha decorre até 4 de Outubro nos supermercados e hipermercados Modelo e Continente e nas lojas da EDP. De acordo com a EDP, as lâmpadas economizadoras gastam s cinco vezes menos do que as lâmpadas incandescentes e duram, em média oito vezes mais.  (Fontes: Expresso, EDP)

É urgente baixar os consumos energéticos, pois uma grande parte da electricidade que consumimos vem, infelizmente, de centrais térmicas com elevados níveis de emissões de gases com efeito de estufa, e trocar lâmpadas incandescentes por economizadoras, é uma forma de reduzir os consumos de electricidade. 

No entanto, há que estar atento: as lâmpadas economizadoras em causa, fluorescentes, contém pequenas quantidades de vapor de mercúrio, um metal tóxico. No caso de partirem, são perigosas e devem ser tratadas com muito cuidado (ver aqui o vídeo com os cuidados a ter). 

São estes os conselhos da Agência do Ambiente Britânica (através da BBC) para o caso de uma lâmpada fluorescente partir:
  • abra a janela e abandone o local pelo menos 15 minutos
  • não use o aspirador, mas uma vassoura, com cuidado para não inalar as poeiras
  • use luvas de borracha
  • deite os restos num saco de plástico e feche-o bem
  • leve a um local próprio para a sua deposição: informe-se na sua autarquia onde. NÃO as deite no lixo comum.
Pela mesma razão, as lâmpadas que já não funcionam não devem ser deitadas ao lixo comum, mas levadas para um local próprio, para reciclagem

No Município de Vila Nova de Famalicão, a gestão deste tipo de resíduos cabe à AMAVE (Associação de Municípios do Vale do Ave), através do SIRVA (Sistema Intermunicipal de Resíduos do Vale do Ave).  As lâmpadas fluorescentes, de baixo consumo ou não, devem ser depositadas, no fim de vida, no Ecocentro de Esmeriz.

Na sequência de um comentário de Voz a 0db, que agradeço, acrescento ao post o site da Amd3E que indica os locais de deposição de lâmpadas fluorescentes: aqui.

8 comentários:

  1. Olá...
    para si não é novidade, mas para outros é... a minha msg sobre este tema... fica aqui o meu curto contributo... o Tempo ainda não dá para mais!

    ResponderEliminar
  2. Olá Voz

    Obrigada pelo seu muito útil contributo. Já não me lembrava que tinha falado sobre isso no Tempo (o meu "disco rígido" cerebral tem poucos gigas... e é lento). Se me permite, vou aditar ao "post" o link que indicou no seu, da Amb3E, para facilitar.
    Olhe que andei no site da AMB3E e não encontrei a página ... também, ando sempre a "correr", não admira!
    Obrigada, mais uma vez!

    ResponderEliminar
  3. Olá Manuela,

    Agradeço o alerta, penso que à grande maioria de nós.
    Sabia, isso sim, que o mercúrio é um metal tóxico, só que não sabia da sua existência nessas lâmpadas.
    Beijinho e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  4. Cara Manuela é com um certo desgosto que vejo aqui neste teu blog uma "publicidade" às lâmpadas économicas!...Passo a explicar: Estas lampadas emitem raios ultravioleta.
    A "radiação ultravioleta, a cintilação dos campos electromagnéticos e a luz azul" que emitem constituem risco de agravamento de doenças ligadas à fotossensibilidade, segundo a coordenadora da Eco-casa (na Visão de 5 de Novembro de 2009 - especial edição verde), facto este reiterado pela eco.EDP, que à pergunta "podem as lâmpadas economizadoras provocarem cancro?" diz que "este risco só se aplica a um grupo restrito de pessoas. (...) A agência de Protecção de Saúde do Reino Unido (HPA) realizou um estudo que revelou que uma LFC emite radiação ultra-violeta (UV) que pode ser prejudicial, apenas se ficarmos junto de uma LFC com uma distância de 2 centímetros ou menos, durante 2 horas, todos os dias"...

    Deixo aqui varios links:
    - o primeiro de uma jornalista cientifica francesa, que nos faz a demonstraçao em video da diferença de intensidade do campo magnético de uma lampada incadescente e économica (vejam a diferença pelos vossos proprios olhos): http://www.youtube.com/watch?v=npZeKqSnfZc
    -um blog português que fala do assunto: http://octopedia.blogspot.com/2009/05/lampadas-de-baixo-consumo-uma-ideia.html
    -E por ultimo aquela que acho ser a verdadeira soluçao, mesmo se ainda lhe faltam 5 a 10 anos para se aperfeiçoar, a tecnologia LED:
    http://en.wikipedia.org/wiki/Light-emitting_diode

    Bem hajam e ja agora parabens Manuela

    Abraços Ze

    ResponderEliminar


  5. Obrigada pelos parabéns e pela informação, vou averiguar. No meu caso, os meus olhos desenvolveram uma intolerância a lâmpadas fluorescentes de tal modo que não as aguento. Para casa, continuo procurando as LED's para substituir o halogéneo, mas para já só encontrei de 0,8 W, muito fraquinhas em intensidade e demasiado brancas na cor.

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Teresa

    Obrigada pela visita. Pelos vistos, ainda há mais problemas com as lâmpadas fluorescentes, mas como disse ao Zé, vou averiguar melhor.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.