quinta-feira, 22 de agosto de 2013

É impossível continuar assim!

Imagem obtida aqui 
Em 2013, 20 de Agosto foi o Earth Overshoot Day *(Dia da Sobrecarga), o que significa que em menos de 8 meses se consumiram os recursos do nosso planeta que deveriam durar pelo menos um ano para que pudessem ser repostos (e muitos deles sem reposição possível...), ou que, ao ritmo de consumo actual, precisamos de uma Terra e meia... No resto do ano, estamos em deficit ecológico, em dívida com a Terra e com as gerações futuras.

De um modo geral, o dia da sobrecarga acontece mais cedo cada ano, o que significa que estamos mesmo no mau caminho... num caminho sem saída airosa possível (em 2011 foi a 27 de Setembro, ver aqui), endividando e negando o futuro às próximas gerações!

Uma revolução é precisa e urgente, mas essa revolução tem de começar em cada um de nós, como diz Yann Arthus Bertrand (fotógrafo, realizador do filme HOME, fundador da GoodPlanet Foundation), na entrevista à Association Santé Environnement France, da qual traduzi o fragmento que se segue:


«"Salvar o planeta", "preservar o ambiente", isso já não significa nada! Hoje, precisamos de uma espécie de revolução. Ela não será política, porque temos as políticas que merecemos. O político corajoso que vai tomar decisões difíceis, ainda não está lá. Vivemos numa democracia, e tudo o que não temos vontade de fazer, a política não o vai fazer... A revolução não será científica. Claro, vão-se inventar novos sistemas de energia limpa. Mas não vão substituir 85 milhões de barris de petróleo por dia por turbinas eólicas ou painéis solares. Portanto, é realmente necessário aprender a gastar menos energia para viver melhor com menos. Não vai ser uma revolução económica. A economia de hoje, já não a conseguimos controlar, as crises económicas vão-se suceder. O que precisamos é praticamente uma revolução espiritual. Não no sentido religioso, mas sim no sentido moral e ético. Como homem de hoje, sei o que se passa no mundo, como a minha vida quotidiana impacta o planeta ... então, eu devo perguntar-me o que posso fazer para reduzir o meu impacto? Bem, esse é o tipo de revolução que deve ocorrer e de que ainda estamos longe ... 
Foto de Erwan Sourget, obtida aqui
A ecologia deve estar inscrita no ADN de tudo o que fazemos diariamente e ainda não entrou nos costumes. Ainda estamos num mundo onde cada vez de consome mais, onde se crê que quanto mais crescimento, melhor para a economia. E, no fim de contas, isso não é bom para o planeta! Portanto, permanecemos estagnados na negação, porque sabemos que um dia não haverá mais recursos, e aí então como é que vamos fazer? Isso é preocupante. Dois mil milhões de pessoas vivem como nós, cinco mil milhões gostaria de viver como nós ... Não há madeira suficiente, petróleo suficiente, não pode ser. É impossível.» Yann Arthus Bertrand

O "Earth Overshoot Day" é uma data aproximada, estimada dividindo a biocapacidade do planeta pela pegada ecológica mundial, e multiplicando por 365.

3 comentários:

  1. E os outros países como USA, Portugal?
    Tens dados?

    ResponderEliminar
  2. Olá Hieros e Alexandre e Alana, e obrigada pela visita.

    O Dia da Sobrecarga é estimado a nível mundial, enquanto que o infograma acima apresenta a relação entre a pegada ecológica de alguns países e a sua biocapacidade.

    Nesta página da Global Footprint Network pode ver-se os gráficos com a evolução da Pegada Ecológica (PE) e da Biocapacidade de vários países desde 1961 até 2009. Os dados estão em hectares globais (gha) per capita, e é nessas unidades que estão os números a que me refiro a seguir, que são aproximados e baseados em 2009.

    A Biocapacidade (BC) da Terra está estimada (pela Global Footprint Network) em 1.8 hectares globais per capita (ghac) e a Pegada Ecológica (PE) global em 2.6 ghac, o que significa que é preciso mais meio planeta do que o que temos. Isto é em termos globais.

    Analisando país a país, há países mais ricos em recursos naturais, que apesar de poderem ter elevada PE, ainda estão em crédito, pois têm uma BC superior. É caso da Austrália, em que a PE é muito elevada (7 ghac) mas a BC é superior (15 ghac), ou do Brasil, com PE de 3 ghac e BC de 10 ghac (o que dá, no Brasil, o tal quociente de 0.3). No caso da Austrália, a PE tem vindo a diminuir, enquanto que no Brasil tem vindo a aumentar, no entanto, em ambos os casos a BC tem vindo a diminuir de uma forma muito acentuada.
    Nos Estados Unidos da América, a PE é superior a 7 ghac, mas a BC é de apenas 4 ghac, portanto este país está em débito. Em débito está também Portugal, com uma PE superior a 4 ghac e com uma BC que nem chega a 5 ghac.

    Em qualquer destes 4 casos, a PE é superior à BC global do Planeta.

    ResponderEliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.