domingo, 7 de novembro de 2010

Casas em palha

Imagem de http://ecohomeresource.com/
Em termos construtivos, não há qualquer dúvida de que o século XX foi o século do betão, que alavancou a arquitectura  modernista e a pós-modernista. Mas estamos no século XXI, e o betão já provou ser um material pouco amigo do ambiente e de elevada pegada ecológica. A par do fim da construção desenfreada que se verificou nas últimas décadas, começam a reaparecer técnicas construtivas simultâneamente ancestrais e inovadoras, como construções em terra (taipa ou adobe) e mesmo em fardos de palha.

Na 2ª sessão, dedicada a  Materiais, nas Jornadas de Arquitectura Sustentável promovidas pela Quercus, o Arq. Vítor Varão apresentou técnicas construtivas com estes materiais. Como conhecia o uso da taipa e do adobe, a construção em fardos de palha foi uma agradável surpresa, pois as características destas construções são muito melhores do que poderia supor.

Começam pelo baixo custo e sustentabilidade do material de construção, pois além de a palha ser barata e de ser um material residual na produção de cereais, as casa em palha são passíveis de auto-construção, desde que com alguma investigação e ajuda de quem já tem prática.
As propriedades térmicas e acústicas são excelentes, não há necessidade de qualquer material de isolamento extra.
Desde que bem executada, a resistência ao fogo é superior à das construções em betão (surpresa!).
A durabilidade é também uma vantagem, desde que o revestimento (em argila ou cal) seja bem executado. Existem casas de palha com 70 anos, duração que é a previsível como esperança de vida das construções em betão.
A estrutura destas construções pode ser autoportante (os próprios fardos de palha suportam a cobertura) ou podem ser usadas estruturas em madeira ou outros materiais. 

 E não é só para pequenas casas que a palha é adequada: vejam o exemplo de um hotel de luxo na África do Sul, construído em palha - Didimala Game Lodge (imagem ao lado esquerdo).

Vejam também a reportagem da euronews "Rendidos às casas de palha".

Mais informações e vídeos sobre construção em fardos na rede ning criada por Christopher Ripley - Global Strawbale Community, no seu blogue Straw Bale House at Quinta dos Melro ou na página StrawBale.com

Parece que a história dos 3 porquinhos foi mal contada, vamos ter de a reformular!

17 comentários:

  1. Fantástico !
    Estou com o queixo no chão !
    Desconhecia de todo este tipo de construção.
    Que coisa magnífica.

    ResponderEliminar
  2. Na minha área de trabalho os materiais usados na construção são tema recorrente. E a realidade é que estudos mais recentes têm vindo a referir que o betão, para lá da questão ecológica que é fundamental, como refere, não é tão resistente como se supunha (aliás a sua utilização faz-se, em termos históricos, há muito pouco tempo). Os materiais tradicionais são, de longe, pelo menos em reabilitação, os que melhor comportamento apresentam.

    ResponderEliminar
  3. Maravilhosa! Em tempos de mudanças climáticas acho que estas são "as casas"!
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Eduardo: só pelo seu comentário, já valeu a pena o "post" :)

    ResponderEliminar
  5. Pedro: eu também quero... se um dia mudar para uma casa, há-de ser para uma em palha :)

    ResponderEliminar
  6. Analima: sem dúvida que os materiais naturais são os mais sustentáveis, desde que não se use materiais exóticos ou importados do outro lado do mundo.

    Os antigos sabiam construir sustentavelmente, no entanto, o sec. XX fez perder esse saber, que agora se recupera aliado à ciência.

    ResponderEliminar
  7. Ótimo post, realmente o que é preciso é divulgar os diversos materiais de construção (que são uma infinidade deles) alternativos ao monopólio do betão.
    A última construção que fiz na minha casa, foi toda em madeira local (criptoméria) altamente resistente a climas húmidos como o dos Açores e que é efectivamente replantada continuamente (é de crescimento rápido). Como tenho terra, plantei uma quantidade destas árvores de maneira a repor o meu "roubo" ao ambiente. E continuarei a plantar mais algumas.
    Claro que em cidades é mais difícil, mas de qq maneira, se se tiver em pensamento a sustentabilidade, com certeza que o impacto de tudo seria bastante menor.
    Haja pensamentos "sutentáveis" a todo o nível!
    Viva a Vida

    ResponderEliminar
  8. Sim senhor. Fiquei fascinado com este tipo de construção e estou sériamente a pensar no assunto para a minha futura casa.

    Fantástico.

    ResponderEliminar
  9. Recebi hoje este comentário, precisamente do arquitecto que falou na conferência sobre as Casas em Palha:

    "Tentei colocar esta mensagem no blog mas fica para si se a quiser publicar pode


    Como é bom ver as pessoas apreensivas sobre os velhos ou melhor novos e eficientes materiais.
    Este é o meu contributo e espero que estas informações passem muito e por muitas pessoas para que possamos melhorar o planeta que habitamos.
    A necessidade de divulgação é importante, não fiquem passivos.

    Tive pena pois efectuei aí em Famalicão a comunicação sobre
    arquitectura Sustentável onde falei da construção de casas de palha, se tivesse conhecimento poderia tê-la convidado mas não faltarão oportunidades.
    Sou também docente aí na Universidade Lusíada de Famalicão pois se algum dia quiser falar sobre o tema contacte.

    Atenciosamente

    Vitor Varão"

    ResponderEliminar
  10. Boa noite! bom saber que já se fazem ou pretendem fazer algumas destas casas em Portugal. Vinha saber se já existe alguma e por que processos de licenciamentos passou. É dificil a aprovação na camara municipal? os projectos de arquitetura e especialidades podem ser feitos por qualquer arquiteto e engenheiro?
    Sem duvida um metodo bastante interessante.
    Obrigado pela atenção e parabens pelo blog!

    ResponderEliminar
  11. SSS

    Não deve haver muitos casos em Portugal,mas suponho que há alguns.

    Poderá obter mais informações através do Christopher e da Vera Ripley, da Quinta dos Melros nos blogues http://strawbalehouseportugal.blogspot.com/ e http://www.quintadosmelros.org/ ou no grupo de Bioconstrução dentro da Rede Transição e Permacultura Portugal (http://permaculturaportugal.ning.com/group/bioconstruo).

    Quanto ao licenciamento nas Câmaras Municipais, o procedimento é idêntico ao de uma construção comum (os mesmos projectos, as mesmas peças); em relação às habilitações dos técnicos, a mesma coisa, desde que, claro, percebam do assunto, e possam, assim, assumir a responsabilidade.

    Obrigada pela visita e pelo comentário :)

    ResponderEliminar
  12. curso para aprender a construir casas de palha setembro perto do vimeiro. para mais informações 912929479

    ResponderEliminar
  13. Branwen, obrigada, é uma boa notícia.
    Não quer deixar mais alguma informação aqui?

    ResponderEliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.