domingo, 31 de Outubro de 2010

Ajudando meninas a ter tempo de o ser

Não haja dúvida que a maneira mais eficaz de melhorar o futuro é através da educação. Em muitas partes do mundo, as meninas são vítimas de discriminação, de violação, de SIDA e outras doenças, de casamentos e maternidades forçados e demasiado precoces., roubando-lhes a infância e comprometendo o futuro. Leiam o post e o link de Ecila no blogue "Alice im my head" para terem uma noção ao de leve das barbaridades por que passam as meninas em certas culturas em África, designadamente, nos Camarões.

The Girl Effect (movimento liderado pela Nike Foundation) e a Camfed, combatem a pobreza e a SIDA em África através da educação de meninas. Veja nos links como pode ajudar.

Até 30 de Dezembro, está a decorrer uma campanha no Facebook, em que um doador anónimo dá $0,50 à Camfed por cada pessoa que aderir à causa Educate Girls in Africa, até ao máximo de $100.000.


sexta-feira, 29 de Outubro de 2010

Cada um a contribuir para um planeta melhor

Imagem de We Are What We Do
Alcançar um mundo sustentável depende de todos nós, de estarmos esclarecidos e de esclarecermos que o caminho que a economia global tem seguido é errado. O caminho para a sustentabilidade tem de passar não só pelo respeito pelo ambiente e equilíbrio dos ecossistemas, mas também pela justiça social e pela distribuição equitativa de recursos. Há que mudar de rumo, e esta viragem implica uma acção individual e colectiva na redução do consumo, na redução da produção de resíduos, na reutilização e nas relações humanas.

Já passamos a era dos 3 R's, agora, estamos na época dos 5 R´s: Repensar, Respeitar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar

E porque as pequenas acções de muitas pessoas acabem por ter um grande impacto, coloquei neste blogue uma página com dicas simples para ajudar à mudança de cada um  e de todos. Não são novidade para a maioria das pessoas que já estão familiarizadas com as questões ambientais, e grande parte das dicas estão amplamente divulgadas na Internet.  Seleccionei-as por me parecerem fáceis de implementar no dia a dia (uma  mais que outras, claro). Visite a página Dicas pela Sustentabilidade e contribua, através de comentários na mesma, com sugestões para a ajudar a aperfeiçoar.

domingo, 24 de Outubro de 2010

Está mais que na hora da Transição para a Sustentabilidade

 O conceito de sustentabilidade, e mais propriamente desenvolvimento sustentável, apareceu definido pela primeira vez em 1987, no relatório Brundtland. E teve de ser definido e escrito, não porque fosse um conceito novo, mas porque  o Homem se esqueceu.

Durante muitos milénios, o Homem e a Natureza viveram em harmonia, de acordo com os princípios da sustentabilidade. A sustentabilidade era algo intrínseco, que juntava instinto com saber empírico, e que passava de geração em geração. 

No último século e meio, o Homem enlouqueceu com a energia fácil, lançou-se na aventura da tecnologia e esqueceu-se completamente da sustentabilidade e do essencial . Com o uso do carvão e mais ainda com a descoberta do petróleo, uma revolução energética levou-nos, a evoluir para modos e níveis de vida nunca antes sonhados, permitindo um crescimento exponencial da população através de uma escalada impossível de consumo de recursos e produção de poluição.

Tal como dizem os biólogos, o comportamento exponencial da nossa espécie no último século, a nível de crescimento demográfico e consumo de recursos, só tem paralelo na natureza,  nas infecções ou nas pragas. E todos sabemos que após "consumirem" tudo o que tinham ao seu alcance, a redução da população de bactérias ou de insectos é rápida e drástica. O caos instala-se e auto-acelera-se. Deduzimos, portanto, que a continuar com o consumo e crescimento do último século, num meio finito, caminhamos seguramente para o início do fim da civilização tal como a conhecemos. São leis da física e da biologia...

Em paralelo com o aumento do nível de vida de parte da população mundial, com o aumento da esperança de vida, com o desenvolvimento da ciência,  e com o encurtamento das distâncias e globalização do comércio, assistimos a um retrocesso dos valores essenciais, ao declínio da natureza e da biodiversidade, ao aumento assustador do número de pessoas com fome crónica, e ao aumento exponencial das disparidades entre aquilo que têm os mais ricos e os mais pobres.

E nem por isso, as pessoas do mundo dito "civilizado" são hoje mais felizes. Pelo contrário, a correria, a falta de valores e prioridades verdadeiras, fez com que a angústia, o pessimismo e a passividade cívica se instalassem. A vida em comunidade foi desaparecendo ao ponto de nem sabermos quem é o vizinho que mora ao lado, o tempo para a família e os amigos cada vez fica mais curto.

Salvo honrosas excepções, aqueles que governam as nações vêem demonstrando cada vez mais a sua incapacidade de mudar o mundo, estando cada vez mais subjugados e controlados pelas grandes corporações que detém o poder económico. A falta de liderança e de coragem é já a imagem de um tempo, em que uma grande parte da humanidade continua a seguir na corrente do deslumbramento pelo consumo, ignorando ou não querendo ver que essa corrente não desagua senão num inevitável mar de caos e de guerra.

Resta-nos seguir nessa corrente, ou então, nadar contra ela com todas as nossas forças. Porque só a partir da nossa acção, dos cidadãos comuns minimamente informados e conscientes, é que pode surgir a mudança.

É tarde demais para evitar a grande crise que se aproxima, mas não é tarde demais para a tentar amenizar.  

Está  mais que na hora de começarmos a fazer a transição para um mundo em que quem está primeiro são as pessoas e a natureza, e não o dinheiro.

sábado, 23 de Outubro de 2010

A emocionante migração de um saco de plástico

Este "documentário" sobre a "vida" de um saco de plástico, narrado por Jeremy Irons, e produzido pela DDB L.A. para a Heal The Bay, passou pela GLOCAL 2010 na sexta-feira. Não podia deixar de o partilhar

quinta-feira, 21 de Outubro de 2010

Transição na GLOCAL 2010

Hoje estive todo o dia na Conferência GLOCAL 2010, e foi um dia muito proveitoso pelas mensagens transmitidas pelos conferencistas e pelos debates gerados. Não vou fazer aqui um resumo, mas uma ideia marcante que foi passada pelos conferencistas, foi a de que:

"Somos nós, as pessoas comuns e interessadas em que o mundo melhore, organizadas em pequenos grupos e em comunidades, que temos de ser os agentes da mudança, porque os governos do mundo já provaram que não são capazes, pois estão totalmente dominados pelo poder económico e financeiro"

Por lá, e para além da Agenda 21 Local, a Transição esteve bem representada por Jacqi Hodgson da Transition Towns Totnes, por Miguel Leal de Paredes em Transição, e por Luís Queirós, da Fundação Vox Populi  e do blogue Transição (e que está também envolvido na Transição em Telheiras).

Aproveito para avisar que Jacqi Hodgson estará amanhã às 21.30 na Casa de Cultura de Paredes para uma palestra sobre o Movimento de Cidades em Transição (ver aqui).

E apara finalizar, ficam os primeiros parágrafos do mais recente texto de Luís Queirós no blogue Transição (a não perder), A minha Transição:

"Quando, há meia dúzia de anos, me comecei a interessar pela questão do “pico do petróleo” mal imaginava quanto o assunto me iria apaixonar, e quanto iria modificar a minha forma de olhar a nossa civilização, de interpretar o seu passado e de perspectivar o seu futuro. E, à medida que fui aprofundando o tema, passei a dar-me conta das motivações das guerras, a entender melhor as estratégias dos governantes, a compreender com mais clareza as razões da crise, e a duvidar da eficácia das soluções que nos apresentam para sairmos dela.

Acima de tudo, convenci-me da impossibilidade do eterno crescimento exponencial que os economistas nos receitam, aprendi a conhecer e a respeitar os limites do planeta e dos seus recursos. E, por causa disso, até mudei a minha forma de estar no mundo: uso mais os transportes públicos, procuro racionalizar os consumos, respeito mais o ambiente, reciclo e reutilizo sempre que posso. Este interesse ajudou-me a reencontrar velhos amigos, irmanados numa visão comum. Tem-me ajudado a transmitir aos meus filhos um sentido para a vida e dar-lhes uma causa para lutar, e está a permitir-me envelhecer a olhar em frente e a aprender, em vez de mergulhar no revivalismo estéril das memórias do passado."
...
(continua aqui)

quarta-feira, 20 de Outubro de 2010

Conferências "Cidades pela Retoma" - Hoje e amanhã, no Porto

Hoje e amanhã à noite, no Clube Literário do Porto irá ocorrer a Conferência "Cidades pela Retoma", organizada pela Associação de Cidadãos do Porto. A entrada é livre, segundo o cartaz, no entanto o site refere o e-mail para inscrições:  acdporto@acdporto.org. O programa, segundo o blogue Aventar, (onde tem mais informação sobre a conferência) é o seguinte:

20 Outubro
21h00 / Boas-vindas / Miguel Barbot / ACdP
21h10 / As Cidades e a Retoma / José Carlos Mota / Plataforma “No Economic recovery without cities
21h25 / Cidadania 2.0 – Colaboração pela Cidade / Vitor Silva / ACdP
21h40 / Regionalização 2.0 – o papel das Cidades / Rodrigo Cardoso
21h55 / José Rio Fernandes / Cidades, Desenvolvimento e Governança / FLUP
22h10 / Debate / Miguel Barbot / / ACdP


21 Outubro
21h00 / Boas-vindas / Alexandre Ferreira / / ACdP
21h10 / Dinamizar, aproximar e projectar o território com o Digital / Luís Borges Gouveia / UFP
21h25 / Permacultura urbana / Francisco Florido / Movimento Terra Solta
21h40 / Redesenhar o Futuro / Frederico Lucas / Novos Povoadores
21h55 / Indústrias Criativas e Competitividade / Carlos Martins
22h10 / Debate e encerramento / Alexandre Ferreira / ACdP

terça-feira, 19 de Outubro de 2010

Introdução à Permacultura no Porto

No passado dia 2 de Outubro frequentei uma "Oficina de Permacultura", na Quinta da Gruta, na Maia,   iniciativa do Núcleo do Porto da Quercus destinada a dar a conhecer a filosofia da Permacultura (vídeo aqui). Foi uma tarde bem passada, em que pudemos ficar com uma ideia do que é a Permacultura, onde foi construída uma "espiral de ervas", e que nos despertou a vontade de ir mais além, fazendo formação intensiva no tema para  colocá-lo em prática. Sendo a permacultura uma ferramenta essencial para a Transição, espero quer este tipo de iniciativas se repitam em muitos locais do país, quer a nível de introdução, como esta, quer mesmo o curso intensivo.


Permacultura no Porto Canal from Quercus Porto on Vimeo.

sábado, 16 de Outubro de 2010

A Vida Interligada - Dia Mundial da Alimentação 2010

Porque hoje é o Dia Mundial da Alimentação, porque o vídeo idêntico que incorporei neste blogue há mais de um ano deixou de estar disponível, e porque o mesmo é muito bom, vou deixá-lo hoje aqui, em duas partes.
Eu não sou vegan, nem vegetariana, mas há muito que decidi ir reduzindo o consumo de carne, e continuo a fazê-lo gradualmente. E adorei o filme A Life Connected!
Este filme fala sobre um modo de vida em paz com a natureza, com os outros, com a vida. Mesmo que não lhe passe pela cabeça vir a ser vegetariano ou vegan, veja o filme. Vai ver que vai gostar desses 11 minutos.

E entretanto, porque a fome no mundo é um problema de todos nós, volto a apelar à petição 1 billionhungry. Já mais de 1 milhão de pessoas assinaram, mas há 1000 milhões com fome!



sexta-feira, 15 de Outubro de 2010

Blog Action Day - ÁGUA - Água da vida ou da morte

A água, tão abundante na nossa Terra e essencial à vida, está doente. Quem o diz é o relatório da ONU,  Sick Water?, divulgado no passado mês de Março.

O  crescimento populacional, o aumento do consumo, a falta de estratégias e os milhões de toneladas de esgotos e resíduos industriais e agrícolas sem tratamento que são despejados nos rios, na terra e no mar, ameaçam os ecossistemas, a biodiversidade e a vida humana. 

A juntar-se à escassez de água potável, a má qualidade da água disponível em algumas regiões do globo mata mais do que as guerras.  Actualmente, morrem cerca de 1.800.000.000 crianças com menos de 5 anos por ano (mais do que uma  a cada 20 segundos) devido a doenças originadas pela água poluída e falta de condições de higiene.

Foto: http://www.lightstalkers.org/images/show/748242
Tentando curar a água, trabalha a WarterAid, uma organização não governamental internacional cuja missão é transformar vidas nas comunidades mais pobres do mundo, melhorando o acesso à água potável, higiene e saneamento. O filme incorporado abaixo dá uma ideia do trabalho desenvolvido, do uso dos princípios de sustentabilidade e da educação de comunidades afectadas pela falta de higiene e água de qualidade. A versão completa do vídeo abaixo (10 min) pode ser vista aqui.




Enquanto os governos se preocupam com os seus umbigos e com as suas guerrinhas políticas e pelo poder, valem estas organizações para minorarem as mortes e melhorarem a vida de muitas pessoas. Mas não chegam para todos. É mais do que tempo para os políticos definirem prioridades sérias. Que os políticos que supostamente governam o mundo parem de se deixar governar pelo poder económico. Se não sabem ou não têm coragem de o fazer, saiam, dêem lugar a quem o saiba: façam um favor ao mundo.

terça-feira, 12 de Outubro de 2010

Porque não falam eles do Pico do Petróleo?

Porque é que a comunicação social fala SEMPRE das mesmas coisas e NUNCA de certas coisas? Porque será que não falam do PICO do PETRÓLEO e o colapso que vai gerar, se não se mudar o estilo de vida e se não se apostar forte noutras fontes de energia? Vejam o vídeo abaixo, saibam um pouco mais aqui e muito mais no The Oil Drum.

É óbvio e evidente que o petróleo está cada vez mais difícil e caro de extrair, ou seja a oferta vai diminuir. É óbvio que é crescente e exponencial a procura de petróleo por parte das grandes economias emergentes, como a Índia, a China e o Brasil. É só juntar estas premissas e concluir, que não vai haver oferta para a procura. Logo, o preço vai subir, e vai subir muito. Muitas empresas, dependentes do petróleo, vão rebentar.  O transporte de bens, incluindo alimentares, vai ser caríssimo. Os empregos vão diminuir. O poder de compra vai baixar e o que resta da classe média vai passar a pobre.  A desordem instalar-se-á. A sociedade colapsará.

E não se está apostar suficientemente nas energia renováveis. E, salvo algumas cidades e comunidades que se preparam para a transição reduzindo os consumos energéticos, o mundo não se está a preparar. Porque não vê, não ouve, não lê, não sabe. Porque uns escondem e  outros ignoram.

Estranho o ignorar das evidências por parte dos políticos, dos economistas, e da comunicação social.



Vejam também o post de Mab e a animação no blogue parceiro "O Único Planeta que Temos", que hoje, e por coincidência, também se lembrou de falar do Pico do Petróleo.

segunda-feira, 11 de Outubro de 2010

Sustentabilidade é Acção ganhou Green Blogger Award de Setembro

O post  ODM  - Objectivos de Desenvolvimento do Milénio deste blogue ganhou o Green Blogger Award de Setembro! E tudo graças aos vossos votos  e à  iniciativa do blogue LXSustentavel, que o nomeou juntamente com mais 4, para o mês de Setembro, conforme divulguei aqui.

Adianto que a minha intenção para o prémio (vale da FNAC no valor de 100 euros) será comprar livros dedicados às temáticas que abordo neste blogue, e que, pelo menos que um deles,s ervirá de prémio a um pequeno concurso de texto que tenciono fazer antes do Natal, aqui no blogue.

Os meus agradecimentos à equipa  do LXSustentavel, e sobretudo agradeço a todos os que votaram neste blogue. São os que visitam e que comentam que dão vida e razão de ser a este espaço! 

 OBRIGADA!

domingo, 10 de Outubro de 2010

10/10/10 - Dia de Acção Climática 350 em Famalicão

Mais de 350 pessoas (bastante mais, mas não sei ao certo) participaram hoje na "Caminhada pelo Clima Famalicão", assinalando o 10/10/10 da campanha 350. O sol interior destes seres exteriorizou-se numa magnífica manhã, que se vestiu de branco e tons de azul, como mostram as fotografias:
 




O grupo organizador no fim da Caminhada
Numa caminhada de sensibilização de cerca de 5 km pela cidade, os caminhantes vestiram a camisola, mais propriamente T-shirt, e divulgaram dicas como: "Queime calorias e não petróleo", "Prefira sempre a luz natural", "Opte pelos transportes públicos", "Reutilize manuais escolares", "Escolha produtos locais", "Tome banho de duche e rápido", "Reutilize os sacos nas compras", etc., etc..
Participaram pessoas das mais diversas idades, todos com boa disposição. Vieram pessoas de outras terras do norte, inclusive de Viana do Castelo. Até o vice-presidente da autarquia e mais três vereadores vestiram a camisola (um deles só no sentido figurado porque não havia tamanho XL). Alguns "sprinters" da geração futura e mais um de quatro patas, a "Luna", imprimiram um passo acelerado e dificilmente abrandado pela organização, de modo que a caminhada acabou um pouco antes do esperado. 
 
Correu tudo lindamente, e julgo que transmitimos a mensagem de que são necessárias as nossas acções individuais para contribuirmos para um mundo melhor. E esta mensagem destes cidadãos empenhados fará parte, através das fotos enviadas à 350.org da pressão a exercer sobre os líderes  mundiais que se vão reunir na COP16, Cimeira do México sobre Alterações climáticas, a realizar em Dezembro: queremos como meta, o valor máximo de 350 ppm de CO2 na atmosfera!

Aos participantes, aos que colaboraram patrocinando o evento, à autarquia, à comunicação social local e regional e aos membros do grupo organizador: MUITO OBRIGADA!

Para ver mais fotos: no Facebook, ver o meu álbum ou o álbum do Município de Vila Nova de Famalicão

Nota: este "post" foi publicado hoje em Famalicão por um Mundo Melhor, onde estão mais fotos.

sábado, 9 de Outubro de 2010

10/10/10 é amanhã - Caminhada pelo Clima Famalicão

Sete semanas depois de termos começado a organizar a Caminhada pelo Clima Famalicão, tudo está a postos para que amanhã 10/10/10 seja um dia que sensibilize a população e que ajude a 350.org a mandar uma mensagem  de milhões de pessoas para os líderes que se vão reunir, em Dezembro, no México, na Cimeira sobre Alterações Climáticas. 

Depois de uma dia de ontem tão cinzento e chuvoso, fomos brindados cá em Famalicão com uma manhã de sol brilhando por trás das nuvens. Esperamos que muitas centenas de caminhantes apareçam, amanhã e que não se assustem com uns eventuais aguaceiros que possam ocorrer!

Toda esta preparação para a Caminhada não teria sido possível se não tivéssemos apoios. Assim, deixamos aqui o nosso sincero agradecimento às seguintes entidades e empresas, na maioria de Vila nova de Famalicão, que se disponibilizaram a ajudar esta iniciativa por um mundo melhor para as gerações mais novas e futuras:

Mas, se para fazer uma caminhada, basta pôr os pés ao caminho, para fazer de uma caminhada um evento de sensibilização é preciso trabalho, empenho e apoio. Assim, esta Caminhada pelo Clima Famalicão tem vindo a ser organizada por um grupo de 17 voluntários, na maioria famalicenses, mas também da Trofa, Castelo da Maia e Valongo. Alguns deles responderam de imediato ao apelo feito ao grupo Limpar Portugal VNF Famalicão. Outros já tinham estado também no evento de 24/10/2009 da 350, em Gaia/Porto, e já conheciam este movimento 350.orgParte deles, absolutamente desconhecidos dos outros.

Certo é o seguinte: com reuniões semanais desde 31 de Agosto até hoje, este grupo de pessoas, sem qualquer associação formalizada, conseguiu fazer desta caminhada um evento de grande impacte, como se pode ver pelo destaque dado pelo próprio movimento 350.org/pt/Uns participaram mais, outros participaram menos, mas todos colaboraram na medida das suas possibilidades.

Por isso, aqui fica o meu sincero "obrigada" a este grupo fantástico que me deu motivo para  continuar a acreditar que o mundo pode mudar para melhor, porque há gente para isso.  Assim, e por ordem alfabética, bem hajam:

Aqui está parte do grupo organizador da Caminhada, pena que seja apenas menos de metade...
Albertina Pereira
Alcino Monteiro
Ana Berta Rego
Ana Maria Azevedo
Clara Drave (Castelo da Maia)
Cristiana Caldas 
Graça Marques (Trofa)
Lígia Silva
Luciana Lopes
Luísa Aguiar (Valongo)
Manuel Cruz (Trofa)
Marta Moniz
Nuno Mendes
Pedro Teixeira
Sandra Costa 
Susana Costa

 Um muito obrigada a todos os que tornaram possível a organização desta Caminhada, e agora esperemos que o "Clima", pelo qual vamos caminhar, nos ajude amanhã de manhã a torná-la possível e em grande!

quarta-feira, 6 de Outubro de 2010

Câmara de Penafiel promove a agricultura biológica

Num país de terras férteis, com a agricultura pela rua da amargura, ou então baseada em químicos que dão cabo do solo, da água e da saúde, Penafiel dá o exemplo a seguir - agricultura biológica. Os terrenos são explorados, combate-se o desemprego, o solo e a água são poupados de produtos nocivos, a saúde é menos posta em risco, e o concelho enriquece. Saem todos a ganhar.

"Através desta parceria, a Câmara pretende encontrar soluções para terras agrícolas abandonadas, criando emprego e dinamizando os produtos locais. O protocolo prevê que a autarquia passe a apoiar, a 50 por cento, a formação na área da agricultura biológica; a prestação de apoio técnico; e a certificação das terras - a 100 por cento no primeiro ano, a 50 por cento no segundo e a 25 por cento no terceiro -, cujo valor pode chegar aos 400 euros por produtor".  (Fonte: O verdadeiro olhar)

terça-feira, 5 de Outubro de 2010

10/10/10 - Dia de Acção Climática

Faltam poucos dias para 10/10/10, dia escolhido pelo movimento 350.org para mostrar ao mundo que estamos prontos para soluções que invertam o sentido das alterações climáticas. São já mais de 6 mil eventos em 185 países registados no site 350.org. 
Para além da sensibilização da população, pretende-se enviar uma mensagem para a cimeira do México sobre Alterações Climáticas, a realizar em Dezembro: queremos um tratado justo, ambicioso e vinculativo!




Em Vila Nova de Famalicão, prepara-se uma caminhada de sensibilização (Caminhada pelo Clima Famalicão),
Em Faro, vão criar uma horta urbana na cidade (Faro que te quero verde)
Em Lisboa, a Quercus está a organizar um passeio de bicicleta (Venha pedalar por menos CO2!)

E muitas outras acções estão registadas por esse país fora (ver no mapa)

No caso de Famalicão, o registo é aconselhado, mas não necessário. Basta comparecer no Parque da Juventude às 09.30 do próximo Domingo. A Caminhada parte às 10:10h, e terá uma duração de cerca de 1h30 (são cerca de 5 km). O registo é aqui, e saiba mais aqui. O evento também está no Facebook, aqui.

Alguma notícias internacionais recentes sobre o evento global:
The Guardian: http://www.guardian.co.uk/environment/blog/2010/oct/04/10-10-campaign-events
The Huffington Post: http://www.huffingtonpost.com/2010/10/05/global-work-party-october_n_749594.html
CNN:  http://www.cnngo.com/mumbai/play/350orgs-global-work-party
Treehugger: http://www.treehugger.com/files/2010/10/350-work-party-10-10-10-top-events-inspire-action.php

"350.org é uma campanha internacional de bases que tem por fim mobilizar um movimento global de clima, unido pelo mesmo apelo à ação. Disseminando um conhecimento das bases científicas e uma visão partilhada de uma política justa, procuramos garantir que o mundo crie soluções corajosas e igualitárias para a crise climática. 350.org é um projeto independente e sem fins lucrativos."

segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

domingo, 3 de Outubro de 2010

Música contra o Glifosato




Na sequência do Comunicado da Plataforma Transgénicos Fora, música dos Mañana me Chanto contra o glifosato, o herbicida mais usado em Portugal e amplamente disseminado no mundo, principal ingrediente na composição do famoso Roundup da corporação gigante e sem ética,  Monsanto.

sábado, 2 de Outubro de 2010

Comunicado da Plataforma Transgénicos Fora sobre Herbicida


NOVOS ESTUDOS CIENTÍFICOS DEMONSTRAM  IMPACTOS NEGATIVOS

Uma equipa internacional de cientistas conceituados publicou este mês um relatório sistematizando as provas acumuladas sobre os riscos ambientais e para a saúde humana do Roundup (o herbicida mais vendido no mundo) e respectivo cultivo de soja transgénica Roundup Ready (manipulada para receber a aplicação desse herbicida).

O relatório "Soja GM: Sustentável? Responsável?"(1) realça a investigação pioneira(2) do cientista do governo argentino, Professor Andrés Carrasco, que prova que o glifosato causa malformações e defeitos de nascimento em animais de laboratório, mesmo em dosagens muito inferiores às usadas na pulverização agrícola. "Os resultados em laboratório são análogos às malformações observadas em embriões humanos expostos ao glifosato durante a gravidez", aponta o Prof. Carrasco.

Este relatório é lançado em conjunto com testemunhos filmados(1) de aldeões argentinos cujas vidas foram destruídas pelo cultivo da soja transgénica (GM). Na Argentina e no Paraguai, médicos e habitantes das zonas de produção da soja GM relatam efeitos nefastos na saúde resultantes da pulverização de glifosato, incluindo índices elevados de malformações, abortos espontâneos, cancros e aumento de casos de nados-mortos.(3) Os estudos científicos reunidos no novo relatório confirmam a ligação entre a exposição ao glifosato e numerosíssimos efeitos nefastos para a saúde, incluindo danos no DNA e órgãos reprodutores.

Carrasco diz que "as pessoas que vivem nas zonas de cultivo de soja na Argentina começaram a reportar problemas em 2002, apenas dois anos após as primeiras colheitas em grande escala da soja GM Roundup Ready". Residentes das áreas afectadas relatam também danos ambientais resultantes do uso do glifosato, como a contaminação das culturas agrícolas e ribeiros cheios de peixes mortos na sequência da sua aplicação. Estas observações são sustentadas por estudos científicos trazidos a lume pelo novo relatório que demonstram que o glifosato é tóxico para o meio ambiente.

O relatório "Soja GM: Sustentável? Responsável?" refuta  fundamentadamente as afirmações da indústria sobre a sustentabilidade do cultivo da soja GM e a segurança dos herbicidas à base de glifosato como o Roundup. Mas a Mesa Redonda sobre Soja Responsável (Round Table on Responsible Soy, RTRS), um fórum misto com representantes da indústria e algumas organizações não governamentais para a produção sustentável de soja, planeia lançar a nível internacional um rótulo para essa soja, dita "responsável", cujo objectivo é assegurar aos consumidores e distribuidores com preocupações éticas que a soja foi produzida tendo em conta as pessoas e o ambiente. Certificará também a soja GM pulverizada com glifosato como sendo responsável.

A RTRS reúne multinacionais tais como ADM, Bunge, Cargill, Monsanto, Syngenta, Shell e BP, e associações - muito contestadas - como o WWF e Solidaridad.
Claire Robinson, da GMWatch, comenta assim essa intenção: 
"É uma farsa cruel chamar sustentável e responsável ao modelo de agricultura que envolve a soja transgénica e o seu herbicida Roundup. Os critérios da RTRS convêm à indústria mas são tão fracos que não protegem a população local dos riscos conhecidos da soja GM e do Roundup, documentados no relatório. Nem sequer protegem a floresta tropical, um dos objectivos iniciais. A RTRS também ignora os problemas sociais causados pelas monoculturas de soja GM. Os meios de subsistência locais e a segurança alimentar são erodidos à medida que as terras usadas para produzir alimentos são entregues às monoculturas desta soja tóxica, maioritariamente exportada para a Europa para alimentar o gado."

O relatório mostra que a proporção de pessoas pobres e famintas na Argentina subiu de 15% em 1996 - o ano da introdução da soja transgénica - para 47% em 2003.

A soja GM Roundup Ready é também importada para Portugal, onde alimenta vacas, galinhas e porcos que mais tarde fornecem a carne que comemos. Além disso, é utilizada para produzir lecitina de soja, usada em centenas de alimentos humanos. Por isso Margarida Silva, coordenadora da Plataforma Transgénicos Fora, afirmou já que "A soja transgénica é uma ameaça global e os estudos científicos mais recentes demonstram que a realidade é bastante pior do que se suspeitava. Portugal não pode continuar a importar esta soja transgénica como se nada fosse. Os bifes e galinhas que comemos, quando provenientes de produção intensiva, trazem consigo um rasto de sangue, doença e muitas famílias desfeitas. O Roundup tem de ser proibido e as Medidas Agro-Ambientais que o apoiam têm de ser desde já reformuladas."(4)
....»

Ver original completo em: Plataforma Transgénicos Fora, 2010/09/24

sexta-feira, 1 de Outubro de 2010

Green Blogger Awards - Setembro 2010

Os Green Blogger Awards são uma iniciativa do blogue LXSustentavel, com o objectivo de reconhecer os melhores blogues portugueses que abordam a temática da sustentabilidade. Pretendem reconhecer mensalmente um post que tenha contribuído para a discussão e consciencialização deste tema, através de uma pre-selecção de 5 posts.

Na edição de Setembro 2010, o LXSustentável nomeou um post deste blogue, tal como já o tinha feito na primeira edição, em Julho.  Os meus agradecimentos à equipa LXSustentavel, e os parabéns pelo seu óptimo blogue e por continuarem esta iniciativa, que nos vai dando a conhecer artigos e blogues muito interessantes.

Os nomeados para Setembro 2010 são:
  1. Quero andar a pé! Posso?:Peões ganham tempo no atravessamento de passadeiras
  2. Ciência Hoje: Camada de ozono poderá recuperar até 2050
  3. Cenas a Pedal: O nosso fim-de-semana
  4. Sustentabilidade é Acção: ODM – Objectivos de Desenvolvimento do Milénio
  5. A Nossa Terrinha: Chama-se língua portuguesa
    Visitem o LXSustentável e os blogues nomeados. Para votarem, basta fazerem um comentário aqui , indicando, na primeira linha, o título do post favorito, de entre os 5 nomeados. Até ao dia 8 de Outubro.