sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Precisamos de mudar as histórias!

«As pessoas estão à procura de algo autêntico, genuíno, verdadeiro, honesto; são essas qualidades que faltam na velha história»
Satish Kumar

Imagem daqui
Satish Kumar fala sobre uma nova história para a humanidade, em termos de espiritualidade, consciência, natureza, educação, política, negócios e economia.

Este pequeno vídeo (abaixo) foi extraído de uma entrevista que ocorreu na Escócia, em outubro 2014,  na Findhorn's New Story Summit, que pode (e merece) ser vista completa aqui (Satish Kumar foi entrevistado por Rob Garrity e filmado por Rhonda Fabian).



«Se queremos fazer algo sobre a situação do mundo, cada um de nós precisa de olhar para dentro, pois só quando alterarmos a nossa consciência para uma consciência de amor, confiança e do sentido de que tudo está inteligado, é que a consciência do mundo mudará.»

Fonte: vídeo da  Finhorn Foundation

"Muda, que quando a gente muda, o mundo muda também",   Gabriel o Pensador

 Feliz Ano Novo 


A New Story for Humanity Official Trailer 1 from Findhorn Foundation on Vimeo.

"

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

AMANHÃ: hoje na RTP1 (a não perder)

Hoje, dia 26/12/2016, às 21h45 na RTP1, não perca o documentário AMANHà("Demain", 2015, França), um filme que nos mostra a Transição para um futuro possível.

São apresentadas muitas iniciativas pelo mundo fora, que, aos poucos, estão a fazer a transição de locais e comunidades para a sustentabilidade e resiliência. Com uma bela banda sonora, o filme conta histórias  reais de transformações nas áreas da Agricultura, Energia, Economia, Democracia e Educação (mais aqui e aqui)

A NÃO PERDER!



sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O poder da cultura... e do amor

Porque que os seres humanos são o produto da cultura em que estão inseridos desde que nasceram... Sim, a genética e o pensamento independente também estão lá no íntimo...  Mas a cultura abafa-os (quase) totalmente... É preciso libertarmo-nos do ódio e do medo...

Abaixo, um vídeo para pensar, com os votos de um feliz Natal

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Pedagogia Waldorf - Aprender fazendo

"A nossa mais elevada tarefa deve ser a de formar seres humanos livres que sejam capazes de, por si mesmos, encontrar propósito e direção para suas vidas.  A necessidade da imaginação, o sentido da verdade e o sentimento da responsabilidade - estas três forças são o cerne da educação. "


APRENDER experimentando, falhando, fazendo

Imagem obtida aqui
«A Pedagogia Waldorf é baseada nos princípios da Antroposofia de Rudolf Steiner. 

Steiner fundou a primeira escola em 1919, Estugarda, Alemanha, para educar os filhos dos trabalhadores da fábrica de cigarros Waldorf Astoria (daí o nome!).

Todas as crianças, independentemente do seu estatuto social ou talento, recebiam a mesma instrução, o que fez da escola uma pioneira em justiça social na educação.

O objetivo da Pedagogia Waldorf é desenvolver indivíduos livres mas moralmente responsáveis, dotados de elevada competência social e capacidades criativas. Conhecimento dos factos, trabalhos de casa e testes tem menos importância. Narração de histórias e experimentação são os principais métodos de instrução.

Imagem obtida aqui
Ao longo dos 12 anos do curriculo, os alunos aprendem matemática, literatura, história e ciências, assim como uma grande variedade de artes e habilidades manuais. Os estudantes do ensino básico pintam, tricotam, tecem, e esculpem em cera, os mais velhos fazem padrões, livros, cerâmica e escultura em pedra. Todos aprendem música. Começam pela flauta, depois uns tocam instrumentos de corda, outros juntam-se ao coro.

Os estudantes brincam com jogos não competitivos e aprendem a dançar euritmia. Fazem agricultura biológica e aprendem duas línguas estrangeiras que, nos primeiros anos, são ensinadas através de canções, histórias e conversação. No 8º e 12º ano, toda a turma desenvolve uma peça clássica, que apresentam para a família e amigos.

A Pedagogia Waldorf utiliza a mesma abordagem para quase todos os principais temas académicos. Em vez de programas repetitivos, um tema específico, como História, Matemática, Ciência ou mesmo Jardinagem, dominam as primeiras 2 horas da manhã num período de 4 a 6 semanas. Depois disso, um novo tema será o foco principal.

Steiner também inventou uma abordagem experimental para as ciências em que os estudantes observam e mais tarde descrevem os conceitos científicos pelas suas próprias palavras e desenhos em vez de os aprenderem primeiro no manual escolar.

Imagem obtida aqui
As escolas Waldorf consideram os computadores úteis apenas a partir da adolescência, depois de dominarem as formas tradicionais fundamentais de descobrir a informação e aprender.

No espírito de desenvolvimento pessoal e empatia, competições e classificações são evitadas. Em vez, disso, os professores valorizam o desenvolvimento individual e o carácter. Os testes e classificações são apenas introduzidos lentamente aos estudantes mais velhos
quando se preparam para os exames de acesso à universidade.

Hoje, há mais de mil escolas Waldorf em 60 países, tornando-a um dos maiores movimentos educativos independentes. Waldorf é uma teoria educativa reconhecida na Europa e suas escolas têm recebido financiamentos dos Estados. A lista de pais "Waldorf" famosos, inclui Clint Eastwood, Lenny Kravitz, a família Forbes, e muitas famílias do setor tecnológico de Silicon Valey. Apesar da visão crítica de Steiner em relação à tecnologia e aos meios de comunicação de massas.

Imagem obtida aqui
Steve Jobs, uma vez disse a um jornalista que lhe perguntou se os seus filhos gostaram do novo iPad "mas eles não o experimentaram, nós em casa limitamos o uso da tecnologia pelas crianças".

O aclamado psiquiatra William Glasser disse que aprendemos 10% do que lemos, 20% do que ouvimos, 30% do que vemos, mas 80% do que experimentamos!

Apesar da abordagem pouco tecnológica da Pedagogia Waldorf, o método de aprendizagem experimental da educação Waldorf é excepcionalmente contemporâneo.  O que acha? Por favor partilhe a sua opinião nos comentários abaixo.»

Fonte: tradução do texto do vídeo (https://youtu.be/BkrgkslnD9g)

domingo, 18 de dezembro de 2016

Come-se carne demais!

Insistimos que é urgente e importante que as pessoas entendam que se come carne e proteína de origem animal demais. Em Portugal, e em muitos outros países, sobretudo da Europa, América e Oceania.  Os efeitos deste excesso são nefastos, não só para a saúde, mas também para o ambiente, já para não falar no bem-estar animal, como várias vezes aqui se falou. Procurem saber, não vale enfiar a cabeça na areia!

Imagem daqui
A maior longevidade de vegetarianos e sobretudo de veganos, prova que não é necessário comer carne, peixe e alimentos de origem animal, desde que o regime alimentar seja equilibrado.
Além disso, nada impede uma pessoa omnívora de fazer uma maioria de refeições vegetarianas. 

Sobre o assunto, transcrevo o artigo publicado hoje em vários meios de comunicação social, referindo um estudo comparativo efetuado pela ZERO -  Associação Sistema Terrestre Sustentável:




Os portugueses consomem 4,4 vezes mais carne, ovos e pescado que o necessário, o que prejudica a saúde, o ambiente e o orçamento familiar, alertaram hoje os ambientalistas da Zero, defendendo a opção por leguminosas.

Imagem daqui
Verificamos que os portugueses consomem 4,4 vezes acima daquilo que seria necessário deste componente, da carne, ovos e pescado", disse à agência Lusa Susana Fonseca, da Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero.

Num ano, "devíamos consumir à volta de 33 quilogramas do conjunto de carne, ovos e pescado e estamos a consumir muito acima disso, cerca de 178 quilogramas, portanto 145 quilogramas a mais", avançou a especialista, e realçou que, na saúde, "o excesso de proteína causa vários problemas, e não é de todo benéfico em termos ambientais".

No final deste Ano Internacional das Leguminosas, e numa época festiva "que tende a propiciar exageros de alimentação", a Zero analisou as recomendações da Direção Geral de Saúde para o consumo de carne, ovos e pescado e comparou com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre as quantidades destes produtos na alimentação dos portugueses.

"Para produzir uma quilocaloria de carne de vaca, por exemplo, precisamos de 174 quilocalorias", principalmente de alimentos para os animais, "o que é mais do que o necessário quando são consumidos alimentos vegetais e leguminosas", justificou Susana Fonseca.

Também no consumo de carne, o impacto em termos de consumo de água é 100 vezes superior àquele que é necessário para produzir leguminosas, além de implicar mais emissões de metano, um gás com efeito de estufa que agrava as alterações climáticas.

As leguminosas, como feijão, grão, lentilhas, favas ou ervilhas, fazem parte da dieta mediterrânica e da cultura gastronómica portuguesa, são, segundo a Zero, "uma excelente fonte de proteína e podem ser usadas como alternativa a este consumo de proteína animal".

Para o orçamento familiar, "fica mais caro [o uso de proteína animal], sabemos que a componente de proteína é das que acaba por ter mais peso" na despesa com a alimentação, especificou a especialista da Zero.

Assim, "estamos a desperdiçar dinheiro, estamos a consumir proteína que nos está a fazer mal, está a fazer mal ao ambiente e está a retirar-nos recursos financeiros", resumiu. ...»

Fonte e artigo completo em: Noticias ao Minuto.  Também em RR e Correio da Manhã

Ver comunicado da ZERO em: CONSUMO DE CARNE, OVOS E PESCADO É INSUSTENTÁVEL/

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Petição pelos carvalhais de Portugal

Bosque com carvalhos em Fafe, nov/2016
«As “árvores bombeiras”, como já são conhecidas, ocupam menos de 2% da área florestal e cerca de 0,7% da área total de Portugal. Sobrevivem apenas em alguns últimos redutos dispersos.»


este é o lead do artigo de Carlos Dias, no jornal Público, de 20 de Outubro de 2016, intitulado:

"Carvalhais estão a desaparecer e Quercus reclama legislação que os proteja", 

É triste constatar esta realidade. Vivo no baixo Minho, onde ainda se vêem alguns carvalhais, pequenos e dispersos, mas os eucaliptos dominam por completo a paisagem "florestal" (entre aspas porque monocultura não é floresta). Mas, ainda assim, passei uns dias na região centro, e  fiquei chocada: as serras e encostas que ladeiam o Mondego absolutamente revestidas a eucaliptais, e as  margens dominadas pelas mimosas... dos autóctones bosques ripícolas e dos carvalhais de outrora, restam pequenos terrenos cuidados por alguém que os protege dos interesses económicos e das invasoras.

eucaliptais e mimosas junto ao Mondego, nov/2016
É muito triste (e preocupante) verificar a perda de biodiversidade que está a ocorrer no nosso país. Por um lado a "economia" do eucalipto, por outro lado o domínio das invasoras.

Por isso, dêem o vosso apoio a esta petição lançada pela Quercus, a ver se se consegue começar a proteger essa riqueza que são os carvalhais e toda a biodiversidade associada.

Petição:
Criação de Legislação para proteção dos Carvalhais em Portugal

«A Quercus considera que é urgente a criação de legislação que proteja de forma eficaz os últimos exemplares e bosquetes destas espécies de Carvalhos autóctones. Estas espécies da flora autóctone portuguesa estão perfeitamente adaptadas ao nosso clima e às características dos nossos solos representando uma mais‐valia ambiental. Oferecem uma melhor qualidade do ar, preservação dos solos, recarga de aquíferos, estabilidade do clima, e na defesa da floresta contra os incêndios pela reconhecida resistência ao fogo e capacidade de regeneração.
A proteção destes Carvalhais irá refletir‐se ao nível da conservação da natureza, em particular pela capacidade de promover a diversidade da vegetação e fauna, estabelecendo um património natural e ambiental, que são a fonte de diferentes formas de vida essenciais e inteiramente imprescindível da riqueza do nosso país.
...
A Quercus apela a toda a comunidade para abraçar a causa da proteção dos Carvalhos e dos Carvalhais em Portugal para que se possa criar legislação que conduza à sua proteção efetiva e, que inclua a proibição do corte destas árvores sem licença expressa das autoridades competentes para o efeito, à semelhança do que já acontece para o sobreiro e para a azinheira.»

Fonte,  texto completo e assinar a petição em: http://tinyurl.com/jdeatt9

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Apelo à Fundação AEP CONTRA LARGADA DE BALÕES

Para quando legislação que proiba as largadas de balões?

Transcrevo as palavras de Henrique Zamith sobre a largada de balões prevista para dia 12/12/2016 às 18h30

«A Fundação AEP vai largar meio milhão de balões no Porto esta tarde (link: http://www.tsf.pt/sociedade/interior/meio-milhao-de-baloes-pelo-regresso-dos-jovens-emigrantes-5547123.html)

Escrevi este email à Directora Executiva da Fundação Manuela Silva Vieira. Se de alguma forma entenderem que a largada de balões merece a vossa atenção, e que gostariam de contribuir para sensibilizar a Directora da Fundação, escrevam vocês também um email à Sra. Directora.
 manuelavieira@fundacaoaep.pt 

 "Viva Manuela Silva Vieira bom dia!
Tive conhecimento pela TSF que a Fundação lança esta tarde, no Porto, meio milhão de balões. 

Tenho empatia para com todas as questões relacionadas com a criação de condições para o regresso dos emigrantes que o desejem, e que só lá fora encontraram um rendimento que lhes permite viver.
Mas não posso deixar de lhe informar que os balões largados por nós (Homo Sapiens Sapiens) têm um impacto ecológico avassalador, não somos nós os únicos migrantes do planeta. Muitos animais marinhos morrem engolindo os balões. Alguns deles já quase em extinção.

Peço-lhe que suspenda a largada de balões, ou que a torne apenas simbólica, que certamente iria amplificar ainda mais o objetivo que pretendem. Peço-lhe que se informe devidamente do impacto ambiental do que se estão a preparar para fazer, que contribua a Fundação também para mostrar que o “Empresário” português já não é aquele do passado, que faz o que lhe passa pela cabeça sem querer saber das consequências dos seu actos.
Certo que as minhas palavras irão merecer uma reflexão.
Agradecido,
Henrique Zamith
"
»

E já agora, o e-mail que adaptei e enviei também:

«Exma Sra Diretora Executiva da Fundação AEP
D. Manuela Silva Vieira

Boa tarde
Tive hoje  conhecimento a Fundação AEP  lança às 18h30, no Porto, meio milhão de balões.
Independentemente do que motiva essa largada, dificilmente, senão impossível,  a mesma será justificável.

Os balões largados têm um impacto ecológico devastador, para além da poluição terrestre e aquática, muitos, demasiados, animais marinhos e aves, morrem por ingerirem ou por por outras lesões provocadas pelos balões; alguns desses animais, estão mesmo em risco de extinção.

Assim, peço-lhe que se informe devidamente do impacto ambiental dessa ação, e que suspenda a largada de balões, mostrando que a Fundação AEP  se preocupa também com a biodiversidade e o planeta que queremos deixar ás gerações vindouras.

Aproveito para deixar o link para um artigo que publiquei há alguns meses: NÃO LARGUE BALÕES - http://sustentabilidadenaoepalavraeaccao.blogspot.pt/2016/06/nao-largue-baloes.html

"Todos os balões lançados, incluindo os que são comercializado como "latex biodegradável", voltam para a Terra como lixo e poluem os lugares mais remotos e intocados. Os balões podem viajar milhares de quilómetros, chegam às linhas de água e ao mar, matando inúmeros animais."

Esperando que estas palavras cheguem a tempo,
Com os melhores cumprimentos»

domingo, 11 de dezembro de 2016

COP 13 da Biodiversidade (México)

Nestes dias de dezembro 2016, e até ao dia 17, está a decorrer, no México, a Conferência da ONU sobre a Biodiversidade (COP13).



Estando a vida neste planeta na sexta extinção em massa, causada pela nossa espécie, era urgente que alguma coisa de eficaz saísse dessa conferência, já que é enorme o grau de perda de biodiversidade que verificamos atualmente em tantas partes do mundo:
  • as florestas da Indonésia a serem queimadas para plantar óleo de palma,
  • a Amazónia a ser destruída para plantar alimentos para a pecuária,
  • a sobrepesca a levar espécies de peixes e outros animais marinho à extinção,
  • o elevado teor de CO2 que acidifica os oceanos destruindo os corais e os ecossistemas de base que suportam,
  • e por aí fora...



Mas veremos... por agora, vejamos estes  pequenos filmes sobre a importância da BIODIVERSIDADE, lançados pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais do México (SEMARNAT) no âmbito desta conferência.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

As plantas nossas de cada dia!

Depois de um passado quase perdido de sabedoria ancestral sobre as propriedades medicinais das plantas, felizmente há quem cuide de recuperar ou de confirmar esses saberes. É o caso da Fernanda Botelho, autora de vários livros sobre plantas medicinais, dos quais o mais recente fala de 55 plantas espontâneas em Portugal:

Uma Mão Cheia de Plantas que Curam

Sinopse (contra-capa do livro) :
«Este livro não é apenas um guia prático e transpõe também as fronteiras que limitam os manuais técnicos. É verdade que identifica os constituintes químicos, bem como as propriedades e aplicações medicinais de 55 plantas, mas vai mais além, porque as quer retratar a partir de todas as perspetivas e em todos os contextos. Assim, a par de conselhos de cultivo e curiosidades botânicas, são-nos revelados os usos possíveis das várias espécies ao nível da culinária, da cosmética ou da tinturaria.Ao mesmo tempo, descobrimos o seu impacto cultural: as marcas que imprimiram na história dos homens, os mitos e as lendas de que são protagonistas. As imagens a cores, por sua vez, despertam-nos o olhar para as subtilezas presentes numa folha de milefólio em contraluz ou para os pormenores de um botão de esteva prestes a desabrochar. E, página a página, de uma forma quase íntima, aproximamo-nos de 55 plantas aqui unidas por um atributo comum: o facto de crescerem espontaneamente em Portugal.»

Prefácio de Célia Cabral:

«A Fernanda Botelho tem o dom de transmitir os seus conhecimentos sobre plantas medicinais com uma simplicidade ímpar e só quem possui uma compreensão profunda sobre uma determinada temática o consegue fazer da forma brilhante que ela o faz.

Fernanda Botelho, imagem obtida na sua página Facebook
Nesta obra, que contempla 55 espécies, a Fernanda deixa bem patente a sua familiaridade com cada uma delas. Sempre que a oiço falar de plantas, o entusiasmo vê-se-le nos olhos e sente-se nas palavras. Os conhecimentos que detém sobre espécies medicinais devem-se não só a uma formação académica sólida no Reino Unido, mas também a viagens por vários países e a um contacto direto com as plantas, que tem lugar no seu próprio jardim, bem como em diversas ações de divulgação de norte a sul de Portugal.

Neste livro, cada uma das plantas mencionadas é objeto de uma abordagem bastante completa e interessante, que contempla os seguintes itens: nomes comuns, nome científico, família botânica, história, descrição e habitat, constituintes e propriedades, no jardim ou na horta, culinária, cosmética e precauções. Os textos são acompanhados por fotografias representativas de cada espécie, da autoria da Fernanda.

Como investigadora no domínio das plantas medicinais e da validação científica dos seus usos tradicionais, recomendo vivamente a leitura desta obra magnífica, que nos conduz numa viagem fantástica por 55 espécies medicinais espontâneas que podemos encontrar no nosso país

Célia Cabral, doutorada em Biologia pela Universidade de Coimbra

Abaixo, um vídeo em que Fernanda Botelho a falar sobre plantas boas para a "alma". veja também:
Blogue de Fernanda Botelho: MALVA SILVESTRE (http://malvasilvestre.blogspot.pt)
Página Facebook Fernanda Botelho: a escrita das plantas  (https://www.facebook.com/Fernanda-Botelho-a-escrita-das-plantas-609446599103869/)


terça-feira, 29 de novembro de 2016

Poluição Eletromagnética

Imagem de Expresso
Eletrohipersensibilidade, ou hipersensibilidade eletromagnética, é uma doença pouco falada em Portugal, mas que noutros países europeus mais atentos à saúde já vai dando que falar.

Uns são sensíveis e desenvolvem sintomas e doenças facilmente relacionadas com a poluição eletromagnética, outros não sentem, mas, a longo prazo, sofrem as consequências. E por vezes, bem mais graves.

No passado mês de outubro, em Vila Nova de Famalicão, foi exibido o filme "MOBILIZE - Um filme sobre a radiação dos telemóveis", no âmbito das sessões Ambientar-se, em que o convidado para dinamizar o debate (Paulo Vale) nos alertou para uma série de problemas de saúde relacionados com os campos eletromagnéticos em que vivemos mergulhados, numa enorme poluição invisível.



Como explica Paulo Vale , biólogo e eletrohipersensível, no seu blogue ELECTROSSENSIBILIDADE E POLUIÇÃO ELECTROMAGNÉTICA:

«Há cerca de um século que o progresso tecnológico tornou o nosso quotidiano repleto de produtos eléctricos, e posteriormente de produtos electrónicos. Embora tornem a nossa vida mais confortável, a exposição hoje em dia de carácter contínuo aos diversos campos electromagnéticos (CEM) associados ao seu funcionamento não é isento de problemas para a saúde.

Slide de Paulo Vale, apresentação em V.N. Famalicão 21/10/2016
Esta exposição pode facilmente ultrapassar em milhões de vezes a intensidade dos campos naturais, como é o caso da radiação de microondas provenientes das antenas de telemóveis, WiFi, etc, em contraste com a radiação natural emitida pelo Sol. Com a agravante que alguma desta radiação é emitida em pulsos, como no caso das microondas usadas nas telecomunicações digitais actuais.

Este electromagnetismo artificial gera assim um grave fenómeno de poluição – o electro-smog ou poluição electromagnética. Há um século atrás as doenças infecto-contagiosas tinham uma grande relevância. Estas foram gradualmente substituidas pelas doenças da civilização (cancro, diabetes, obesidade, ataques coração, etc). Esta substituição foi paralela com a electrificação da civilização. 

Slide de Paulo Vale, apresentação em V.N. Famalicão 21/10/2016
Actualmente com a exposição continua a microondas das telecomunicações e diversas redes sem fio está-se a assistir a um gradual aumento de diversas formas de cancro, perda da fertilidade masculina, etc. Muitas pessoas pensam que a causalidade destas doenças reside apenas na maior exposição ao cocktail de químicos de síntese que nos rodeiam, e não têm devida precaução na exposição a estas radiações não-ionizantes, estando apenas despertas para o perigo das radiações ionizantes (centrais nucleares por exemplo).

Este banho invisível de electricidade, microondas e outras ondas de rádio em que estamos banhados 24h/24h é imperceptível para a maioria das pessoas, e a mensagem oficial é de que os actuais limites são seguros para a saúde. Mas não é verdade!»

Fonte e muito mais informação de Paulo Vale sobre o tema em: Electrossensibilidade e Poluição Electromagnética

Slide de Paulo Vale, apresentação em V.N. Famalicão 21/10/2016
Eletricidade, microondas, wi-fi, telemóveis, antenas de telecomunicações, tv, todos criam campos eletromagnéticos em maior ou menor grau, que,  como não vemos, não ouvimos, não sentimos, então ignoramos... a não ser que sejamos eletrosensíveis... ou estejamos informados!


«Causas da eletrosensibilidade
A eletrosensibilidade é geralmente atribuída a uma exposição a campos eletromagnéticos. As ondas eletromagnéticas podem ser emitidas por antenas de televisão ou rádio, celulares e eletrodomésticos. A patologia também pode ser causada pelo medo que algumas pessoas têm dos efeitos negativos dos campos eletromagnéticos sobre a saúde.

Sintomas da eletrosensibilidade
Não há uma lista de manifestações específicas da sensibilidade eletromagnética, mas certos sinais são frequentemente observados. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), reações dermatológicas, fadiga excessiva, tonturas, dificuldades de concentração, náusea e palpitações. 
Dores de cabeça e oculares também costumam aparecer nesses casos. Os sintomas são de intensidade e gravidade variáveis de acordo com cada paciente. Em algumas ocasiões, a sensibilidade pode ser particularmente incapacitante no dia a dia do portador. »

Fonte: Sintomas e tratamento da eletrosensibilidade (CCM Saúde, novembro 2016)


A Resolução 1815 (2011) do Conselho da Europa reconhece este problema e recomenda medidas de proteção para os cidadãos. No entanto, 5 aanos já passaram e Portugal nada de legislação sobre o tema.


Se ficou sensibilizado para esta questão, então assine e divulgue a



Ver também:

 MOPPE (Movimento para a Prevenção da Poluição Electromagnética)

Manifesto de apoio a ICE (Iniciativa de Cidadania Europeia)

Artigos:


Empresas  de consultadoria:

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Campos Envenenados

Em 2015, a IARC, Agência  Internacional de Pesquisa sobre o Cancro, integrada na Organização Mundial de Saúde considerou o herbicida glifosato como  provavelmente cancerígeno para humanos.
Imagem obtida aqui

Estudos documentam que há muitas outras doenças associadas a este herbicida como autismo,  doença celíaca, hipotireoidismo, linfoma Não-Hodgkin, esclerose múltipla, obesidade, linfoma Não-Hodgkin, doença de Parkinson, problemas reprodutivos,  problemas nos rins, doenças respiratórias, entre outras...

No entanto, o poder dos lobbies (diga-se, do dinheiro) das poucas mas enorme empresas multinacionais que vendem glifosato (conhecido como Roundup da Monsanto) faz com que, mesmo com tamanhas evidências, ainda não esteja proibido de usar e vender, nem sequer na Europa.

Veja abaixo o documentário "Campos Envenenados - Glifosato, um Risco Subestimado?", que passou na RTP 3  no passado dia 21 de novembro.



terça-feira, 22 de novembro de 2016

CETA CHECK: ajude a lutar contra o CETA

Faça o CETA CHECK

Peça aos membros do Parlamento Europeu para votarem contra o acordo de comércio livre previsto entre a UE e o Canadá (CETA). É preciso pôr fim ao secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública! 

Afinal, é assim que a democracia deve funcionar…


«Escândalo sobre o CETA atinge o Parlamento Europeu
É chocante o que está a acontecer no único órgão europeu eleito
...
O CETA só chega oficialmente ao PE a 21 de Novembro. A partir daí, os MEP têm 6 meses para o analisar, escrever opiniões, debater e votar. Mas um golpe do destino faz com que nada disso aconteça. A maioria do centrão que forma aquilo que chamamos de “grande coligação” no PE, está a conspirar para apressar o CETA… Eles exigem que se vote já em Dezembro, tornando impossível ao PE uma avaliação concreta do tratado.»



Faça o CETA CHECK:  https://www.nao-ao-ttip.pt/ceta-check/


«O que é o CETA CHECK?

A Iniciativa de Cidadania Europeia tornou possível a recolha de mais de 3 milhões de assinaturas contra o TTIP e o CETA em toda a Europa e mais de 23 mil só em Portugal.
Graças ao nosso compromisso constante, o TTIP parece agora mais fraco do que nunca.
No entanto, a Comissão Europeia e os nossos Governos estão a tentar empurrar o CETA (Comprehensive Economic and Trade Agreement), o acordo de comércio e investimento entre a UE e o Canadá, que é tão tóxico como o seu irmão maior, o TTIP.

Vamos certificar-nos que o CETA não possa passar despercebido, vamos trazer este debate à tona, vamos FAZER O CETA CHECK!

Porque nos devemos preocupar com CETA?
O CETA está numa fase muito mais avançada do que o TTIP. As negociações, que foram iniciadas em 2009, foram concluídas com o Canadá em Fevereiro de 2016. O texto do tratado será ainda este ano apresentado aos 28 ministros do Comércio no Conselho da União Europeia e ao Parlamento Europeu.

Desde 2009, a sociedade civil tem vindo a chamar a atenção para a urgência de se tomarem decisões políticas conscientes sobre as consequências da aplicação do CETA a nível do sistema democrático e em áreas estratégicas como os serviços públicos, a saúde pública, a segurança alimentar, a protecção do ambiente, os direitos dos trabalhadores, as pequenas e médias empresas, o controlo financeiro e a privacidade pessoal.»

Saiba mais na fonte, em: https://www.nao-ao-ttip.pt/o-que-e-o-ceta-check/

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Portugal, o lado selvagem

"PORTUGAL the wild side" é mais um dos belíssimos filmes de Daniel Pinheiro sobre a natureza selvagem em Portugal; o Mondego foi o primeiro, que já cá esteve, e que vale a pena rever.


PORTUGAL the wild side from WILDSTEP Productions on Vimeo.


domingo, 13 de novembro de 2016

Atolados em Plástico

Atolados em Plástico é uma reportagem do programa Linha da Frente, que passou no sábado 12 Nov, 2016, na RTP, e que está agora disponível na RTP Play. Esta é a sinopse:

«Foi uma das grandes criações do homem, muito do que fazemos nos nossos dias depende dele.

Imagem obtida aqui
O PLÁSTICO.

Veio facilitar a nossa vida mas é também cada vez mais um problema que ameaça não só os oceanos e a vida marinha como também pode ter riscos para a saúde humana.

Uma garrafa de água demora 450 anos a desaparecer e com o seu uso massivo elas estão em todo o lado...e são uma das maiores fontes de poluição.
Com duas famílias, uma do campo e outra da cidade fomos perceber quanto plástico consumem numa semana e os resultados foram surpreendentes.

A maioria do plástico que utilizamos acaba por ir parar aos aterros.

Imagem daqui
Fomos ainda conhecer algumas das praias com mais lixo de plástico, mais de 90 por cento desses objetos são mais pequenos que a tampa de uma garrafa.


O microplástico é uma praga que poluí o mar, a areia e contamina a fauna marinha.


E as embalagens de plástico que utilizamos todos os dias, são seguras para a nossa saúde?
...
Um trabalho da jornalista Berta de Freitas com imagem de Paulo Lourenço e Mário Piteira e edição de Vanessa Brízido. »

Ver em: ATOLADOS EM PLÁSTICO  (http://www.rtp.pt/play/p2231/e258981/linha-da-frente)

Ler também o artigo "Plástico, esferovite e materiais de pesca. Há de tudo no mar português" na TSF, ou o artigo do Público "Localizados mais de 750 mil objectos a boiar na costa portuguesa", ambos da semana passada, sobre a triste constatação de um estudo do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro sobre a poluição no mar português.


quarta-feira, 9 de novembro de 2016

A sexta extinção em massa



«Os novos dados científicos preveem que o processo de extinção da humanidade já começou, é irreversível, e estará terminado por volta de 2040.»

Imagem obtida em It's Okay To Be Smart
«Nós estamos na sexta extinção em massa. Há 5 eventos de extinção verdadeiramente profundos na história deste planeta antes deste. A 6ª extinção em massa é aquela impulsionada por nós, e está a progredir mais rapidamente do que qualquer uma das anteriores»

«A extinção ocorrerá porque as plantas na terra e o plâncton nos oceanos não conseguem responder atempadamente às mudanças rápidas que estão a ocorrer.»

Guy McPherson, Professor Emérito de Recursos Naturais, Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade do Arizona (fonte: O MODELO COOPERATIVO FAMILIAR)

Já há mais de 4 anos aqui se falou da 6ª extinção em massa...  agora estamos um pouco mais perto!

Vejam o recente (outubro 2016) filme do National Geographic "Before The Flood", com Leonardo DiCaprio (acima).  Se acham preocupante, então vejam a entrevista (2014) ao autor das frases acima nestes vídeos: PARTE1 e PARTE2 

«O maior defeito da espécie humana é a nossa incapacidade de compreender a função exponencial" Albert Bartlett 

Desculpem o pessimismo, mas hoje não dá para outra coisa. Talvez amanhã seja diferente.

domingo, 6 de novembro de 2016

Alimentação: o futuro pela boca!

Pirâmide dupla, BCFN
«A alimentação é um tema que toca a todos e a cada um de nós. Todos comemos e estamos, portanto, dependentes do acesso a alimentos saudáveis e nutritivos. O acesso aos alimentos e a qualidade da alimentação são, por isso, questões-chave do desenvolvimento humano. Uma sociedade não pode ser considerada desenvolvida se estas questões não estiverem, em grande parte, resolvidas. O acesso aos alimentos e a qualidade da alimentação (ou a sua falta) têm, por outro lado, profundas implicações ao nível da saúde pública, do bem-estar das pessoas e do capital humano, afetando, portanto, a própria capacidade de uma sociedade para se desenvolver.

Pirâmide da pegada de carbono, BCFN
A alimentação é, além disso, o principal motivo para atividades produtivas como a agricultura e a pesca, que transformam profundamente os ecossistemas terrestres, aquáticos e marinhos que nos rodeiam. A pegada ecológica e a sustentabilidade do nosso modelo de produção, transformação, transporte, distribuição e consumo de alimentos são, por isso, questões incontornáveis no debate sobre a alimentação. A desigualdade social afeta fortemente o acesso de muitos a uma alimentação de qualidade, quer nos países em desenvolvimento quer nos países ditos desenvolvidos. Esta é, por isso, também uma questão a não excluir de qualquer discussão séria sobre o futuro da alimentação. Uma alimentação com futuro requer, assim, o acesso, por parte de todos, a uma alimentação saudável e ecologicamente sustentável.


O futuro da alimentação humana num mundo em crescimento demográfico, com dietas em rápida mutação, com escassez crescente de recursos cruciais como a água, a energia e o solo fértil, e num contexto de alterações climáticas cada vez mais visíveis, coloca hoje desafios monumentais à ciência e à tecnologia, às políticas públicas nos mais diversos domínios e a todos nós, enquanto cidadãos e consumidores.
...
Fonte: Akatu
O futuro da alimentação passa pelas decisões do consumidor, que, multiplicadas por sete mil milhões, se transformam na força de mudança mais poderosa. As escolhas alimentares dos consumidores serão um dos fatores mais decisivos para a mudança climática e têm impactos sobre o consumo de água e de energia e sobre o uso do solo. São muito diferentes as necessidades de energia, água e terra para a produção, transporte, consumo e armazenamento de diferentes tipos de alimentos, bem como os resíduos produzidos. As escolhas alimentares dos consumidores afetam ainda a saúde pública, o bem-estar das pessoas e a sua capacidade de contribuir para o desenvolvimento da sua sociedade. Deste modo, parece muito claro que modificar os comportamentos e decisões de consumo é questão-chave para assegurar uma alimentação saudável, ambientalmente sustentável e geradora de maior potencial de desenvolvimento.»

Fonte: "O Futuro da Alimentação: Ambiente, Saúde e Economia", Fundação Calouste Gulbenkian; (extraído da introdução do relatório, de José Lima Santos, Isabel do Carmo, Pedro Graça e  Isabel Ribeiro)



Fonte: BCFN
Estou convicta de que o futuro depende mais da alimentação do que de qualquer outra coisa ou atividade que possamos fazer.  As nossas escolhas alimentares interferem profundamente na nossa saúde e na dos nossos descendentes, no ambiente, biodiversidade e alterações climáticas, na economia, soberania alimentar e democracia. Muito mais do que parece à primeira vista.




Fonte: BCFN
Quando escolhemos o que compramos para comer, não estamos apenas a promover a nossa saúde ou a nossa doença, estamos a votar num determinado sistema económico. Ao preferir produtos biológicos, ao optar por produtos locais e da época, ao escolher dietas vegetarianas (ou ao introduzir refeições vegetarianas), ao não comprar produtos processados ou excessivamente embalados, não está apenas a cuidar da sua saúde, está também a cuidar da saúde do planeta.

Dia 16 de outubro foi o Dia Mundial da Alimentação; dia 1 de novembro foi o Dia Mundial do Veganismo; dia 8 de novembro é o Dia Europeu da Alimentação e Cozinha Saudáveis; que o assinalar destas datas permitam contribuir para a informação e reflexão sobre  o assunto.

Para saber mais sobre alimentação saudável, consulte o blogue NUTRIMENTO do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, da Direção-Geral da Saúde, no qual pode consultar muitos manuais sobre alimentação, inclusive os manuais (entre muitos outros):


Disponível também muita informação sobre alimentação no Centro Barilla de Alimentação e Nutrição (Barilla Center for Food and Nutrition Foundation, BCFN): https://www.barillacfn.com/ (em inglês ou italiano).

Livro/ e-book "Eating Planet" referido no vídeo: https://www.barillacfn.com/en/dissemination/eating_planet/ 

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Anti-progresso

Num mundo em que as multinacionais cada vez tem mais poder, e que ainda terão mais se os malditos acordos de comércio livre (TTIP, CETA, TISA, ...) não forem impedidos;

Imagem obtida aqui (landgrabbing)
Multinacionais essas que contribuem para a acumulação de riqueza em cada vez menos pessoas; 

E para destruir por dentro a essência da democracia, ao dominarem os políticos que deviam representar o povo, mas que afinal  as defendem;

Em que o anti-progresso, o processo de enriquecer os ricos e empobrecer os pobres, é chamado de "progresso";


Vejam o emotivo testemunho de Sophy, do Camboja, o desespero de se ver despojada de suas terras e do seu trabalho, e a revolta contra aqueles que enriquecessem à custa da miséria e infelicidade dos outros:


E recordem também o testemunho de Pepe Mujica.

Se ainda não viram o filme HUMAN (2015) de Yann Arthus-Bertrand, não deixem de ver estes 3 filmes essenciais para conhecer mais um pouco da alma humana.

sábado, 22 de outubro de 2016

Ajude a mapear as plantas invasoras - Erva-das-Pampas

Nesta altura que ainda está em flor, ajude a mapear a erva-das-Pampas, planta exótica e invasora em Portugal, também conhecida por penachos ou plumas (Cortaderia selloana).

As espécies invasoras são uma ameaça à biodiversidade,  levando ao perigo de extinção espécies autóctones e causando o efeitos negativos a nível ambiental, económico, e na saúde pública. Assim, partilho aqui o pedido de ajuda para o mapeamento da espécie invasora Cortaderia selloana.

«Há por aí cidadãos-cientistas?

Precisamos de ajuda de cidadãos-cientistas para mapear a invasora erva-das-Pampas. Mas o que são plantas invasoras? Plantas invasoras são plantas que vieram de outros locais do mundo (exóticas), adaptaram-se muito bem no nosso território, e hoje em dia reproduzem-se e dispersam pelos seus próprios meios para longe dos locais onde foram introduzidas pelo Homem, causando impactes ambientais e económicos negativos.

Entre as piores plantas invasoras em Portugal, encontra-se a erva-das-Pampas, também conhecida por penacho ou plumas. Nesta altura do ano, esta espécie está em flor pelo que é mais fácil distingui-la na paisagem e vê-la onde geralmente não vemos. Por isso, é a altura ideal para pedir a ajuda de todos para a colocar no mapa de avistamentos que temos no invasoras.pt – este mapa é uma plataforma de ciência-cidadã em que contamos com a colaboração de todos os cidadãos para construir o mapa das plantas invasoras em Portugal.

Quem pode colaborar?  
Todos! Todos podem ser cidadãos-cientistas ao ajudar a recolher informação sobre a localização das plantas invasoras.  ...»

Veja como pode ajudar (fonte e mais informação) em: http://invasoras.pt/vamos_colocar_a_erva_das_pampas_no_mapa/

Para mais informação, contactar invader@uc.pt