sábado, 26 de junho de 2010

No caminho do consumo sustentável

Um dos pecados da economia capitalista reside no apelo ao consumo desregrado e excessivo, que como já se falou aqui várias vezes, leva à exaustão dos recursos naturais, ao desequilíbrio dos ecossistemas, ao "afogamento" da natureza em lixo, e levará, por fim, ao colapso da nossa sociedade.
Para contrariar esta tendência, há dois caminhos que devem ser percorridos em paralelo,: por um lado, a diminuição do consumo, e por outro lado, a procura de um consumo informado, de produtos e serviços que respeitem o ambiente, os animais e a dignidade humana.

Nesse sentido, e porque explica melhor do que eu poderia dizer, transcrevo para aqui um texto de Afonso Capelas Jr. publicado no blogue Sustentável na Prática do site Planeta Sustentável, em 30/05/2010:

"Em busca da corrente do bem   por Afonso Capelas Jr.

Já foi dito que a nossa ação de consumir deixa rastros no planeta, por isso é fundamental consumir com consciência. Entretanto, além da necessidade de aprender a comprar apenas o que realmente será utilizado, é importante também saber fazer escolhas por produtos honestos do ponto de vista socioambiental.

Um exemplo: você já teve a curiosidade de saber de onde veio o sabonete que você usa todos os dias? Como é feita a extração da matéria-prima? E o transporte até a fábrica? Os funcionários são bem remunerados e têm todos os direitos trabalhistas garantidos?

Acredito que a partir de agora nossa tarefa será, cada vez mais, estar atentos aos elos da chamada cadeia de produção do que levamos para casa. Muitas empresas já estão preocupadas em incorporar a sustentabilidade à sua cadeia de produção, mas ainda não é a maioria.

Por isso, a função do consumidor será, cada vez, mais ficar de olho nesse processo. Uma das maneiras é criar o hábito de ler rótulos e embalagens, esmiuçar os sites dos fabricantes, cobrar processos mais limpos utilizando canais de comunicação como o e-mail e os Serviços de Atendimento ao Consumidor (SAC). Outra boa atitude é deixar o produto suspeito na prateleira e escolher outro mais sustentável.

Afinal de contas, não te causa mal estar saber que o chocolate que você adora foi feito com matéria-prima proveniente de fornecedores que destroem florestas tropicais, como foi denunciado no caso da Nestlé, recentemente? Ou que o seu celular de última geração foi produzido com trabalho semi-escravo?

Sobre esse último caso escrevi aqui no site uma resenha sobre o documentário franco-finlandês A decent factory (em tradução livre “Uma fábrica decente”), cujo tema principal é a visita de duas especialistas em ética a uma fábrica chinesa fornecedora de carregadores de celulares terceirizada pela Nokia.

As profissionais não gostaram nada do que viram e a empresa acabou por substituir o fornecedor de sua cadeia produtiva. Assim como a própria Nestlé também se prontificou a fazer o mesmo depois que o caso foi parar na imprensa.

Penso que essas preocupações serão uma tendência cada vez maior neste século 21. Ainda bem. Mas é indispensável fazer a nossa parte já que somos um dos elos mais importantes dessa corrente."

No Brasil, está para breve o selo Qualidade Ambiental, que garante que o produto foi fabricado de acordo com cuidados socioambientais em todos os elos da sua cadeia de produção, desde a extracção da matéria-prima até ao fim de vida - reciclagem e descarte. Saibam mais sobre este selo no post de 25/06/2010, "O selo dos selos ambientais", do mesmo blogue e do mesmo autor, que acaba assim: 
"É, sem dúvida, uma grande notícia e quem sai ganhando somos nós. Só não diminui nossa responsabilidade de estar sempre de olho nos rótulos."
 
Na Europa existe o "Ecolabel", que certifica o respeito pelo ambiente do produto ou serviço, também em toda a sua cadeia produtiva (desde a matéria prima à deposição final), mas que julgo não leve em linha de conta os aspectos sociais e de comércio justo.

Deixo também a indicação de um outro texto do site Planeta Sustentável, no tema Desenvolvimento, intitulado 7 sinais de propaganda enganosa, que ajuda a identificar falsos alardes de produtos "amigos do ambiente", já que não faltam símbolos e selos reclamando os produtos como ecológicos.

12 comentários:

  1. Olá...

    Parabéns por mais uma matéria muito boa....
    boa semana,
    bj
    ÉRICA

    ResponderEliminar
  2. Muito interessante a postagem.....temos que rever a nossa maneira de agir,temos muito ainda o que mudar.....

    ResponderEliminar
  3. Olá Érica

    A matéria vem lá da sua terra: do Brasil, e de S. Paulo.
    Obrigada, beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  4. Olá Monique

    Há muito que mudar. Devia ser depressa, mas parece impossível...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Muito interessante a forma como aborda o tema ambiente, parabéns.

    ResponderEliminar
  6. Grupo Carpe Diem

    Muito obrigada pelo comentário e pela visita :)

    ResponderEliminar
  7. Fica aqui registado o e-mail de Afonso Capelas Jr., autor do texto transcrito e do blogue Sustentável na Prática:

    "Olá Manuela,
    Gostaria de agradecer por ter republicado e divulgado posts do meu blog Sustentável na prática na sua página.
    Bom saber que do outro lado do oceano também existem pessoas dispostas a divulgar esse assunto tão urgente.
    Continuemos nesse caminho e qualquer coisa que precisar daqui estou à disposição...
    Muito obrigado,
    Abraços,
    Afonso Capelas Jr."

    Caro Afonso:
    Eu é que agradeço a possibilidade de aqui publicar o seu texto, bem como a oportunidade de ler o seu interessantíssimo blogue, pois as ideias que temos em relação à sustentabilidade parecem ser coincidentes.
    Já coloquei o seu blogue na minha lista ali ao lado, e espero visitá-lo mais vezes, porque vale mesmo a pena.
    Muito obrigada e um abraço
    Manuela Araújo

    ResponderEliminar
  8. oi visite o meu blog de consumo-design e meio ambiente, obrigado.

    ResponderEliminar
  9. Olá, conheça a Horta Pronta Online, a Horta que já vem pronta,

    http://sites.google.com/site/hortaprontaonline/

    Grato, Eliel.

    ResponderEliminar
  10. Muito bem postado Manuela.
    voce diz no principio da postagem;
    -----------------------------------
    produtos e serviços que respeitem o ambiente, os animais e a dignidade humana.
    -----------------------------------
    É isso,este é o principio,meio e fim,mesmo porque querendo ou não SOMOS TODOS ANIMAIS(porem tenho ca minhas dúvidas em pensar que o dito animal tem mostrado mais racionalidade que o humano),mas,o caminho certo e me parece imutavel
    está na frase dita acima.
    O planeta aí está e nos deveriamos somente não mudar o equilibrio planetário,porem a ganancia repetitiva na historia das civilizações mais uma vez está em vias de repetição.
    Triste mas,é uma verdade incontestavel,no decorrer de meio século a humanidade atual começou a cavar seu próprio túmulo.
    Pessoas iguais a voce tem uma penosa tarefa assim como tambem muito árdua mas,o pouco que consegue é muito para muitos,então seu propósito da passagem pelo planeta material vai sendo cumprido
    com grande galhardia.
    Grande abraço

    ResponderEliminar
  11. Ira, muito obrigada!

    Um grande abraço para si também :)

    ResponderEliminar
  12. Olá,

    Usei uma das suas imagens aqui: http://consiliencia.blogspot.pt/2012/03/tendencia-que-nao-se-sustenta-colapsa.html

    ResponderEliminar

Obrigada por visitar o blogue "Sustentabilidade é Acção"!

Agradeço o seu comentário, mesmo que não venha a ter disponibilidade para responder. Comentários que considere de teor insultuoso ou que nada tenham a ver com o tema do post ou com os temas do blogue, não serão publicados ou serão apagados.