terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Petição pelos carvalhais de Portugal

Bosque com carvalhos em Fafe, nov/2016
«As “árvores bombeiras”, como já são conhecidas, ocupam menos de 2% da área florestal e cerca de 0,7% da área total de Portugal. Sobrevivem apenas em alguns últimos redutos dispersos.»


este é o lead do artigo de Carlos Dias, no jornal Público, de 20 de Outubro de 2016, intitulado:

"Carvalhais estão a desaparecer e Quercus reclama legislação que os proteja", 

É triste constatar esta realidade. Vivo no baixo Minho, onde ainda se vêem alguns carvalhais, pequenos e dispersos, mas os eucaliptos dominam por completo a paisagem "florestal" (entre aspas porque monocultura não é floresta). Mas, ainda assim, passei uns dias na região centro, e  fiquei chocada: as serras e encostas que ladeiam o Mondego absolutamente revestidas a eucaliptais, e as  margens dominadas pelas mimosas... dos autóctones bosques ripícolas e dos carvalhais de outrora, restam pequenos terrenos cuidados por alguém que os protege dos interesses económicos e das invasoras.

eucaliptais e mimosas junto ao Mondego, nov/2016
É muito triste (e preocupante) verificar a perda de biodiversidade que está a ocorrer no nosso país. Por um lado a "economia" do eucalipto, por outro lado o domínio das invasoras.

Por isso, dêem o vosso apoio a esta petição lançada pela Quercus, a ver se se consegue começar a proteger essa riqueza que são os carvalhais e toda a biodiversidade associada.

Petição:
Criação de Legislação para proteção dos Carvalhais em Portugal

«A Quercus considera que é urgente a criação de legislação que proteja de forma eficaz os últimos exemplares e bosquetes destas espécies de Carvalhos autóctones. Estas espécies da flora autóctone portuguesa estão perfeitamente adaptadas ao nosso clima e às características dos nossos solos representando uma mais‐valia ambiental. Oferecem uma melhor qualidade do ar, preservação dos solos, recarga de aquíferos, estabilidade do clima, e na defesa da floresta contra os incêndios pela reconhecida resistência ao fogo e capacidade de regeneração.
A proteção destes Carvalhais irá refletir‐se ao nível da conservação da natureza, em particular pela capacidade de promover a diversidade da vegetação e fauna, estabelecendo um património natural e ambiental, que são a fonte de diferentes formas de vida essenciais e inteiramente imprescindível da riqueza do nosso país.
...
A Quercus apela a toda a comunidade para abraçar a causa da proteção dos Carvalhos e dos Carvalhais em Portugal para que se possa criar legislação que conduza à sua proteção efetiva e, que inclua a proibição do corte destas árvores sem licença expressa das autoridades competentes para o efeito, à semelhança do que já acontece para o sobreiro e para a azinheira.»

Fonte,  texto completo e assinar a petição em: http://tinyurl.com/jdeatt9

2 comentários:

  1. Leis... Leis... Leis... Leis... e... mais Leis!

    Está à vista que têm feito uma ENORME DIFERENÇA!

    voza0db

    ResponderEliminar
  2. No concelho de meus avós maternos,Vila pouca de Aguiar, havia até à 45anos Carvalhais magníficos q cobriam as faldas das Serras do mezio , do Alvao e envolviam as pastagens onde havia so gado marones. A partir da introdução de gado caprino e sobretudo ovino em quantidade superior à área disponível para eles e com autorização de construção sem regras foi o caos. Nas aldeias havia as"vezeiras"ou rebanho comunitário e esse tinha locais próprios para pastarem em alternância . Não havia exagero e o bem era comum. Depois foi o caos e a tristeza actual. Mas pode reverter-se.

    ResponderEliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.